UOL Últimas NotíciasUOL Últimas Notícias
UOL BUSCA



 Internacional

16/08/2006 - 15h14
Stroessner morre de parada cardiorrespiratória, segundo amigo da família

Por Hugo Ruiz Olazar=(FOTOS + INFOGRAFIA)= ASSUNÇÃO, 16 ago (AFP) - O ex-ditador paraguaio Alfredo Stroessner morreu de parada cardiorrespiratória aos 93 anos, revelou nesta quarta-feira um amigo da família na capital paraguaia.

"Morreu de parada cardiorrespiratória às 11h00 do Brasil (14h00 GMT)", disse aos jornalistas Reinaldo Domínguez Dibb, irmão do ex-genro de Stroessner, Humberto Domínguez.

O homem que comandou com mão-de-ferro o Paraguai durante 35 anos foi submetido a uma cirurgia de hérnia há 15 dias e no final de semana passado seu quadro de saúde se complicou com uma pneumonia que o deixou em tratamento intensivo no hospital Santa Luzia de Brasília, onde estava exilado há 17 anos.

"O louro", como era chamado, de 1,90 metro de altura e outrora imponente imagem, tinha 45 quilos quando faleceu.

Domínguez disse ter um sentimento "de profunda pena" pela morte do ex-ditador "com idade tão avançada e depois de ter dado tanto pelo país, na Guerra do Chaco (contra a Bolívia), na Guerra Civil de 47 (10.000 mortos) e em seu governo de 35 anos, com suas luzes e sombras", enfatizou.

O amigo da família disse que era muito cedo para saber se seus familiares mais próximos levarão seus restos para Assunção ou se permanecerão em Brasília.

Ex-vítimas da ditadura stronista advertiram há alguns dias que se mobilizarão com manifestações de repúdio caso os restos do ex-ditador sejam repatriados, embora não tenham esclarecido qual seria sua reação em caso de falecimento.

Conhecido como um homem forte, sua saúde sempre foi motivo de atenção por parte da população.

Um dos rumores mais difundidos foi o de que sofria de lepra ou de câncer de pele porque nos últimos anos de seu governo já não apertava as mãos daqueles que o visitavam no Palácio do Governo.

Cumprimentava a todos ao estilo oriental, inclinando a cabeça.

A imprensa internacional publicou várias vezes fotografias de suas mãos com sintomas de problemas de pele.

Em setembro de 1988, pela primeira vez desapareceu dos holofotes públicos por 10 dias.

Quando aumentavam as especulações a respeito de sua saúde e as versões indicavam que estava em estado grave, reapareceu recuperado, e seus colaboradores próximos explicaram que havia sido submetido a uma "pequena" cirurgia de próstata.

Diversos especialistas ressaltam este episódio como o começo do fim de Stroessner como governante, porque pela primeira vez a população percebeu que não era um ser "imortal" como ressaltava a propaganda governamental.

O ex-ditador foi finalmente derrubado quatro meses depois, na madrugada de 3 de fevereiro de 1989 por um golpe militar liderado por seu antigo aliado, o general Andrés Rodríguez, falecido em 1994.

A oposição estima que durante seu governo cerca de 1.000 pessoas morreram ou desapareceram nas mãos dos serviços militares e policiais.


ÍNDICE DE ÚLTIMAS NOTÍCIAS  IMPRIMIR  ENVIE POR E-MAIL

Folha Online
Reforma visual da Folha facilita a leitura; conheça as mudanças
UOL Esporte
Após fiasco de público, CBF reduz preços de ingressos para partida
UOL Economia
Bovespa reduz ritmo de perdas
perto do fim dos negócios

UOL Tecnologia
Fãs do iPhone promovem encontro no Brasil; veja mais
UOL Notícias
Chuvas deixam quatro mortos e afetam mais de 4 mil no Paraná
UOL Vestibular
Cotista tem nota parecida com de não-cotista aponta Unifesp
UOL Televisão
Nova novela da Record terá máfia e Gabriel Braga Nunes como protagonista
UOL Música
Radiohead entra em estúdio para trabalhar em disco novo
UOL Diversão & Arte
Escritor indiano Aravind Adiga ganha o Booker Prize
UOL Cinema
Novo filme dos irmãos
Coen tem maior bilheteria nos EUA