UOL Notícias Notícias
 

12/03/2008 - 15h48

Greenpeace faz campanha contra transgênicos no Rio de Janeiro

Silvana Salles
Em São Paulo
Membros do Greenpeace rotularam produtos que não informam se usam ou não transgênicos como matéria-prima na manhã desta quarta-feira (12). A ação aconteceu em um supermercado de Botafogo, na zona sul do Rio de Janeiro, e faz parte da "Semana do Consumidor" promovida pela entidade. Segundo Jorge Cordeiro, coordenador da campanha, os consumidores que estavam no supermercado aprovaram a ação.

Rafael Andrade/Folha Imagem
Membros do Greenpeace rotulam mercadorias que não informam sobre uso de produtos transgênicos em supermercado de Botafogo, zona sul do Rio de Janeiro
COMO FUNCIONAM OS TRANSGÊNICOS
MAIS NOTÍCIAS DESTA QUARTA
As principais mercadorias visadas pelas etiquetas dos ativistas (triângulos amarelos com um "T" maiúsculo no centro) foram os alimentícios das multinacionais Cargill e Bunge. Ambas só passaram a identificar como derivados de transgênicos os óleos de soja das marcas Liza, Soya e Veleiro no final do ano passado, por conta de uma decisão judicial de 2005. No entanto, o Greenpeace argumenta que as empresas também usam soja geneticamente modificada em outros produtos, como maionese e margarina.

Na segunda-feira, o Greenpeace já havia feito manifestação em frente à sede da Vigor, em São Paulo, exigindo a rotulagem dos produtos comercializados pela empresa ou a entrega de documentação comprovando que a soja usada por eles é rastreável e não-transgênica. Segundo o Greenpeace, há pelo menos dois anos a empresa evita responder se utiliza matéria-prima manipulada geneticamente. A Vigor informou que não irá se pronunciar publicamente sobre o assunto.

A rotulagem de alimentos que contenham acima de 1% de transgênicos em sua formulação é obrigatória, conforme o decreto federal de 2003. "O transgênico é um organismo geneticamente modificado que está sendo colocado na natureza sem estudos suficientes de impacto ambiental", diz Cordeiro. "Vários produtos já usam transgênicos e não estão sendo rotulados, ou seja, estão desrespeitando uma lei federal".

O porta-voz da Bunge esclareceu que a empresa rotula as mercadorias que possam ter traços de soja modificada geneticamente desde novembro de 2007, embora não tenha obrigação legal da fazê-lo por não apresentar o porcentual definido por lei para identificação em nenhum alimento. Admite, porém, que como os grãos comprados vêm de 16 Estados diferentes, pode haver espécimes transgênicos entre eles.

Segundo o mesmo porta-voz, a ONG cria factóides sobre o tema e se utiliza de ações de constrangimento como estratégia de propaganda ideológica. Ele também rechaça a possibilidade de que os grãos modificados possam trazer impactos ambientais negativos.

Em comunicado à imprensa, a Cargill acusou o Greenpeace de confundir a população. A companhia alega fornecer informações mais completas aos consumidores do que requerido por lei, uma vez que seus óleos vegetais teriam porcentual de soja transgênica inferior a 1%.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    17h00

    2,77
    5,377
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -1,81
    98.289,71
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host