UOL Últimas NotíciasUOL Últimas Notícias
UOL BUSCA


 

06/09/2007 - 02h24
Tenor Luciano Pavarotti morre em Modena, Itália, aos 71 anos

Da Redação
Em São Paulo

O tenor italiano Luciano Pavarotti, considerado por muitos o maior cantor lírico de sua geração, morreu na madrugada desta quinta-feira, aos 71 anos de idade. A morte foi anunciada pelo empresário do cantor, Terri Robson.

Operado de um câncer pancreático em julho de 2006, em Nova York, ele deixou de fazer aparições públicas desde então. Ficou em sua casa em Modena, no norte da Itália, onde morreu, nesta quinta-feira.

"O Maestro travou uma longa batalha contra um câncer no pâncreas que no fim tirou sua vida", diz a nota divulgada pelo empresário. "Mantendo o comportamento que caracterizou toda sua vida e seu trabalho, manteve uma atitude positiva até o último momento", completa o texto.

No mês passado, Pavarotti ficou hospitalizado por mais de duas semanas, com febre e princípio de pneumonia, mas teve alta no dia 25 de agosto. Esta semana, seu estado piorou; ele ficou inconsciente e teve insuficiência renal. Parentes e amigos reuniram-se na casa do tenor. Oncologistas do hospital de Modena também o acompanharam. Após a cirurgia, o tenor perdeu 30 quilos.

Pavarotti nasceu em Modena, no dia 12 de outubro de 1935. Seu pai era padeiro e cantor lírico amador e sua mãe trabalhava em uma fábrica de charutos. Sua estréia nos palcos foi no dia 29 de abril de 1961, no papel de Rodolfo na ópera La Bohème, de Giacomo Puccini. A apresentação foi em Reggio Emilia.

Em fevereiro de 1965, fez sua primeira apresentação nos Estados Unidos, em Miami, ao lado da australiana Joan Sutherland. Substituindo um tenor que havia ficado doente, Pavarotti subiu ao palco sem precisar ensaiar previamente. Com o aval de Sutherland, que o considerou preparado para o desafio, cantou em Lucia di Lammermoor, de Gaetano Donizetti.

Mas o grande momento na América veio em 1972, com uma apresentação de La fille du régiment, também de Donizetti, no Metropolitan Opera House de Nova York. Ovacionado pelo público, o tenor foi chamado 17 vezes à cena, um recorde. Aliás, o tenor está no Guinness, o livro dos recordes, por ter recebido o maior número de chamadas ao palco: 165.

Na década de 90, ele ficou ainda mais famoso com o projeto Os Três Tenores, quando dividiu o palco com Plácido Domingo e José Carreras, em vários concertos ligados à Copa do Mundo e também em turnês mundiais.

Nos anos 90 teve início o projeto Pavarotti e Amigos, uma série de apresentações beneficentes com a participação de ídolos da música pop como Elton John, Sting e Bono, da banda U2.

Sua última apresentação em ópera foi no Metropolitan de Nova York, em 13 de março de 2004, como o pintor Mario Cavaradossi, na ópera Tosca, de Puccini. O italiano foi aplaudido de pé pelo público durante 12 minutos.

Em fevereiro de 2006, Pavarotti foi a grande atração da cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno de Turim, na Itália. Pouco depois, recebeu o diagnóstico de câncer no pâncreas.


Folha Online
Reforma visual da Folha facilita a leitura; conheça as mudanças
UOL Esporte
Após fiasco de público, CBF reduz preços de ingressos para partida
UOL Economia
Bovespa reduz ritmo de perdas
perto do fim dos negócios

UOL Tecnologia
Fãs do iPhone promovem encontro no Brasil; veja mais
UOL Notícias
Chuvas deixam quatro mortos e afetam mais de 4 mil no Paraná
UOL Vestibular
Cotista tem nota parecida com de não-cotista aponta Unifesp
UOL Televisão
Nova novela da Record terá máfia e Gabriel Braga Nunes como protagonista
UOL Música
Radiohead entra em estúdio para trabalhar em disco novo
UOL Diversão & Arte
Escritor indiano Aravind Adiga ganha o Booker Prize
UOL Cinema
Novo filme dos irmãos
Coen tem maior bilheteria nos EUA