UOL Últimas NotíciasUOL Últimas Notícias
UOL BUSCA



 Internacional

27/03/2004 - 23h12
A polêmica sobre o terrorismo põe Condoleezza Rice na mira

CRAWFORD, EUA, 27 Mar (AFP) (AFP) - A polêmica gerada pelas acusações contra a Casa Branca de ter subestimado a política contra o terrorismo antes dos atentados de 11 de setembro de 2001 coloca na mira Condoleezza Rice, a conselheira para a Segurança Nacional do presidente George W. Bush.

Isto não apenas porque o autor das acusações, Richard Clarke, era seu subordinado no Conselho de Segurança Nacional (NSC) até sua renúncia no início de 2003, mas porque Rice se nega a dar testemunho público na comissão que está investigando os atentados.

"Não teria nada melhor do que testemunhar. Mas eu tenho a responsabilidade de separar as questões executivas das legislativas, como mencionado na Constituição", declarou, em entrevista à imprensa. A posição da funcionária recebe o apoio dos serviços jurídicos da Casa Branca.

Rice vem falando com freqüência à imprensa americana para desmentir estas afirmações de Clarke. "Ela está em todos os canais, mas não na sala como testemunha. Politicamente, isto surte efeito negativo", diz o comentarista David Brooks em um debate na rádio pública PBS.

Com 49 anos, Condoleeza Rice aconselha o presidente em temas internacionais e garante a coordenação entre a presidência, o departamento de Estado e o Ministério da Defesa.

Nesta tarefa, deve lidar com diversos personagens políticos e diplomáticos como Colin Powell e Donald Rumsfeld, assim como o vice-presidente, Richard Cheney, que também é bastante escutado por Bush.

Clarke publicou o livro "Against all enemies", no qual garante que a administração Bush falhou ao subestimar os ataques terroristas antes do 11 de Setembro de 2001 e que depois se concentrou no líder iraquiano, Saddam Hussein, em vez do chefe da rede Al-Qaeda, Osama bin Laden.

Além disso, criticou Rice por ter amenizado a importância da célula contra o terrorismo na NSC desde que chegou ao governo no início de 2001.

Em julho do ano passado, foi acusada de ter deixado passar em um discurso importante de George W. Bush uma referência às tentativas do ex-dirigente iraquiano Saddam Hussein de procurar urânio na África.

Essas informações se revelaram falsas e foram desmentidas pelos serviços de inteligência dos EUA. Bush, porém, assumiu a responsabilidade do discurso e reafirmou sua confiança em Condoleezza Rice, não apenas como seu conselheira, mas também como amiga pessoal.



ÍNDICE DE ÚLTIMAS NOTÍCIAS  IMPRIMIR  ENVIE POR E-MAIL

Folha Online
Reforma visual da Folha facilita a leitura; conheça as mudanças
UOL Esporte
Após fiasco de público, CBF reduz preços de ingressos para partida
UOL Economia
Bovespa reduz ritmo de perdas
perto do fim dos negócios

UOL Tecnologia
Fãs do iPhone promovem encontro no Brasil; veja mais
UOL Notícias
Chuvas deixam quatro mortos e afetam mais de 4 mil no Paraná
UOL Vestibular
Cotista tem nota parecida com de não-cotista aponta Unifesp
UOL Televisão
Nova novela da Record terá máfia e Gabriel Braga Nunes como protagonista
UOL Música
Radiohead entra em estúdio para trabalhar em disco novo
UOL Diversão & Arte
Escritor indiano Aravind Adiga ganha o Booker Prize
UOL Cinema
Novo filme dos irmãos
Coen tem maior bilheteria nos EUA