UOL BichosUOL Bichos
UOL BUSCA
ÚLTIMAS NOTÍCIAS

09/02/2007 - 13h31

UE intensifica investigação sobre origem de focos de gripe aviária no bloco

Bruxelas, 9 fev (EFE).- A Comissão Européia (CE, o órgão executivo da União Européia) está intensificando as investigações para determinar a origem dos focos de gripe aviária detectados recentemente em dois países do bloco, Hungria e Reino Unido, com o objetivo de determinar se há uma relação entre ambos, informaram hoje seu porta-voz, Johannes Laitenberger.

Sobre o surto da doença na Turquia, a UE não terá que aprovar novas proibições, já que atualmente não importa produtos avícolas turcos.

Laitenberger lembrou que a empresa Bernard Matthews, proprietária da granja de Suffolk (leste da Inglaterra) onde foi detectado o foco, tem criações na Hungria.

No entanto, esta unidade fica situada em Sarvar (Hungria), a 200 quilômetros de onde foi detectado recentemente o foco de gripe aviária no país, segundo o porta-voz da CE.

Como medida de precaução, a Bernard Matthews suspendeu o transporte de suas cargas entre o Reino Unido e a Hungria.

O porta-voz da CE destacou que as investigações continuam. Porém, se recusou a fazer especulações sobre os resultados.

Fontes da Direção de Saúde e Consumo da CE explicaram que, neste momento, "nenhuma" possibilidade sobre a origem dos casos de gripe aviária nos dois países "está excluída".

Segundo informações, o vírus dos focos atuais é diferente do encontrado ano passado nessa mesma época em vários Estados da UE.

O estabelecimento de uma relação entre os atuais casos na Hungria e no Reino Unido seria positivo, já que, as autoridades conheceriam melhor a origem do vírus. Porém, continuaria sendo "preciso acompanhar a investigação de onde (os focos) provêm", segundo as fontes.

Por exemplo, é necessário saber se os focos têm a ver com o contato com aves migratórias.

Quanto ao surto detectado na Turquia, as fontes disseram que algumas mostras foram enviadas ao laboratório de referência do bloco sobre gripe aviária, localizado em Weybridge (Reino Unido), para confirmar se os casos foram causados pelo H5N1, a variante mais letal do vírus causador da doença.

Hospedagem: UOL Host