UOL Notícias Notícias
 

09/04/2009 - 17h38

Secretário compara uso de crack no Rio com epidemia

Rio - Um dia após a Operação Choque de Ordem recolher 47 pessoas na cracolândia da Favela do Jacarezinho, sendo 25 delas adolescentes, os menores voltaram ao local e hoje chegaram a abordar o secretário municipal de Assistência Social do Rio de Janeiro, Fernando William. "Um menino de oito anos, que claramente parecia ser consumidor do entorpecente, bateu no vidro do carro e me pediu 'pelo amor de Deus, me dá dinheiro'", disse o secretário. Segundo ele, o consumo de crack no Rio é "uma epidemia comparável à da dengue".

Hoje, 17 dos 25 menores recolhidos permaneciam nos abrigos. Três adolescentes eram de cidades no interior do Estado e foram enviados para abrigos em suas cidades. Cinco foram embora. O secretário de Assistência Social visitou os locais de ajuda. "No abrigo Raul Seixas, um menino contou que não comia há cinco dias e uma menina me pediu desculpas, mas disse que o crack a chamava", afirmou William.

O secretário avaliou como "alarmantes" as condições encontradas por assistentes sociais, policiais e agentes da 1ª Vara da Infância e Juventude na cracolândia do Jacarezinho. "Para conseguir a pedra de crack na favela, os meninos assaltam e as meninas se prostituem", disse William. Doze barracos onde os menores faziam programas, segundo ele, por R$ 10 ou por até R$ 2 foram demolidos.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -1,03
    3,146
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,09
    68.714,66
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host