UOL Últimas NotíciasUOL Últimas Notícias
UOL BUSCA



 Internacional

05/05/2008 - 17h59
Lobby judeu, pilar do apoio político e financeiro dos EUA a Israel

NOVA YORK, 5 Mai 2008 (AFP) - Desde sua criação, Israel contou com o apoio incondicional da comunidade judaica dos Estados Unidos, ainda que, por trás de sua posição monolítica, estejam surgindo divergências com a chegada de uma nova geração, menos convencida do risco do desaparecimento do Estado hebreu.

No mês passado, nasceu um novo "lobby", em Washington. Sob o nome "J-Street", ele busca, segundo sua página na Internet, "mudar a política americana no Oriente Médio" e promover "um amplo debate sobre o papel dos Estados Unidos" na região.

"J-street representa os americanos, em sua maioria, mas não exclusivamente judeus, que apóiam tanto Israel e sua aspiração de segurança como pátria judia, como o direito dos palestinos a um Estado soberano, e são a favor de dois Estados coexistindo em segurança", disse ao jornal "Jerusalem Post" seu diretor-executivo, Jeremy Ben-Ami, um ex-colaborador do democrata Bill Clinton, quando este era presidente dos Estados Unidos.

O grupo considera, em particular, que a decisão de invadir o Iraque foi um erro, que as ameaças contra o Irã são contraproducentes e preconiza um acordo de paz entre Israel e Síria.

Esse "lobby" aspira a ser uma alternativa ao todo-poderoso Aipac, o American Israel Public Affairs Committee, criado há 50 anos em Washington, encarregado de influenciar o Congresso e considerado, por seus críticos, como o instrumento que por décadas forjou a política externa americana no Oriente Médio.

"A comunidade judaica é democrática. Há dezenas de grupos, ou associações, e podem existir matizes no enfoque, mas há gente que pensa que o governo americano não exerce pressão suficiente sobre Israel. Eu acho que não temos nada com isso", declarou, em entrevista à AFP, Abraham Foxman, diretor da Liga Antidifamação (Anti-Defamation League) e um dos porta-vozes do Aipac.

Em setembro do ano passado, Abraham Foxam protestou energicamente pela publicação do polêmico livro "The Israel Lobby and US Foreign Policy", cujos autores, John Mearsheimer e Stephen Walt, consideram que o apoio dos Estados Unidos a Israel não está baseado em questões estratégicas, mas sim na pressão dos 'lobbies' judeus de direita e dos grupos de cristãos fundamentalistas, ou conservadores, favoráveis ao sionismo.

"O Aipac não é uma organização oficial, não recebe ordens de Israel, esse livro é anti-semita, garante que os lobbies judeus controlam o Congresso e o governo americano", disse Abraham Foxman, autor de "The Deadliest Lies: The Israel Lobby and the Myth of Jewish Control", que segue na linha contrária.

"Há muitos outros 'lobbies' em Washington: o 'lobby' saudita, o 'lobby' grego, o 'lobby' das armas. Temos o direito de gastar 5% do nosso orçamento com 'lobby, não tem nada de mau nisso, e não há motivo para falar de conspiração", completou.

"A base da opinião pública judaica americana, em seu apoio a Israel, provém do Holocausto e da idéia de que, sem apoio, Israel está em perigo de morte", destaca Jonathan Goldberg, diretor editorial do jornal judaico-americano "The Forward", que publica 30.000 exemplares em sua versão em inglês e menos de 10.000 em iídiche.

"Hoje em dia, um número crescente de judeus pensa que a ameaça de eliminação do Estado de Israel é exagerada", acrescenta. "Por outro lado, enquanto que apenas 10% dos casamentos judaicos eram mistos em 1940, hoje em dia, representam 50% e, nas famílias mistas a distância cresce, o apoio financeiro diminui e a idéia (de Estado) em perigo pode desaparecer dentro de 20 anos", completou.

"Em relação ao apoio financeiro dos Estados Unidos a Israel, caiu de 3 bilhões de dólares anuais para 2,5 bilhões, ou seja, menos de 10% do total da ajuda estrangeira concedida pelos Estados Unidos", concluiu.



Folha Online
Reforma visual da Folha facilita a leitura; conheça as mudanças
UOL Esporte
Após fiasco de público, CBF reduz preços de ingressos para partida
UOL Economia
Bovespa reduz ritmo de perdas
perto do fim dos negócios

UOL Tecnologia
Fãs do iPhone promovem encontro no Brasil; veja mais
UOL Notícias
Chuvas deixam quatro mortos e afetam mais de 4 mil no Paraná
UOL Vestibular
Cotista tem nota parecida com de não-cotista aponta Unifesp
UOL Televisão
Nova novela da Record terá máfia e Gabriel Braga Nunes como protagonista
UOL Música
Radiohead entra em estúdio para trabalhar em disco novo
UOL Diversão & Arte
Escritor indiano Aravind Adiga ganha o Booker Prize
UOL Cinema
Novo filme dos irmãos
Coen tem maior bilheteria nos EUA