UOL Últimas NotíciasUOL Últimas Notícias
UOL BUSCA


 

04/04/2007 - 07h40
Controladores ameaçam parar de novo após a Páscoa

LULA ADMITE TROCAR PIRES E FALA EM PAC PARA FORÇAS ARMADAS
Alan Marques/Folha Imagem
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva está disposto a substituir o ministro da Defesa, Waldir Pires, como parte da solução para a crise do setor aéreo, informaram à Reuters senadores do PT que estiveram com Lula na noite de terça-feira.

Na avaliação de Lula, porém, é preciso encontrar uma forma de mexer na pasta sem desmoralizar o atual ministro.
LEIA MAIS
Brasília - Contrariados com o rumo das negociações com o governo, controladores de vôo civis e militares ameaçam aumentar a temperatura do caos aéreo depois da Páscoa. Internamente, as associações estariam organizando uma nova paralisação dos controladores civis. O dia do novo apagão aéreo ainda está sendo mantido em absoluto sigilo.

Pelo plano em gestação, o passo seguinte é outra ação para forçar o governo a retomar as negociações: desencadear um processo de pedidos de baixa coletivos dos controladores militares mais antigos - o que representaria, segundo um líder sindical ouvido pelo jornal O Estado de S. Paulo, a retirada de pelo menos 40% dos 1.500 que atuam no País.

"Isso seria o caos e o governo é que teria de resolver sozinho", disse um sindicalista. "Os controladores, em sua grande maioria, não teriam problemas, já que todos têm mais de um emprego. Com as baixas, eles deixariam de sofrer e tocariam suas vidas em outras profissões, já que muito de nós somos médicos, dentistas, professores, vidraceiros e até taxistas."

As duas ameaças - a de greve ampla e a de baixa coletiva - são a resposta dos sindicalistas para o recuo do governo. Mas, para demonstrar que ainda estão abertos ao diálogo, os controladores sustentam que não suspenderão as atividades de controle do tráfego aéreo durante o feriado da Páscoa.

Para os controladores, o governo e as autoridades aeronáuticas ainda não perceberam o nível de insatisfação do setor. Na avaliação das lideranças, o último motim que gerou o apagão aéreo de sexta-feira foi feito de forma intempestiva por grupos independentes de controladores, que acabaram passando por cima da orientação das próprias lideranças.

"Esse recuo do governo somente favorece aos radicais, que se fortaleceram muito com a última greve", alertou um sindicalista. De acordo com um dos articuladores do movimento, a suspensão das negociações, como estratégia para enfraquecê-lo, pode acabar provocando efeito contrário. Nesse cenário, os independentes teriam seu projeto de radicalização consolidado.

AE

ÍNDICE DE ÚLTIMAS NOTÍCIAS   IMPRIMIR   ENVIE POR E-MAIL

Folha Online
Reforma visual da Folha facilita a leitura; conheça as mudanças
UOL Esporte
Após fiasco de público, CBF reduz preços de ingressos para partida
UOL Economia
Bovespa reduz ritmo de perdas
perto do fim dos negócios

UOL Tecnologia
Fãs do iPhone promovem encontro no Brasil; veja mais
UOL Notícias
Chuvas deixam quatro mortos e afetam mais de 4 mil no Paraná
UOL Vestibular
Cotista tem nota parecida com de não-cotista aponta Unifesp
UOL Televisão
Nova novela da Record terá máfia e Gabriel Braga Nunes como protagonista
UOL Música
Radiohead entra em estúdio para trabalhar em disco novo
UOL Diversão & Arte
Escritor indiano Aravind Adiga ganha o Booker Prize
UOL Cinema
Novo filme dos irmãos
Coen tem maior bilheteria nos EUA