UOL Últimas NotíciasUOL Últimas Notícias
UOL BUSCA


 

30/04/2008 - 09h01
"Amigo do Pato", atacante Wellington tenta emplacar pelo Náutico

Por Márcio Markman, especial para o Pelé.Net

RECIFE - Revelado nas divisões de base do Internacional, o atacante Wellington trilha um início na carreira profissional bem diferente de um certo companheiro de ataque nas equipes juvenil e júnior do clube gaúcho. Depois de uma passagem apagada pelo São Caetano, quando não conseguiu balançar as redes após algumas chances, o garoto de 20 anos já se tornou um dos ídolos da torcida do Náutico, equipe que defende desde o início da temporada.

PERFIL DE WELLINGTON
Nome: Wellington Luís de Sousa
Altura: 1,86m
Peso: 86 kg
Data de nascimento: 11/02/1988
Naturalidade: Ourinhos/SP
Clubes:
Internacional, São Caetano e Náutico
MAIS NOTÍCIAS DO NÁUTICO
O companheiro de divisões de base em questão é ninguém menos que o fenômeno Alexandre Pato, hoje no Milan. Ao lado do craque do futebol italiano e da seleção brasileira olímpica, Wellington conquistou diversos títulos em torneios amadores e pôde conferir de perto o que o mundo inteiro começa a descobrir. "O Pato é realmente diferenciado. Joga muito, tem muita qualidade. Faz coisas que ninguém imagina e é muito oportunista", comentou o camisa 9 do Náutico.

Entre os títulos conquistados pela base do Internacional, Wellington relembra de um em especial. Era o ano de 2005 e o jovem talento mais badalado do futebol gaúcho era o meia Anderson, do Grêmio, que posteriormente se tornaria em um dos heróis da 'Batalha dos Aflitos', justamente o jogo em que o Grêmio conseguiu uma vitória incrível sobre o Náutico e a volta à Série A do Campeonato Brasileiro. Suspenso no time profissional, o hoje jogador do Manchester United, da Inglaterra, desceu para o time de juniores, para reforçar o tricolor na decisão do Campeonato Gaúcho daquele ano. Pois não adiantou. Deu Colorado, com gols de Pato e Wellington.

"Aquela final foi inesquecível. A presença do Anderson, que era a maior revelação do futebol brasileiro naquele ano, chamou muito a atenção para aquela decisão. Foi um jogaço e nós conseguimos vencer por 3 a 2, com dois gols do Pato e um meu", relembrou Wellington.

Apesar da distância do amigo de divisões de base, Wellington sonha com um futuro parecido. Como qualquer jovem jogador brasileiro, o atacante sonha com uma transferência para a Europa e, se possível, para a Itália, onde atuaria contra ou, quem sabe, com Pato. "Ah, eu ainda sou muito novo e estou começando agora. Quem sabe eu não consiga ir bem e possa atuar ao lado dele?", questiona.

E olha que esse sonho não parece assim tão distante. No jogo de ida pelas oitavas-de-final da Copa do Brasil, quando o Náutico derrotou o Atlético/MG, por 3 a 2, nos Aflitos, observadores do Palermo, da Série A italiana, estiveram em Recife para acompanhar o desempenho do jovem atacante. Naquela partida, Wellington não marcou, mas foi decisivo para o resultado final, com duas assistências para gols do time pernambucano. Dias depois, Internacional e Náutico definiram uma multa rescisória de três milhões de euros para uma negociação do atleta com algum clube do exterior.

De opção a ídolo
Quando chegou ao Náutico, no mês de fevereiro, quando o Campeonato Pernambucano de 2008 já se encontrava em andamento, o atacante Wellington surgia apenas como uma opção dentro do grupo. Afinal, o clube pernambucano contava com o titular há quase três temporadas, Felipe, o experiente recém-contratado, Warley, o eterno ídolo da torcida, Kuki, e a aposta de substituto para o uruguaio Acosta, o colombiano Ricardo Laborde.

Como quinto jogador do grupo, Wellington teve que esperar a sua vez. A regularização de Laborde demorou a sair, Warley não se firmou, Kuki demorou para entrar em forma e Felipe teve uma série de problemas físicos. Não restou outra alternativa ao técnico Roberto Fernandes a não ser recorrer ao jogador grandalhão vindo do Internacional por conta de uma indicação do superintendente de Futebol, o ex-jogador Marcelo Sangaletti.

Já nos primeiros jogos, vieram os primeiros gols. Não me preocupo em ser titular agora. Estou me entrosando com o grupo e espero estar sempre à disposição para ajudar ao Náutico", falava com humildade o atleta. Com a volta das primeiras opções, Fernandes ainda voltou a deixar o garoto de 20 anos como opção para o banco, mas o retorno ao time titular com mais gols marcados convenceram o treinador de que não havia outro lugar para Wellington que não fosse o time titular.

Atualmente, o paulista de Ourinhos, de sotaque puramente gaúcho, é titular absoluto. Mesmo tendo atuado em menos partidas que vários concorrentes, do próprio grupo e das equipes adversárias, Wellington terminou o PE-08 na vice-liderança da artilharia, com 11 gols, dois a menos que o companheiro de Náutico, o meia Geraldo. Na Copa do Brasil, foram mais três gols marcados. "É o nosso artilheiro e uma referência do nosso ataque", se derrete Fernandes, que elogia a disposição e a força de Wellington.

Para o jogo de volta, nesta quarta-feira, no Mineirão, o treinador não poderá contar com seu atacante, que recebeu o cartão vermelho na partida nos Aflitos. "Claro que vai ser uma falta bastante sentida. Nenhuma equipe quer ficar sem o seu artilheiro. Mas, como o jogo deve ser disputado na base do contra-ataque, a ausência não será tão grande", afirmou Fernandes.


Folha Online
Reforma visual da Folha facilita a leitura; conheça as mudanças
UOL Esporte
Após fiasco de público, CBF reduz preços de ingressos para partida
UOL Economia
Bovespa reduz ritmo de perdas
perto do fim dos negócios

UOL Tecnologia
Fãs do iPhone promovem encontro no Brasil; veja mais
UOL Notícias
Chuvas deixam quatro mortos e afetam mais de 4 mil no Paraná
UOL Vestibular
Cotista tem nota parecida com de não-cotista aponta Unifesp
UOL Televisão
Nova novela da Record terá máfia e Gabriel Braga Nunes como protagonista
UOL Música
Radiohead entra em estúdio para trabalhar em disco novo
UOL Diversão & Arte
Escritor indiano Aravind Adiga ganha o Booker Prize
UOL Cinema
Novo filme dos irmãos
Coen tem maior bilheteria nos EUA