UOL Últimas NotíciasUOL Últimas Notícias
UOL BUSCA



 Internacional

19/06/2007 - 17h14
Metade dos habitantes do planeta vive em cidades

PARIS, 20 jun (AFP) - A maior parte da população mundial vive agora nas cidades e a urbanização vai continuar crescendo, principalmente na África e na Ásia, que abrigarão em 2030 a maioria das grandes metrópoles do mundo, segundo um estudo do Instituto Nacional de Estudos Demográficos (Ined) publicado nesta quarta-feira.

O nível de urbanização no mundo ultrapassou os 50% em 2007, informou o instituto francês em sua revista "Population et sociétés" (População e sociedades), citando dados das Nações Unidas.

Em 1900, somente 1/10 dos habitantes do planeta moravam em cidades. Em 1950, esta proporção passou para pouco menos de 3/10. Em 2030, as cidades abrigarão 6/10 da população mundial, ou seja, 5 bilhões de pessoas, contra 3,3 bilhões atualmente.

Hoje em dia, os continentes mais urbanizados são os mais desenvolvidos, a Europa e a América do Norte, onde 75% da população vive nas cidades. A exceção é a América Latina, muito urbanizada com 78% de sua população vivendo em metrópoles.

A África e a Ásia, os continentes mais povoados, também deverão ter a maioria urbanizada em 2030, e abrigarão, então, as grandes cidades do mundo.

Com a urbanização desenfreada, o tamanho das cidades vem aumentando de maneira espetacular.

O peso das grandes metrópoles, as de mais de 10 milhões de habitantes, aumentou significativamente nestes últimos anos. Elas passaram de três em 1975 (Tóquio, Nova York e México), a 20 em 2005. As três maiores seguem sendo Tóquio (35,2 milhões de habitantes), México (19,4 milhões) e Nova York (18,7 milhões).

A maioria das grandes cidades com mais de 10 milhões de habitantes estão em países em desenvolvimento. A China possui duas entre as maiores (Xangai e Pequim) e a Índia três (Mumbai, Nova Délhi e Calcutá).

O número de cidades com 500.000 a 10 milhões de habitantes aumentou 50% em 20 anos.

Os problemas de "congestão" de muitas grandes cidades do sul, a elevação dos níveis de poluição e a ampliação das favelas são "os sinais mais evidentes do conflito entre urbanização e desenvolvimento", afirmou Jacques Veron, autor do estudo.

Porém, analistas mostraram que algumas favelas podem ser "cidades na cidade", estruturadas, com atividades diversificadas e presença no mercado internacional. É o caso de Dharavi, no coração de Mumbai, uma favela onde moram três milhões de pessoas.

Além disso, nas cidades dos países ricos, os problemas dos guetos de exclusão social, como os subúrbios franceses, não são necessariamente problemas "urbanos", mas problemas "sociais" mais visíveis por serem concentrados.

A África se caracteriza por cidades que crescem mais e se ruralizam ao mesmo tempo, devido à degradação das condições de vida. Parte dos habitantes das cidades adotam um modo de vida comparável ao dos aldeões, vivendo principalmente de trabalhos agrícolas.


ÍNDICE DE ÚLTIMAS NOTÍCIAS  IMPRIMIR  ENVIE POR E-MAIL

Folha Online
Reforma visual da Folha facilita a leitura; conheça as mudanças
UOL Esporte
Após fiasco de público, CBF reduz preços de ingressos para partida
UOL Economia
Bovespa reduz ritmo de perdas
perto do fim dos negócios

UOL Tecnologia
Fãs do iPhone promovem encontro no Brasil; veja mais
UOL Notícias
Chuvas deixam quatro mortos e afetam mais de 4 mil no Paraná
UOL Vestibular
Cotista tem nota parecida com de não-cotista aponta Unifesp
UOL Televisão
Nova novela da Record terá máfia e Gabriel Braga Nunes como protagonista
UOL Música
Radiohead entra em estúdio para trabalhar em disco novo
UOL Diversão & Arte
Escritor indiano Aravind Adiga ganha o Booker Prize
UOL Cinema
Novo filme dos irmãos
Coen tem maior bilheteria nos EUA