UOL BichosUOL Bichos
UOL BUSCA
ÚLTIMAS NOTÍCIAS

22/10/2005 - 11h04

Mulas ajudam no resgate após terremoto no Paquistão

Por David Brunnstrom

SHAHEED GHALI, Paquistão (Reuters) - Com as estradas ainda bloqueadas por desmoronamentos de terra duas semanas após o terremoto catastrófico no norte do Paquistão e o inverno por vir, as mulas estão sendo de vital importância para levar suprimentos e remédios para afastados vilarejos montanhosos.

Porém, elas também são poucas, assim como tudo depois de um desastre natural de grandes proporções.

No sábado, um trem com mais de 40 mulas saiu com destino ao vilarejo de Shaeed Ghali, no alto de Muzaffarabad, a cidade destruída da Caxemira. No alto da montanha, é preciso seguir caminhos de pedra para chegar ao pico onde os helicópteros não conseguem pousar.

As mulas carregavam alimentos suficientes para alimentar 2.000 pessoas por uma semana, doados pelo Programa Mundial de Alimentos da Organização das Nações Unidas (ONU). Entretanto, com centenas de vilarejos arruinados, a doação é apenas uma gota de água no oceano.

A porta-voz Mia Turner, do Programa de Alimentos, disse que o Exército do Paquistão estaria levando mais 50 mulas para trabalhar na área atingida pelo desastre e que outras 48 estariam em ação na província noroeste de Balakot.

"O problema é trazer as mulas, pois há escassez desse animal", disse a porta-voz enquanto carregadores enchiam os lombos das mulas com sacos de farinha e enlatados do Japão e dos EUA.

Cada mula pode carregar 100 quilos montanha acima e passar por caminhos muito estreitos para caminhões ou carros.

"Se tivéssemos mais mulas, poderíamos enviar mais suprimentos", disse Turner.

O objetivo, segunda a porta-voz, é levar alimentos para vilarejos remotos para que os habitantes não precisem caminhar muitas horas em trilhas perigosas para poder conseguir alimentos.

O Programa de Alimentos tem transportado o máximo de alimentos possível pelas estradas disponíveis, mas muitas rotas foram destruídas pelo terremoto de 8 de outubro, que matou 50.000 pessoas no Paquistão e mais 1.300 na Índia.

(Reportagem adicional de Faisal Aziz)

Hospedagem: UOL Host