UOL BichosUOL Bichos
UOL BUSCA
ÚLTIMAS NOTÍCIAS

19/05/2008 - 16h21

Mudanças climáticas ameaçam sobrevivência de aves

BONN, Alemanha - Uma de cada oito aves do mundo está ameaçada de extinção devido ao aquecimento global, afirmou um importante grupo ambientalista na segunda-feira.

As populações de aves raras como o rouxinol floreana, das ilhas Galápagos, ou o maçarico de bico de colher, que se reproduz no norte da Rússia e passa os invernos no sul da Ásia, diminuíram acentuadamente e esses animais podem extinguir-se, afirmou em um relatório a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN).

O documento "Lista Vermelha das Aves", de 2008, publicado no primeiro dia de uma conferência da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre a biodiversidade que ocorre entre os dias 19 e 30 de maio, em Bonn (Alemanha), disse que 1.226 espécies de ave encontram-se ameaçadas.

O relatório anual, que possui grande respaldo entre os ambientalistas, acrescentou oito das 10 mil espécies de ave do mundo à categoria de criticamente ameaçada, o maior grau de risco.

"A versão mais recente da Lista Vermelha da IUCN mostra que as aves enfrentam uma pressão enorme devido às mudanças climáticas," disse Jane Smart, chefe do Programa de Espécies da IUCN. A entidade reúne governos, grupos ambientalistas e cientistas.

Períodos prolongados de seca e alterações climáticas bruscas fragilizam cada vez mais habitats dos quais as aves dependem, afirmou o documento, observando que os casos de extinção estão ocorrendo em áreas continentais, e não em ilhas, onde esse tipo de fenômeno costumava ser mais comum.

MAÇARICOS, FELOSAS

Entre as espécies incluídas na lista de aves ameaçadas estão o maçarico da Eurásia e a felosa de Dartford, que vivem na Europa e no noroeste da África.Ambos encontravam-se antes na categoria "Menos Ameaçados."

"Conclamamos os governos a levar a sério a informação contida no relatório e a fazer o máximo para protegerem as aves do mundo", afirmou Smart.

O Painel Internacional sobre as Mudanças Climáticas (IPCC), um órgão ligado à ONU, disse que a queima de combustíveis fósseis vem alimentando o aquecimento global.

O relatório da IUCN afirmou que o Brasil e a Indonésia possuem os maiores números de espécies ameaçadas, com 141 e 133 respectivamente.

O grupo citou várias outras espécies cuja população diminui rapidamente. Entre essas está o maluro de Mallee. O habitat dessa ave tornou-se tão fragmentado que um único incêndio florestal pode ter consequências catastróficas, afirmou o relatório.

Nas ilhas Galápagos, a população do rouxinol floreana caiu para menos de 60 indivíduos --em 1996, estimava-se que essa cifra fosse de 150. E hoje o animal consta da lista dos criticamente ameaçados porque é extremamente vulnerável a fenômenos meteorológicos extremos.

O documento citou também algumas espécies cuja situação melhorou devido a esforços de conservação, entre as quais o pombo imperial marquesano e o kiwi pintado.

Cerca de 4.000 delegados participam da Convenção sobre a Biodiversidade, onde pretendem discutir formas de garantir a sobrevivência de uma série de espécies e de tentar diminuir a velocidade de extinção de várias plantas e animais.

Hospedagem: UOL Host