UOL BichosUOL Bichos
UOL BUSCA
ÚLTIMAS NOTÍCIAS

27/08/2008 - 06h09

Turbinas eólicas causam hemorragia em morcegos, diz estudo

Richard Black BBC News
Os morcegos estão ameaçados por turbinas eólicas porque a rotação de suas lâminas produz uma alteração na pressão do ar que pode matar os animais, de acordo com pesquisadores canadenses.

Os cientistas analisaram os corpos de morcegos encontrados mortos em uma área de postes para a produção de energia eólica, e concluíram que a maioria deles tinha ferimentos internos - hemorragias - consistentes com a mudança repentina na pressão do ar.

Os morcegos possuem mecanismos internos para evitar choques com as lâminas mas não conseguem detectar mudanças de pressão repentinas em torno da turbina.

Segundo os cientistas, os postes com as turbinas são mais problemáticos para morcegos do que para aves.

"Uma queda na pressão atmosférica junto às lâminas das turbinas eólicas é um perigo indetectável - e potencialmente imprevisível - para morcegos, embora explique apenas parcialmente o grande número de fatalidades entre morcegos nestas estruturas específicas", disse Erin Baerwald, que liderou a equipe de pesquisa na Universidade de Calgary.

Rotas de migração
A morte de morcegos em usinas de produção de energia eólica tem sido amplamente documentada na Europa e América do Norte.

Há dois anos, as nações da União Européia concordaram formalmente em conscientizar os responsáveis por estas usinas sobre os riscos, e encontrar formas de monitorar as rotas de migração de morcegos.

Em meados deste ano, um projeto para a construção de uma usina de geração de energia eólica perto de Bideford, na Grã-Bretanha, foi rejeitado por causa do potencial impacto sobre estes mamíferos.

Mas, apesar disso, não se entendia bem como as turbinas afetam os animais.
A equipe de Calgary recolheu carcaças de duas espécies de morcegos mortos em uma usina de produção de energia eólica no sudoeste de Alberta.

Exames demonstraram que menos da metade tinha ferimentos externos, que podiam ter sido causados por colisão com as lâminas.

Mas cerca de 90% tinham hemorragia interna, principalmente no tórax - um problema que causa pressão sobre os pulmões e pode ser fatal.

A teoria é de que a pressão em volta de uma turbina eólica em movimento é menor do que a pressão exercida no ar mais distante. Um morcego que voa em uma zona de baixa pressão tem seus pulmões em expansão repentina, o que arrebenta os vasos capilares do tecido em volta dos órgãos, dando início à hemorragia.

Aves, que têm pulmões mais rígidos e robustos, não passam pelo mesmo trauma em caso de uma queda repentina de pressão.

"Os morcegos são muito mais suscetíveis a barotrauma do que aves, e como mortes entre morcegos em turbinas eólicas são muito mais numerosas do que mortes na maioria dos outros lugares, concluimos que as fatalidades na proximidade dessas turbinas são agora um problema para morcegos, e não para aves", disse Baerwald.

Alguns grupos de pesquisa estão estudando formas de manter os morcegos longe de usinas de geração de energia eólica, e um grupo da Universidade de Aberdeen, na Escócia, sugeriu recentemente que emissões de radares podem agir como "espantalhos" para estes mamíferos.

O estudo canadense foi noticiado na revista Current Biology.

Hospedagem: UOL Host