UOL Notícias Notícias
 

03/03/2008 - 20h47

Infraero propõe aumentar tempo que os aviões ficam em solo para reduzir atrasos

Claudia Andrade
de Brasília
A Infraero anunciou nesta segunda-feira (3) uma proposta de aumento do tempo que as aeronaves permanecem em solo. O objetivo é reduzir os atrasos nos vôos, mas a proposta também pode diminuir o número de vôos. O anúncio foi feito durante a divulgação do balanço da Operação Verão 2008.

Atualmente, as empresas aéreas reservam um tempo de operação em solo considerado "irreal" pela Infraero (Empresa de Infra-Estrutura Aeroportuária) para os aeroportos de maior movimento. No Aeroporto Internacional de Guarulhos (SP), por exemplo, algumas companhias solicitam um período de 20 minutos, que seria insuficiente para o trabalho de embarque, desembarque, carga e descarga das aeronaves.

"Em Guarulhos, é impossível fazer a operação em menos de 20 minutos, visto que em Congonhas o trabalho dura 40 minutos, no mínimo", compara o diretor de operações, tenente brigadeiro Cleonison Nicácio Silva.

Se um intervalo maior for planejado, o passageiro saberá o horário de embarque real. "O passageiro não vai mais precisar chegar ao aeroporto em um horário fictício, que não será cumprido", defende o presidente da Infraero, Sérgio Gaudenzi.

O estudo feito pela Infraero apontou que 56% dos atrasos registrados em Guarulhos tinham sido gerados por retardos em etapas anteriores à chegada do vôo ao aeroporto internacional. É esse tipo de atraso 'em cascata' que se pretende evitar com o aumento do tempo previsto para a operação em solo.

Segundo a proposta, os aeroportos de Guarulhos (SP), Galeão (RJ) e Brasília (DF) adotariam um período de 45 minutos. O aeroporto de Congonhas, também em São Paulo, já trabalha com 40 minutos, intervalo que seria adotado também em Campinas (SP), Porto Alegre (RS), Curitiba (PR), Florianópolis (SC), Confins (MG), Salvador (BA), Recife (PE), Fortaleza (CE), Belém (PA) e Manaus (AM). Nos demais aeroportos da rede, o tempo seria de 30 minutos.

A proposta foi feita ao Ministério da Defesa e ainda será discutida inclusive com as empresas aéreas, que podem ter de reduzir o número de vôos, para se adaptarem a um novo cronograma.

A Infraero, contudo, prioriza a pontualidade dos vôos. "Apertar o tempo de operação em solo só vai aumentar o balando de atrasos", defende Gaudenzi, para quem a alteração, se colocada em prática, não necessariamente reduzirá a quantidade de vôos.

Operação Verão
A Infraero também divulgou o balanço das companhias aéreas no Carnaval. Em comparação ao mesmo período do ano passado, três empresas (Gol, Tam e Varig) apresentaram redução no número de atrasos.

ATRASOS NO CARNAVAL
Gol23,94%7,1%
Ocean Air16,72%22,76%
TAM13,99%4,68
Varig14,88%5,72
Companhia20072008
Apenas a Ocean Air registrou aumento, de 16,72% em 2007 para 22,76% em 2008. Foi também a única que teve um número maior de vôos com atrasos superiores a uma hora, passando de 103 em 2007 para 247 em 2008.

Para o diretor de operações da Infraero, o balanço foi positivo, mas é preciso reduzir também o tempo que o passageiro gasta para fazer o check in. "O trabalho está muito aquém do que a tecnologia permitiria hoje. É preciso desenvolver alternativas para que o passageiro não fique mais do que 15 minutos na fila", disse Nicácio Silva.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -1,56
    5,368
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -1,62
    100.460,60
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host