UOL Notícias Ciência e Saúde
 

12/12/2007 - 12h26

Bali entra na fase decisiva, mas não há esperanças de se fixar objetivos

Da AFP
Em Nusa Dua
A Conferência sobre Mudança Climática de Bali (Indonésia) entrou nesta quarta-feira em sua fase decisiva, com a reunião dos ministros do Meio Ambiente dos países participantes, mas provavelmente não estabelecará objetivos de redução de emissão de gases de efeito estufa, responsáveis pelo aquecimento global, lamentaram fontes oficiais e ecologistas.

Em seu discurso de abertura nesta quarta-feira, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, pediu que se atue com urgência contra a mudança climática. O objetivo da reunião ministerial é lançar um processo de negociação internacional que resulte num novo acordo para intensificar a luta contra a mudança climática a partir de 2012, data em que expira o Protocolo de Kyoto.

"Devemos atuar agora ante este desafio imediato", afirmou Ban Ki-moon, pedindo também que os governos de todo o mundo cheguem a um novo acordo antes de 2009 para dar tempo suficiente para que os países possam ratificá-lo antes de 2012.

Mas o secretário-geral também foi realista ao falar com a imprensa: "Francamente, parece muito ambicioso esperar que as delegações cheguem a um acordo sobre os objetivos de redução de emissões de gases de efeito estufa".

Estes objetivos de redução, que, segundo os especialistas são necessários para limitar o aquecimento a um máximo dois graus centígrados, são contrários aos interesses dos Estados Unidos, mas defendidos pela União Européia, que já se comprometeu unilateralmente a intensificar seus esforços nesse sentido.

Mas, para os ecologistas, este objetivo parece cada vez mais distante.

"O primeiro passo é conseguir que todos os países desenvolvidos aceitem reduções de 25-40% em 2020 em relação aos níveis de 1990. Isto tem que estar no documento documento final", enfatizou Stephanie Tunmore, porta-voz da organização Greenpeace.

A Conferência de Bali organizada pela Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança Climática deve chegar a seu ponto alto na sexta-feira, quando os ministros aprensentarão o chamado "Mapa do Caminho de Bali".

O destaque inicial desta quarta-feira ficou com o novo primeiro-ministro australiano, que entregou ao secretário-geral da ONU os documentos de ratificação por parte da Austrália do Protocolo de Kyoto, fazendo com que os Estados Unidos fiquem como o único país desenvolvido a não ratificar o tratado.

Kevin Rudd fez a entrega oficial dos documentos a Ban Ki-moon em uma breve cerimônia celebrada antes da abertura oficial da conferência.

"Ratificar o protocolo de Kyoto foi uma decisão de nosso governo no primeiro dia no poder e é uma grande honra apresentar os documentos oficiais de ratificação", declarou Rudd ao apertar a mão do secretário-geral da ONU.

A Austrália é responsável por menos de 2% das emissões mundiais de gases que provocam o efeito estufa. No entanto, o país é um importante exportador de carvão, uma das fontes de energia que mais contribuem para o aquecimento global.

Os Estados Unidos, maior nação emissora de gases poluentes, se negam a ratificar o protocolo na administração do presidente George W. Bush.

A sessão da conferência de Bali foi marcada nesta quarta-feira por um fortalecimento das medidas de segurança em função dos atentados regitrados na véspera na Argélia.

Calculadoras

Massa corporal e gasto calórico

m

kg

Sexo

anos

* Os campos "Altura" e "Peso" são obrigatórios

* Esta avaliação não dispensa a orientação de um profissional de saúde. Procure um médico.

Hospedagem: UOL Host