UOL Últimas NotíciasUOL Últimas Notícias
UOL BUSCA


 

05/03/2007 - 20h43
Tortura psicológica prejudica tanto quanto tortura física, diz estudo

Washington, 5 mar (EFE).- A manipulação psicológica, a humilhação, a privação sensorial e as posturas forçadas causam tanto dano, estresse e angústias como a tortura física, segundo um estudo publicado hoje pela revista "Archives of General Psychiatry".

A revista, que faz parte das publicações da Associação Médica dos Estados Unidos, informa que o estudo - dirigido por Metin Basoglu, do Kings' College na Universidade de Londres - entrevistou 279 sobreviventes de torturas procedentes de Sarajevo (Bósnia-Herzegovina), Banja Luka (República Srpska), Rijeka (Croácia), e Belgrado (Sérvia) entre 2000 e 2002.

As definições de tortura mais comumente aceitas incluem o sofrimento físico e mental.

"Depois de terem sido publicadas informações que davam conta de abusos cometidos por militares dos Estados Unidos em Guantánamo, no Iraque e no Afeganistão, um grupo de trabalho do Departamento de Defesa e outro do Departamento de Justiça argumentaram que a definição de tortura era muito limitada", afirma o artigo.

Segundo a definição dos EUA, a tortura "exclui a dor e o sofrimento mental causado por vários atos que não causem grave dor física".

Entre os métodos que as autoridades dos Estados Unidos excluíram de sua definição da tortura, estão cobrir o rosto com capuzes, nudez forçada, isolamento e manipulações psicológicas.

Entre os entrevistados por Basoglu e por sua equipe, a média de idade era de 44,4 anos, e 86,4% eram do sexo masculino. Eles responderam a perguntas sobre 54 componentes de estresse relacionados à guerra e 46 diferentes formas de tortura que tinham sofrido.

Em média, os participantes informaram 19 elementos estressantes e igual número de tipos de tortura. Desde a última experiência de tortura dos participantes, haviam passado 96,3 meses em média.

Mais de 75% dos sobreviventes tinham sofrido, em algum momento, transtornos de estresse pós-traumático relacionados à tortura, sendo que 55,7% sofriam esses transtornos na época do estudo.

Para comparar diferentes formas de tortura com mais facilidade, os pesquisadores dividiram esses métodos em sete categorias.

São eles: tortura sexual, tortura física, manipulações psicológicas - como as ameaças de estupro ou ser testemunha da tortura de outros, tratamento humilhante que incluem ofensas verbais, exposição a posturas forçadas por períodos longos, música em som alto, duchas de água gelada e a privação de alimento, água e outras necessidades básicas.

"As simulações de execuções, ser testemunha da tortura de pessoas queridas, as ameaças de estupro, o manuseio de genitais e o isolamento apareceram vinculados a, pelo menos, tanta angústia quanto à causada por alguns métodos físicos", afirmaram os autores do estudo.

Os pesquisadores concluíram que as técnicas de "interrogatório agressivo" e os procedimentos de detenção que significam a privação de necessidades básicas, a exposição a condições ambientais adversas e outras manipulações psicológicas não parecem ter conseqüência muito diferentes da tortura física, em termos do sofrimento que causam e dos efeitos a longo prazo.

ÍNDICE DE ÚLTIMAS NOTÍCIAS   IMPRIMIR   ENVIE POR E-MAIL

Folha Online
Reforma visual da Folha facilita a leitura; conheça as mudanças
UOL Esporte
Após fiasco de público, CBF reduz preços de ingressos para partida
UOL Economia
Bovespa reduz ritmo de perdas
perto do fim dos negócios

UOL Tecnologia
Fãs do iPhone promovem encontro no Brasil; veja mais
UOL Notícias
Chuvas deixam quatro mortos e afetam mais de 4 mil no Paraná
UOL Vestibular
Cotista tem nota parecida com de não-cotista aponta Unifesp
UOL Televisão
Nova novela da Record terá máfia e Gabriel Braga Nunes como protagonista
UOL Música
Radiohead entra em estúdio para trabalhar em disco novo
UOL Diversão & Arte
Escritor indiano Aravind Adiga ganha o Booker Prize
UOL Cinema
Novo filme dos irmãos
Coen tem maior bilheteria nos EUA