UOL Últimas NotíciasUOL Últimas Notícias
UOL BUSCA


 

24/12/2006 - 18h44
Russos lembram com amargura o 15º aniversário do fim da URSS

Ignacio Ortega Moscou, 24 dez (EFE).- A Rússia lembra amanhã o 15º aniversário do histórico discurso no qual Mikhail Gorbachov anunciou sua renúncia e assinou a "certidão de óbito" da outrora onipotente União Soviética (URSS).

"Gorbachov não deve participar de nenhum ato especial", disse hoje Pavel Palaschenko, porta-voz da Fundação Gorbachov.

O Estado soviético tinha deixado de existir quatro dias antes, mas a renúncia do último dirigente soviético em um discurso televisionado, em 25 de dezembro de 1991, convenceu os últimos incrédulos de que a URSS (União de Repúblicas Socialistas Soviéticas) tinha acabado.

Os turistas que visitavam a Praça Vermelha naquela noite testemunharam a bandeira soviética sendo arriada e surgir, em seu lugar, a tricolor bandeira czarista da nova Rússia, comandada por Boris Yeltsin.

"Não há nada a comemorar. Gorbachov nunca foi um comunista. Não pôde preservar a URSS porque tinha outra tarefa em mente, seu desmoronamento", disse hoje o pensionista Gennadi Abashin.

Maria, de 24 anos, expressou opinião semelhante, ao considerar que Gorbachov deveria "ter modernizado o país para evitar a desintegração".

"Entre as repúblicas existiam fortes laços. Tínhamos muitas coisas em comum", disse, enquanto passeava sob a neve em frente ao Kremlin.

Naquela noite, Gorbachov, que sempre foi elogiado por suas habilidades como orador, pronunciou um discurso emocionado no qual fez um mea-culpa, mas defendeu as reformas introduzidas durante a Perestroika.

O discurso não foi uma surpresa, já que havia sido antecipado pelos meios de comunicação na véspera, e foi motivado pela "nova realidade política" surgida após a criação da Comunidade dos Estados Independentes (CEI) naquele 8 de dezembro.

Gorbachov defendeu a "independência dos povos", mas também a "preservação do Estado" e a "integridade do país", e reiterou que decisões de "tamanha envergadura" como o fim da URSS deveriam ter sido aprovadas mediante a expressão da "vontade popular".

"Temos muito de tudo, terra, petróleo, gás, carvão, metais preciosos, outras riquezas naturais, e Deus também não nos ofendeu quanto à inteligência e talentos, mas vivemos muito pior que os países desenvolvidos", disse.

Em uma de suas frases mais célebres, Gorbachov expressou seu pesar diante do fato de que as pessoas perderiam "a cidadania de um grande país" e pediu a todos para "conservar as conquistas democráticas": eleições livres, liberdade de imprensa e de consciência, pluripartidarismo, respeito aos direitos humanos, reforma agrária e propriedade privada.

Desde o princípio, Gorbachov insistiu na viabilidade do "Estado", mas mostrou-se o tempo todo disposto a cooperar em uma transição ordenada e na consolidação da nova comunidade pós-soviética.

De fato, Gorbachov já tinha perdido todos os símbolos do poder em 21 de dezembro, quando os líderes de 11 das antigas 15 repúblicas da URSS - menos a Geórgia e as três bálticas - nomearam um novo comandante das Forças Armadas.

"Gorbachov não calculou bem suas forças. A renúncia foi a melhor decisão que pôde tomar", afirma a pensionista Tania, de 58 anos.

O último dirigente soviético, de 75 anos, retornou recentemente ao "trabalho", após submeter-se em meados de novembro a uma complicada operação cardíaca em uma clínica de Munique.

Por conselho dos médicos, Gorbachov não viajou em 17 de novembro à tradicional Cúpula de Prêmios Nobel da Paz em Roma.

Mikhail Gorbachov, Prêmio Nobel da Paz em 1990, dirige atualmente a fundação que leva seu nome e que se dedica à pesquisa política, social e econômica.

Além disso, em junho passado, anunciou a compra de 10% das ações do independente "Novaya Gazeta", onde trabalhava a jornalista Anna Politkovskaya, vítima de um assassinato em novembro.

Apesar da diferença de seus estilos, Gorbachov se transformou nos últimos anos em aliado do presidente russo, Vladimir Putin, embora também tenha criticado a regressão no que se refere às liberdades civis na Rússia.

"Gorbachov contribuiu para o desaparecimento da URSS. E mais, foi a chave do desastre. Deixou-se usar como um títere. Agora, deveria viver como um aposentado e abster-se de participar da vida política.

Seu momento já passou", opinou Boris, de 28 anos.

Segundo as pesquisas de opinião, mais da metade dos russos tem saudade da URSS, porcentagem que supera os 75% nas pessoas com mais de 60 anos.

ÍNDICE DE ÚLTIMAS NOTÍCIAS   IMPRIMIR   ENVIE POR E-MAIL

Folha Online
Reforma visual da Folha facilita a leitura; conheça as mudanças
UOL Esporte
Após fiasco de público, CBF reduz preços de ingressos para partida
UOL Economia
Bovespa reduz ritmo de perdas
perto do fim dos negócios

UOL Tecnologia
Fãs do iPhone promovem encontro no Brasil; veja mais
UOL Notícias
Chuvas deixam quatro mortos e afetam mais de 4 mil no Paraná
UOL Vestibular
Cotista tem nota parecida com de não-cotista aponta Unifesp
UOL Televisão
Nova novela da Record terá máfia e Gabriel Braga Nunes como protagonista
UOL Música
Radiohead entra em estúdio para trabalhar em disco novo
UOL Diversão & Arte
Escritor indiano Aravind Adiga ganha o Booker Prize
UOL Cinema
Novo filme dos irmãos
Coen tem maior bilheteria nos EUA