UOL Últimas NotíciasUOL Últimas Notícias
UOL BUSCA


 

22/05/2007 - 14h31
OIE declara Santa Catarina zona livre da febre aftosa sem vacinação

Paris, 22 mai (EFE).- A Organização Internacional de Saúde Animal (OIE, na sigla em inglês) declarou hoje o estado de Santa Catarina zona livre da aftosa sem vacinação, fato que o torna a primeira região brasileira a alcançar esta categoria, ao mesmo tempo em que ampliou no Pará o espaço considerado livre de aftosa com vacinação.

O anúncio foi feito pelo diretor-geral da OIE, Bernard Vallat, que em entrevista coletiva detalhou as mudanças de estatuto das doenças infecciosas decididas pela assembléia geral da organização realizado esta semana em Paris.

Vallat enquadrou as remodelações da qualificação do risco de febre aftosa nos dois estados brasileiros no programa iniciado pelo Mercosul, sob supervisão da OIE, para a erradicação da doença infecciosa que afeta o gado, mas não as pessoas.

O secretário de Agricultura e Desenvolvimento Rural de Santa Catarina, Antônio Ceron, destacou à agência Efe que seu estado recebeu a nova qualificação "com muita alegria e responsabilidade".

Segundo Ceron, "isto representa possibilidades muito importantes para Santa Catarina já que o estado é a primeira região do Brasil que consegue" o estatuto mais propício sobre a febre aftosa e "a perspectiva é que o mercado internacional" se abra mais aos produtos dos criadores de gado.

O secretário de Estado considerou que as normas e obrigações impostas pela OIE para chegar à qualificação e mantê-la "são rigorosas, mas necessárias" e manifestou sua esperança de que o Brasil em seu conjunto possa alcançar no futuro a qualificação de zona imune da aftosa sem vacinação.

O Programa de Ação Mercosul Livre de Febre Aftosa (Pama), que vai ser iniciado por Brasil, Argentina, Bolívia, Paraguai e Uruguai, prevê uma faixa de 15 quilômetros de largura nas fronteiras comuns de "alta vigilância".

A razão é que a missão de especialistas da OIE que se deslocou para a região em dezembro do ano passado constatou que "o vírus da aftosa continua circulando, sobretudo nas fronteiras", por isso que foi feito um acordo com os países envolvidos para criar essas regiões de "alta vigilância", considerando que elas não estão imunes à doença", explicou Vallat.

O diretor-geral está confiante em que as autoridades vão se preocupar para que sejam cumpridas as regras estabelecidas nas fronteiras entre Paraguai, Argentina e Brasil, assegurando que isso pode modificar o estatuto na região.

"Se todos aplicarem corretamente as diretrizes da OIE, em menos de cinco anos não se falará mais de febre aftosa na região", ressaltou.

ÍNDICE DE ÚLTIMAS NOTÍCIAS   IMPRIMIR   ENVIE POR E-MAIL

Folha Online
Reforma visual da Folha facilita a leitura; conheça as mudanças
UOL Esporte
Após fiasco de público, CBF reduz preços de ingressos para partida
UOL Economia
Bovespa reduz ritmo de perdas
perto do fim dos negócios

UOL Tecnologia
Fãs do iPhone promovem encontro no Brasil; veja mais
UOL Notícias
Chuvas deixam quatro mortos e afetam mais de 4 mil no Paraná
UOL Vestibular
Cotista tem nota parecida com de não-cotista aponta Unifesp
UOL Televisão
Nova novela da Record terá máfia e Gabriel Braga Nunes como protagonista
UOL Música
Radiohead entra em estúdio para trabalhar em disco novo
UOL Diversão & Arte
Escritor indiano Aravind Adiga ganha o Booker Prize
UOL Cinema
Novo filme dos irmãos
Coen tem maior bilheteria nos EUA