UOL Notícias Notícias
 

29/04/2008 - 15h22

Morador de rua diz que albergues são "presídios semi-abertos"

Claudia Andrade
Em Brasília
Depois de passar a infância em um orfanato no interior de São Paulo, Anderson Lopes Miranda mudou-se para a capital na adolescência. Hoje, aos 32 anos, ele é um dos coordenadores do Movimento Nacional da População de Rua e também um crítico dos albergues, que classifica como "presídios semi-abertos".

"Você tem que entrar às 17 horas e sair às 5 horas. E ainda tem que bater continência para os educadores. Muitas vezes não tem comida, o café da manhã é frio, e também não tem um trabalho sócio-educativo para o morador de rua. Você tem a porta de entrada, mas cadê a porta de saída?", questionou ele durante a solenidade de divulgação de uma pesquisa que revela o perfil dos moradores de rua brasileiros, encomendada pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.

POSSE DE DOCUMENTOS PELA POPULAÇÃO
Carteira de identidade58,9%
Certidão de nascimento/casamento49,5%
CPF42,2%
Carteira de trabalho39,7%
Título eleitoral 37,9%
Sem documento algum24,8%
Todos os documentos21,9%
SP E BH FORA DA PESQUISA
PERFIL DO MORADOR DE RUA
MAIORIA TEM DOCUMENTO
MAIS NOTÍCIAS DESTA 3ª
FOTOS DO DIA
Há quatro anos, Miranda conheceu sua mulher, Janaína, também moradora de rua, em uma casa de oração. O casal tem duas filhas, uma de dois anos e outra de 2 meses. Sem emprego, Anderson afirma ter colocado as filhas em uma creche e diz que não abre mão de que elas estudem. Para ele, o maior orgulho foi um curso profissionalizante de cozinheiro que fez depois de ganhar uma bolsa de estudos. Mas trabalhar na área é mais complicado.

"Eu já trabalhei sim, já tive carteira assinada, mas não agüento trabalhar com carteira assinada, prefiro fazer trabalhos por conta. O morador de rua também precisa ser trabalhado quando tem um emprego", diz.

Documentação
Ele reclama também do que considera "preconceito" da sociedade e de policiais municipais. "Precisa de mais humanização para acabar com esse preconceito das pessoas e do poder público. Muitas vezes os policiais municipais nos jogam água para nos espantar e tiram nossos documentos. Que cidadania é essa? E isso não acontece só nas capitais, não. É em todo o lugar."

"A população de rua é tratada como bicho. Mas quem está na rua não é porque quer, é por causa de uma política de exclusão. Agora tem eleições, aí todo mundo ama todo mundo. Tem que lembrar que a população de rua também tem título de eleitor, a maioria, e precisa ser reconhecida", defende.

A questão da documentação é apontada pelo sociólogo Flávio Silveira como um dos fatores essenciais para a reinserção do morador de rua na sociedade. "Os órgãos são muito burocráticos; é preciso facilitar o processo para tirar documento. Mais de 20% da população em situação de rua não tem documento nenhum. São pessoas que existem, mas não oficialmente, porque não estão registradas", ressalta.

Flávio Silveira é diretor do Instituto de Pesquisa Meta, responsável pela pesquisa sobre moradores de rua divulgada nesta terça-feira pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Para ele, o acesso aos documentos é uma medida pontual que facilitaria a volta ao mercado de trabalho e também a inserção em programas sociais. Segundo o estudo, 88,5% não são atingidos por programas governamentais.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,54
    3,235
    Outras moedas
  • Bovespa

    18h20

    -0,10
    74.518,79
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host