UOL Últimas NotíciasUOL Últimas Notícias
UOL BUSCA


 

28/09/2005 - 21h06
Rebelo vence eleição e é o novo presidente da Câmara

Da Redação
Em São Paulo

O governo federal conseguiu emplacar na presidência da Câmara dos Deputados um nome de sua confiança, com a vitória do deputado federal Aldo Rebelo (PCdoB-SP). Rebelo, 49, venceu em segundo turno o oposicionista José Thomaz Nonô (PFL-AL), por 258 votos a 243. Houve ainda seis votos em branco e dois votos nulos. No primeiro turno, realizado nesta quarta-feira, ambos os candidatos obtiveram 182 votos.

Arte UOL 
A disputa foi acirrada, voto a voto. Aldo Rebelo chegou a abrir 20 votos de vantagem sobre José Thomaz Nonô, mas os dois candidatos chegaram a empatar em 213 a 213. Só foi possível declarar a vitória matemática de Aldo faltando 13 votos para o final da apuração.

No discurso de agradecimento, minutos após o final da apuração, Aldo Rebelo disse que "esse espaço [a Câmara] é um espaço independente que pertence, unicamente, a seu titular, que é o povo brasileiro".

Aldo Rebelo comandará a Casa até o dia 2 de fevereiro de 2007, data prevista para a escolha da próxima Mesa Diretora.

A candidatura de Rebelo foi fortemente apoiada pelo Palácio do Planalto, que abdicou de uma candidatura petista e investiu pesado -houve promessa de verbas e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva ligou pessoalmente a parlamentares pedindo votos a Rebelo.

O PL desistiu de candidatura própria e passou a apoiar Rebelo depois de o governo prometer mais verbas para o Ministério dos Transportes, controlado pelo partido. Além de PT e PL, deram apoio a Rebelo o PSB e parte do PMDB.

Sérgio Lima/Folha Imagem 
Aldo Rebelo comemora sua vitória na Câmara
Rebelo é muito identificado com o governo petista. Foi ministro-chefe da Secretaria de Coordenação Política e Assuntos Institucionais e líder do governo na Câmara. Para seus críticos, isso mostra que pode haver uma subordinação da Câmara ao Executivo.

Em discurso antes da votação do segundo turno, Aldo Rebelo prometeu autonomia em relação ao governo. Disse que seu passado político serve de resposta para as insinuações de que terá vinculação com o Executivo.

"Nunca dependi do governo para ser eleito", afirmou. "Acima do governo está o país. Acima do governo está está o povo. Acima do governo, está está a necessidade de restabelecer o diálogo", acrescentou. Como compromisso, disse que projetos enviados pelo Executivo não serão votados caso haja propostas similares em tramitação no Congresso Nacional.

O governo, que perdeu a eleição na Câmara no início deste ano para Severino Cavalcanti (PP-PE), retoma agora influência sobre a Casa, que foi governada pelo petista João Paulo Cunha (SP) em 2003 e 2004.

Severino Cavalcanti pediu a renúncia ao cargo e ao mandato na semana passada, após denúncias de que teria cobrado propina do empresário

Sebastião Buani, dono de um restaurante na Câmara. O caso ficou conhecido como "mensalinho".

Começo na UNE

Ex-ministro da Coordenação Política, o jornalista Aldo Rebelo ingressou na vida política em 1976, quando foi secretário-geral da União Nacional dos Estudantes (UNE). Desde então, foi vereador e por quatro vezes deputado federal pelo PCdoB. Antes, esteve filiado por cinco anos ao PMDB.

Acompanhe:
 ÚLTIMAS DA CRISE
17/11/2010

16h12- Sete prefeitos presos em operação da Polícia Federal na BA são soltos pelo STJ

15h59- Reajuste de parlamentares sai este ano, garantem deputados da Mesa

15h49- 'Levarei a Dilma para passar o bastão lá', diz Lula sobre visita a catadores de papel

15h33- CCJ do Senado aprova projeto que permite plebiscito de iniciativa popular

15h23- Lula conversa com Sarkozy e sinaliza por escolha de Rafale

15h13- Novo ministro do STF será indicado até 17 de dezembro

15h04- Lula diz que levará Dilma para encontro com catadores de papel em SP; veja

15h04- Lula diz que vê com tranquilidade 'blocão' formado pelo PMDB

13h36- Temer chama PT e PMDB para conversar e minimiza formação de 'blocão'

13h25- Erramos: Dilma conversa por duas horas com vice Michel Temer