UOL Notícias Notícias
 

28/05/2009 - 18h28

MPF vai investigar rompimento de barragem no Piauí

Em Teresina

O Ministério Público Federal (MPF) determinou a abertura de um procedimento investigatório para apurar responsabilidades no caso do rompimento da parede da barragem Algodões 1, no município de Cocal (PI), 268 km ao norte de Teresina. A inundação causada pelo rompimento deixou pelo menos quatro pessoas mortas e cinco desaparecidas, de acordo com informações do Corpo de Bombeiros do município.

No total, são 2.000 pessoas desabrigadas (transferidas para abrigos públicos), 953 desalojadas (acolhidas em casas de amigos e parentes), 312 residências destruídas e 180 danificadas.

Cerca de 2.500 famílias haviam sido retiradas do local por precaução e retornaram na última sexta-feira por determinação do engenheiro responsável pela obra, Luís Hernane de Carvalho.

O procurador da República Kelston Lages disse que o MPF está colhendo informações sobre o caso. O Ministério Público do Estado também avalia se a responsabilidade pelo rompimento da barragem é do engenheiro ou do Estado.

A presidente da Empresa de Gestão de Recursos do Piauí (Emgerpi), Lucile Moura, que autorizou o reparo da barragem, disse que não houve falha no monitoramento das águas. Segundo ela, o planejamento fugiu ao controle devido às chuvas intensas e açudes que romperam no Ceará, onde fica a cabeceira do rio Pirangi, e desaguaram em Algodões 1.

Você enfrentou o caos das chuvas no Piauí?


Mortes
A Polícia Militar confirmou a morte de quatro pessoas na área atingida. O governador do Piauí, Wellington Dias, recebeu nesta quinta (28) ligação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva que prestou solidariedade a todo o Estado do Piauí, especialmente aos moradores do município de Cocal, onde uma criança morreu.

De acordo com o governo do Estado, ao saber do ocorrido, o presidente Lula determinou o apoio imediato da Defesa Civil Nacional no atendimento à população de toda a região atingida.

De acordo com a Secretaria de Comunicação do governo, o rompimento da barragem aconteceu às 16h desta quarta, provocada pelas fortes chuvas que atingiram o Ceará. A barragem foi construída no leito do rio Pirangi, com capacidade para armazenar 52 milhões de metros cúbicos de água.

Assistência aos atingidos
Acompanhado do secretário estadual de Defesa Civil e deputado estadual, Fernando Monteiro (DEM), do coronel da Defesa Civil, Alexandre Lucas Alves, e de técnicos do Estado, o governador afirmou que "nada faltará para as famílias [atingidas], e o que elas precisarem, terão".

Mais de 100 militares, entre bombeiros e policiais de Teresina e de Parnaíba, estão no local com lanchas e cinco helicópteros para resgatar as vítimas. Aproximadamente 40 toneladas de alimentos e 50 mil medicamentos foram enviados pelo governo do Estado aos atingidos pela inundação em Cocal.

Durante toda a noite, pessoas em áreas de risco foram resgatadas, segundo a administração estadual. A BR-343, com destino ao litoral do Estado, não sofreu danos. As cidades de Parnaíba, Luís Correia, Cajueiro da Praia e Ilha Grande não foram afetadas pelo rompimento.

Por determinação do governador Wellington Dias, os helicópteros que estão em Cocal continuarão nos próximos dias nas buscas a pessoas que ainda possam necessitar de socorro. Ambulâncias do Sistema Único de Saúde (SUS) estão a postos ao longo do rio e os prontos socorros de Parnaíba, Piripiri e de Teresina estão preparados para atender às vítimas das águas, caso necessário.


Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    17h00

    1,15
    4,124
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h25

    -2,34
    97.667,49
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host

    "TSUNAMI" NO PIAUÍ