UOL Últimas NotíciasUOL Últimas Notícias
UOL BUSCA



 Internacional

15/01/2007 - 16h44
Rafael Correa assume como novo presidente do Equador

=(FOTOS E INFOGRAFIA)=QUITO, 15 Jan (AFP) - O economista de esquerda Rafael Correa tomou posse nesta segunda-feira como presidente do Equador anunciando uma "revolução radical" que inclui a renegociação da dívida externa, um modelo econômico de tendência socialista e uma Assembléia Constituinte para reformar a Carta Política de 1998.

Correa, de 43 anos, assumiu para o período 2007-2011 e delineou um governo que, segundo ele, transformará o quinto produtor sul-americano de petróleo e primeiro exportador mundial de banana, após uma década de instabilidade política. "A revolução cidadã acabou de começar e ninguém poderá contê-la", exclamou o chefe de Estado diante do Congresso e uma centena de delegações estrangeiras, incluindo nove mandatários da América Latina e do presidente do Irã.

Correa antecipou os eixos que serão articulados por seu governo e que envolverão a renegociação da dívida externa e de um novo modelo econômico socialista, que faz coro às mudanças impulsionadas por seus colegas da Venezuela, Hugo Chávez, e da Bolívia, Evo Morales.

"Iremos a uma renegociação soberana e firme da dívida externa equatoriana e, sobretudo, das inadmissíveis condições que nos foram impostas em 2000", afirmou.

A dívida externa pública do Equador alcançou em novembro 10.328,3 bilhões de dólares, equivalentes a 25,3% do Produto Interno Bruto (PIB), segundo o Banco Central.

Segundo Correa, a renegociação de 2000, quando o Equador teve de reestruturar seu passivo após dolarizar a economia, foi um ato de "corrupção", porque "explicitamente buscou melhorar o preço dos bônus em benefício dos credores, enquanto que o país estava destruído".

No entanto, afirmou que o problema da dívida só será suspenso quando se reformas a arquitetura financeira internacional, para a qual propôs aos países da região criar um "tribunal de arbitragem" que determine quanto do passivo é "ilegítimo".

Correa também garantiu que promoverá um modelo econômico no âmbito do "socialismo do século XXI que impera na América Latina" e proclamou o fim do neoliberalismo.

Anunciou que convocará uma consulta popular sobre uma Assembléia Constituinte com plenos poderes que modifique a Carta Política de 1998.

"Convocarei a consulta popular para que o soberano, o povo equatoriano, ordene ou negue essa Assembléia Nacional Constituinte de plenos poderes, que buscará superar o bloqueio político e social em que o país está submerso", enfatizou.

O mandatário antecipou no domingo que o texto será enviado ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sem o aval do Congresso, que só "será informado como uma deferência", o que é considerado ilegal pela oposição.

Além disso, propôs a seus colegas sul-americanos que Quito seja a sede da secretaria permanente da Comunidade Sul-Americana de Nações (CSN) e que as reservas em divisas dos países da região sejam administradas por um Banco do Sul.


ÍNDICE DE ÚLTIMAS NOTÍCIAS  IMPRIMIR  ENVIE POR E-MAIL

Folha Online
Reforma visual da Folha facilita a leitura; conheça as mudanças
UOL Esporte
Após fiasco de público, CBF reduz preços de ingressos para partida
UOL Economia
Bovespa reduz ritmo de perdas
perto do fim dos negócios

UOL Tecnologia
Fãs do iPhone promovem encontro no Brasil; veja mais
UOL Notícias
Chuvas deixam quatro mortos e afetam mais de 4 mil no Paraná
UOL Vestibular
Cotista tem nota parecida com de não-cotista aponta Unifesp
UOL Televisão
Nova novela da Record terá máfia e Gabriel Braga Nunes como protagonista
UOL Música
Radiohead entra em estúdio para trabalhar em disco novo
UOL Diversão & Arte
Escritor indiano Aravind Adiga ganha o Booker Prize
UOL Cinema
Novo filme dos irmãos
Coen tem maior bilheteria nos EUA