UOL Últimas NotíciasUOL Últimas Notícias
UOL BUSCA



 Internacional

19/12/2005 - 17h19
Morales questiona uso da coca pela Coca-Cola e sua proibição a bolivianos

COCHABAMBA, Bolívia, 19 dez (AFP) - Evo Morales, vencedor incontestável da eleição presidencial boliviana, com 51% dos votos, e líder dos cocaleros, negou-se a aceitar que a folha de coca seja reconhecida apenas para a fabricação da Coca-Cola e proscrita para usos tradicionais dos cultivadores do Chapare boliviano.
Reuters 
Evo cumprimenta eleitores em Cochabamba


Um dia depois de ganhar as eleições gerais na Bolívia, o líder indígena insistiu: "Não é possível que a folha de coca seja usada pela Coca-Cola e proibida para nós".

Morales anunciou que, ao assumir o poder no dia 22 de janeiro de 2006, liderará uma batalha internacional para retirar a coca "em seu estado natural" da lista de venenos da Organização das Nações Unidas.

O cocalero, que se tornou domingo o primeiro presidente indígena da Bolívia, um país de população de maioria nativa, também anunciou uma luta pelo reconhecimento internacional, com base em estudos científicos, das propriedades medicinais e nutritivas da folha de coca, assim como a "dessatanização" de seu uso "em estado natural".

Vencedor por maioria absoluta dos votos, segundo consultoras privadas, Morales aludiu principalmente à draconiana lei antidrogas 1.008, que considera ilegais e excessivos os cultivos de coca no Chapare, antigo reduto da droga, onde moram 30 mil famílias de cultivadores pobres.

A norma, em vigor desde 1989 com o aval dos Estados Unidos, principal parceiro da luta antidrogas no país andino, limita o cultivo a 12.000 hectares de coca destinada a usos tradicionais nos Yungas, vales agrícolas perto de La Paz.

No Chapare, onde entre 1998 e 2002 foram destruídos 60 mil hectares de coca, supostamente destinadas à produção da droga, existem atualmente cerca de 7.000 hectares dispersos.

Em sua condição de dirigente "cocalero" e chefe da oposição, Morales assinou em 2004 um acordo com o então presidente Carlos Mesa sobre o cultivo de 40 m² de coca por família para satisfazer as necessidades tradicionais dos habitantes do Chapare.

Morales referiu-se aos Estados Unidos, cujo governo advertiu na semana passada que não aceitará uma variação na política antidroga boliviana:

"A cocaína e o narcotráfico não fazem parte da cultura boliviana. A luta contra o narcotráfico é um falso pretexto para que os Estados Unidos instalem bases militares (na Bolívia). Não estamos de acordo e essas políticas têm de ser revisadas".

O líder cocalero disse estar disposto a combater as máfias de narcotraficantes.

O vencedor das eleições bolivianas também criticou a política de concessão de certificados da luta antinarcóticos imposta pelos Estados Unidos, país que apóia com US$ 120 milhões anuais a balança de pagamentos boliviana, em troca da erradicação das plantações ilegais.

"A política de certificação (da luta antinarcóticos) não foi uma solução e ainda sofremos chantagens dos Estados Unidos", insistiu.

Morales disse que ainda não havia entrado em contato com a administração americana do presidente George W. Bush.


Leia também:
Folha Online
Reforma visual da Folha facilita a leitura; conheça as mudanças
UOL Esporte
Após fiasco de público, CBF reduz preços de ingressos para partida
UOL Economia
Bovespa reduz ritmo de perdas
perto do fim dos negócios

UOL Tecnologia
Fãs do iPhone promovem encontro no Brasil; veja mais
UOL Notícias
Chuvas deixam quatro mortos e afetam mais de 4 mil no Paraná
UOL Vestibular
Cotista tem nota parecida com de não-cotista aponta Unifesp
UOL Televisão
Nova novela da Record terá máfia e Gabriel Braga Nunes como protagonista
UOL Música
Radiohead entra em estúdio para trabalhar em disco novo
UOL Diversão & Arte
Escritor indiano Aravind Adiga ganha o Booker Prize
UOL Cinema
Novo filme dos irmãos
Coen tem maior bilheteria nos EUA