UOL Ciência e SaúdeUOL Ciência e Saúde
UOL BUSCA

26/08/2008 - 10h25

África precisa enfrentar ameaças ambientais, diz OMS

Da Lusa
Em Libreville
A África está ficando sem saída diante das atuais ameaças ambientais e dos conseqüentes problemas de saúde pública, precisando repensar políticas e estratégias, alertou o diretor regional da Organização Mundial de Saúde (OMS), o angolano Luís Gomes Sambo.

Nesse sentido, em entrevista à Agência Lusa, Gomes Sambo destacou a importância da primeira Conferência Interministerial sobre Saúde e Ambiente, que começa nesta terça-feira em Libreville, Gabão.

Água não-potável, saneamento básico quase inexistente, superpovoamento urbano, tratamento irregular de resíduos e visíveis alterações climáticas são alguns dos muitos problemas africanos identificados pela OMS.

"São problemas básicos para os quais a África ainda não encontrou as soluções corretas e que podem ser minimizados, bem como seu peso na saúde pública", declarou Luís Gomes Sambo.

"Quando falamos em desenvolvimento, estamos falando também em melhorar a saúde das pessoas. E para melhorar a saúde pública, temos de melhorar o meio ambiente", afirmou.

Para o responsável, o encontro em Libreville vai permitir ao continente africano dar os primeiros passos na direção de um diálogo coordenado, intersetorial e cada vez mais necessário.

"Pela primeira vez, os ministros africanos vão ter a oportunidade de discutir a interface entre o meio ambiente e a saúde", afirmou Gomes Sambo, explicando que "vão analisar os problemas comuns, trocar experiências e o debate vai gerar uma nova reflexão e novas idéias".

Luís Gomes Sambo acredita que os países africanos terão de repensar seus sistemas de saúde, em especial os recursos humanos e as infra-estruturas, e fortalecer a capacidade institucional da área ambiental.

O diretor regional da OMS espera que, no final da conferência, que termina na sexta-feira, se assine uma declaração com as principais linhas de orientação para uma estratégia conjunta, envolvendo as áreas de saúde e meio ambiente, mas também educação. Além da OMS, a conferência conta com o apoio do Programa Ambiental das Nações Unidas (Unep) e do governo do Gabão, entidade anfitriã.

Só em 2002, segundo dados fornecidos pela OMS, os fatores ambientais estiveram associados à morte de cerca de 2,4 milhões de pessoas. A organização acrescenta que os riscos ambientais contribuem em cerca de 25% para o total de doenças no mundo, um valor que aumenta para aproximadamente 35% em regiões como a África Subsariana.
Fale com
UOL Ciência e Saúde

Compara e acha o menor preço

- Câmeras Digitais
- Notebooks - TV LCD - GPS - Auto MP3

UOL Ciência e Saúde no Twitter

Hospedagem: UOL Host