UOL Ciência e SaúdeUOL Ciência e Saúde
UOL BUSCA

04/04/2007 - 18h33

Cientistas suecos fazem transplantes de útero bem-sucedidos em ovelhas

ESTOCOLMO, 4 abr (AFP) - Cientistas suecos anunciaram nesta quarta-feira ter realizado, com sucesso, transplantes de útero em quatro ovelhas, que ficaram prenhes depois.

Eles afirmaram que o sucesso das cirurgias significa um passo à frente rumo ao transplante de útero em mulheres.

As ovelhas foram operadas por laparoscopia, por meio de uma incisão na parede abdominal, explicou o professor Mats Braennstroem, do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da Universidade de Gotemburgo.

"Tiramos o útero do corpo e o mantivemos por duas horas fora do corpo", acrescentou.

Quando os cientistas colocaram o útero de volta no mesmo corpo, eles o ligaram a outros vasos sanguíneos e à vagina.

"Depois de quatro a seis semanas, as ovelhas voltaram à fazenda, foram colocadas junto com carneiros, com os quais copularam, e quatro entre cinco ficaram prenhes", acrescentou Braennstroem.

"Eu acho que o procedimento foi um sucesso, porque o que ele prova é que se pode colocar o útero de volta com diferentes fontes sanguíneas e fazê-lo em espécies de animais de grande porte", continuou.

"Penso que este é um pequeno passo na direção do transplante de útero humano", completou, acrescentando que uma das principais dificuldades nas operações foi o problema de religar os vasos sanguíneos.

Das 14 ovelhas usadas na pesquisa, algumas não sobreviveram às operações, destacou um artigo sobre a experiência publicado na revista "New Scientist".

Braennstroem disse que, a partir da próxima semana, os cientistas esperam fazer progressos: de remover e recolocar o útero no mesmo indivíduo a transplantar o útero de um indivíduo em outro.

Esta nova experiência pode trazer, porém, novos problemas, alertou o cientista: o risco de a ovelha receptora rejeitar o útero transplantado.
Fale com
UOL Ciência e Saúde

Compara e acha o menor preço

- Câmeras Digitais
- Notebooks - TV LCD - GPS - Auto MP3

UOL Ciência e Saúde no Twitter