UOL Últimas NotíciasUOL Últimas Notícias
UOL BUSCA


 

09/02/2006 - 10h11
Presidentes do Sudão e do Chade assinam acordo de paz em Trípoli

Por Manuel Ostos Túnis, 9 fev (EFE).- Os presidentes do Sudão, Omar Al-Bashir, e do Chade, Idriss Deby, assinaram na noite desta quarta-feira em Trípoli, na Líbia, um acordo de paz que deve permitir a pacificação da conflituosa região sudanesa de Darfur.

O líder líbio, Muammar Kadafi, defensor da união do continente africano e defensor da tese de que os africanos devem resolver por si sós seus problemas, ganhou prestígio diplomático ao patrocinar o acordo.

Kadafi promoveu uma mini-cúpula que também teve a participação do presidente em exercício da União Africana (UA), o congolês Denis Sassou Nguesso, e dos chefes de Estado de Burkina Fasso, Blaise Campaore, e da República Centro-Africana, François Bozizé.

Na assinatura do acordo, Al-Bashir e Deby elogiaram a mediação de Kadafi, anunciaram que restabelecerão suas relações diplomáticas e abrirão seus respectivos consulados.

Porém, o mais importante é que os dois países se comprometem a não realizar nenhum ato de hostilidade contra o outro, pacificar suas fronteiras e não ajudar os grupos rebeldes.

O Chade acusara o Sudão de sustentar a rebelião chadiana constituída por desertores das Forças Armadas refugiados em Darfur, de onde realizam incursões militares, segundo as autoridades de Ndjamena.

Por outro lado, o Sudão acusara o Chade de violar suas fronteiras ocidentais e atacar uma guarnição em Darfur, província em que o regime de Cartum enfrenta desde 2003 uma verdadeira guerra civil.

As forças governamentais sudanesas, apoiadas por milícias árabes nômades, combatem as tribos sedentárias africanas que tentam controlar a província.

Segundo as Nações Unidas, o conflito já gerou cerca de 300 mil vítimas, além de dois milhões e meio de refugiados, parte deles vivendo agora em território chadiano.

O acordo será supervisionado por uma comissão ministerial presidida pela Líbia, que ofereceu uma "força de paz" que será mobilizada na fronteira entre os dois países em conflito.

"Meu país está disposto a fornecer tropas, aviões e carros de combate para supervisionar o acordo e impedir que ocorram hostilidades entre nossos irmãos", declarou, satisfeito, Kadafi.

No discurso de encerramento da mini-cúpula, o líder líbio condenou a ação dos grupos rebeldes em Darfur. "É preciso demonstrar a eles que não se pode conseguir nada com o uso das armas".

A nova filosofia pacifista de Kadafi contrasta com sua antiga atitude revolucionária, mas se encaixa perfeitamente em seu recente estilo de artífice da paz e amigo do Ocidente.

Os Estados Unidos e o Reino Unido também propuseram o envio a Darfur de uma força de paz formada por capacetes azuis, da ONU.

A proposta foi rejeitada em termos taxativos por Kadafi. "Os africanos não precisam desses capacetes azuis para resolver suas divergências", disse.

A aposta é alta, porque em décadas de história dos conflitos africanos, apenas intervenções internacionais foram capazes de obter sucessos notáveis.

Em seu afã de criar os "Estados Unidos da África", Kadafi pensa o contrário, e encoraja outros líderes do continente a seguir seu exemplo, além de dar a eles uma considerável ajuda financeira.

No entanto, a União Africana mobilizou em 2004 um contingente de sete mil homens em Darfur e pediu a assistência logística da ONU, mas não conseguiu resultados notórios até agora.

Com a firma do acordo, Kadafi conseguiu o que o presidente da Nigéria, Olusegun Obasanjo, tentara sem sucesso em janeiro, quando reuniu na cidade de Abuja os presidentes do Chade e do Sudão.

O acordo de paz assinado em Trípoli obriga o Sudão a desarmar os rebeldes chadianos instalados em Darfur e oferecer garantias sobre o respeito dos direitos humanos na província.

A denúncia sobre as violações dos direitos humanos em Darfur impediu Al-Bashir de assumir, em janeiro, a Presidência rotativa da UA, que foi transferida ao Congo, com a perspectiva de que o Sudão a recupere em 2007.

ÍNDICE DE ÚLTIMAS NOTÍCIAS   IMPRIMIR   ENVIE POR E-MAIL

Folha Online
Reforma visual da Folha facilita a leitura; conheça as mudanças
UOL Esporte
Após fiasco de público, CBF reduz preços de ingressos para partida
UOL Economia
Bovespa reduz ritmo de perdas
perto do fim dos negócios

UOL Tecnologia
Fãs do iPhone promovem encontro no Brasil; veja mais
UOL Notícias
Chuvas deixam quatro mortos e afetam mais de 4 mil no Paraná
UOL Vestibular
Cotista tem nota parecida com de não-cotista aponta Unifesp
UOL Televisão
Nova novela da Record terá máfia e Gabriel Braga Nunes como protagonista
UOL Música
Radiohead entra em estúdio para trabalhar em disco novo
UOL Diversão & Arte
Escritor indiano Aravind Adiga ganha o Booker Prize
UOL Cinema
Novo filme dos irmãos
Coen tem maior bilheteria nos EUA