UOL Últimas NotíciasUOL Últimas Notícias
UOL BUSCA


 

29/07/2007 - 23h34
Ministros da Asean iniciam reunião anual do bloco em Manila

Manila, 30 jul (EFE).- Os ministros de Assuntos Exteriores da Associação de Nações do Sudeste Asiático (Asean) iniciaram hoje sua reunião anual a fim de reforçar a cooperação antiterrorista, a assistência em catástrofes naturais e a não-proliferação de armas nucleares.

Na reunião de Manila, os chefes da diplomacia dos dez países que integram a Asean tentarão também impulsionar a elaboração de uma carta comum destinada a estipular as normas de atuação dos membros e várias iniciativas para acelerar a integração do bloco.

Horas antes de seu começo, fontes oficiais do organismo admitiram que um comitê encarregado de redigir o citado documento não tinha chegado a um acordo sobre a criação de uma comissão de direitos humanos, projeto que em princípio seria incluído na carta.

Além disso, e devido à oposição de Birmânia, Laos e Vietnã, também não chegaram a um acordo sobre quais sanções seriam impostas aos países do grupo que infringissem as normas estabelecidas pela carta regional.

Os ministros também revisarão na capital filipina o tratado assinado há uma década, no qual a Asean declarou a região livre de armas nucleares.

"Queremos nos assegurar que a região estará livre de armas", afirmou o ministro de Assuntos Exteriores filipino, Alberto Romulo, no discurso de inauguração.

A revisão do tratado acontece no momento em que quase todos os países do Sudeste Asiático se preparam para construir usinas nucleares a fim de dar um salto a esse tipo de energia, que deverá contribuir para suprir a crescente demanda energética gerada pelo rápido desenvolvimento de suas economias.

Alguns dos membros da Asean propõem que o grupo busque a assessoria da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) para criar uma instituição regional que supervisione o emprego desse tipo de energia e de suas usinas geradoras.

Além disso, a presidente das Filipinas, Gloria Macapagal Arroyo, pediu à Asean que estreite sua relação com China, Japão e Coréia do Sul, e defendeu a criação de uma comunidade que englobe essas três nações e as dez da organização regional.

Durante os últimos anos, a Asean aprofundou suas relações com a China e, por sua vez, foi se distanciando dos Estados Unidos e da União Européia (UE), que freqüentemente criticam os "fracos" esforços do grupo para impulsionar a democracia na região.

A Asean é formada por Brunei, Birmânia (Mianmar), Camboja, Filipinas, Indonésia, Laos, Malásia, Cingapura, Tailândia, e Vietnã.



Folha Online
Reforma visual da Folha facilita a leitura; conheça as mudanças
UOL Esporte
Após fiasco de público, CBF reduz preços de ingressos para partida
UOL Economia
Bovespa reduz ritmo de perdas
perto do fim dos negócios

UOL Tecnologia
Fãs do iPhone promovem encontro no Brasil; veja mais
UOL Notícias
Chuvas deixam quatro mortos e afetam mais de 4 mil no Paraná
UOL Vestibular
Cotista tem nota parecida com de não-cotista aponta Unifesp
UOL Televisão
Nova novela da Record terá máfia e Gabriel Braga Nunes como protagonista
UOL Música
Radiohead entra em estúdio para trabalhar em disco novo
UOL Diversão & Arte
Escritor indiano Aravind Adiga ganha o Booker Prize
UOL Cinema
Novo filme dos irmãos
Coen tem maior bilheteria nos EUA