UOL Últimas NotíciasUOL Últimas Notícias
UOL BUSCA


 

29/01/2007 - 09h21
"NHK" é multada por manipular programa sobre escravidão sexual na II Guerra

Tóquio, 29 jan (EFE).- A cadeia pública japonesa de televisão "NHK" foi condenada hoje a pagar ¥ 2 milhões (US$ 16.400) por manipular um programa que acusava as autoridades de permitir a escravidão sexual da mulher durante a Segunda Guerra Mundial.

A sentença reconheceu que a "NHK" tinha alterado o programa após receber pressões do agora chefe de Governo japonês, Shinzo Abe, quando ainda era ministro porta-voz de Junichiro Koizumi.

Abe, que admitiu ter pedido à cadeia para alterar o conteúdo do programa por considerá-lo "parcial", negou ter pressionado a "NHK", que explicou que as mudanças respondiam a uma edição rotineira, segundo a agência local "Kyodo".

O caso é de 2001, quando a "NHK" decidiu emitir uma simulação de julgamento sobre os abusos cometidos contra a mulher pelas autoridades japonesas antes e durante a Segunda Guerra Mundial.

Para isso, contou com a colaboração da Associação contra a Violência da Mulher durante a Guerra (Vaww-Net Japan, em inglês), que tinha organizado em dezembro de 2000 o Tribunal Internacional de Crimes de Guerra contra a Mulher.

Ao término do programa, os quatro juízes, liderados pelo ex-presidente do Tribunal Internacional de Crimes de Guerra para a antiga Iugoslávia Gabrielle McDonald, consideraram culpado o imperador Hirohito de crimes contra a humanidade por institucionalizar esta escravidão.

No entanto, durante a emissão do programa, a emissora omitiu a sentença contra Hirohito e testemunhos de ex-soldados, assim como o nome da associação.

A Vaww-Net Japan decidiu apresentar uma ação contra a cadeia pública e outras duas produtoras por alterar o programa sem aviso prévio.

De acordo com a associação, o objetivo do programa era incitar o Governo japonês a aceitar sua responsabilidade e indenizar as mulheres que foram forçadas a se transformar em escravas sexuais dos militares japoneses.

Em março de 2004, um tribunal de Tóquio sentenciou uma das três empresas que participaram da produção a pagar ¥ 1 milhão pelo mesmo caso, mas rejeitou as acusações contra a "NHK" e outra companhia.

A "NHK" é financiada fundamentalmente por fundos públicos e por assinaturas, e seu orçamento e plano de negócio requerem aprovação parlamentar.

Sob a chefia do Governo de Abe, a cadeia recebeu em novembro uma ordem governamental para colocar ênfase em suas emissões internacionais de rádio em onda curta sobre seqüestros de japoneses cometidos pela Coréia do Norte no passado.

ÍNDICE DE ÚLTIMAS NOTÍCIAS   IMPRIMIR   ENVIE POR E-MAIL

Folha Online
Reforma visual da Folha facilita a leitura; conheça as mudanças
UOL Esporte
Após fiasco de público, CBF reduz preços de ingressos para partida
UOL Economia
Bovespa reduz ritmo de perdas
perto do fim dos negócios

UOL Tecnologia
Fãs do iPhone promovem encontro no Brasil; veja mais
UOL Notícias
Chuvas deixam quatro mortos e afetam mais de 4 mil no Paraná
UOL Vestibular
Cotista tem nota parecida com de não-cotista aponta Unifesp
UOL Televisão
Nova novela da Record terá máfia e Gabriel Braga Nunes como protagonista
UOL Música
Radiohead entra em estúdio para trabalhar em disco novo
UOL Diversão & Arte
Escritor indiano Aravind Adiga ganha o Booker Prize
UOL Cinema
Novo filme dos irmãos
Coen tem maior bilheteria nos EUA