UOL Últimas NotíciasUOL Últimas Notícias
UOL BUSCA


 

12/10/2007 - 06h11
Al Gore e Grupo da ONU para Mudança Climática ganham o Prêmio Nobel da Paz

de Oslo e de Washington

Atualizada às 13h42

O ex-vice-presidente dos Estados Unidos Al Gore e o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês) da ONU, e seu presidente, o indiano Rajendra Pachauri, são os vencedores do Prêmio Nobel da Paz 2007, anunciou o Comitê do Nobel.

O Prêmio Nobel da Paz é dotado de US$ 1,5 milhão e será entregue junto com os outros prêmios no dia 10 de dezembro, aniversário da morte de seu fundador, Alfred Nobel.

Gore agradeceu o prêmio e afirmou que o assunto é "uma verdadeira emergência planetária". "Sinto-me muito honrado em receber o Prêmio Nobel da Paz. Estamos diante de uma verdadeira emergência planetária. A crise climática não é um assunto político, é um desafio moral e espiritual para toda a humanidade", disse.

Gore afirmou que doará a sua parte do prêmio de US$ 1,5 milhão (cerca de R$ 2,7 milhões) à Aliança para a Proteção do Clima, uma organização da qual é presidente.

Perfil de Gore

O novo Prêmio Nobel da Paz, o ex-vice-presidente americano Al Gore, conseguiu com seu ativismo que o meio ambiente adquirisse a mesma importância na consciência pública que a luta pela paz.

O interesse de Gore pela ecologia vem desde 17 anos atrás, antes de ter sido vice-presidente dos Estados Unidos durante o mandato de Bill Clinton (1993-2001), quando foi reeleito como senador democrata pelo Tennessee em 1990.

No entanto, o verdadeiro reconhecimento chegou após a estréia no ano passado do documentário "Uma Verdade Inconveniente", premiado como melhor documentário na última cerimônia de entrega do Oscar e que descreve as graves conseqüências do aquecimento global.

O filme invoca os estudos científicos que advertem que o aquecimento global gerado pelas emissões de gases poluentes causará uma mudança climática que acabará com a vida atual tal como a conhecemos, a menos que esta contaminação seja detida.

Gore, 59, candidato à Casa Branca nas eleições presidenciais de 2000, recebeu, além disso, no último dia 6 de junho o Prêmio Príncipe de Astúrias de Cooperação Internacional, que honrou sua "decisiva contribuição para o progresso na solução dos graves problemas da mudança climática".

Muito antes, em 1991, publicou o livro "Terra em Balanço: Ecologia e o Espírito Humano", no qual falava sobre grandes mudanças ecológicas necessárias para enfrentar o século 21.

Gore, nascido na capital americana no seio de uma família de políticos do Tennessee - seu pai também foi senador -, iniciou sua carreira política em 1976, quando foi eleito representante deste Estado ao Congresso dos Estados Unidos.

Em 1988, tentou obter pela primeira vez a candidatura presidencial democrata, mas não teve êxito e se retirou no meio das primárias.

Sua grande oportunidade política chegou após passar pela Casa Branca como vice-presidente de Bill Clinton, de quem, no entanto, sempre tentou manter uma certa distância.

O político democrata, que atualmente vive um de seus momentos de maior popularidade graças a seus interesses ambientais, esteve a ponto de se transformar em presidente dos Estados Unidos em 2000, ano no qual, realmente, conseguiu em todo o país cerca de 300 mil votos a mais que seu oponente George W. Bush.

Mas o complexo sistema eleitoral americano e, finalmente, uma decisão da Suprema Corte, impediram sua chegada à Casa Branca.

A seu favor contava a experiência obtida durante sua etapa de vice-presidente, uma época na que os EUA viveram a fase de expansão econômica mais longa de sua história.

Tachado de frio e rígido, - para alguns parece um robô e ele mesmo chegou a fazer brincadeiras sobre si - Gore é também um homem caseiro, dedicado a sua família, a sua esposa Tipper e a seus quatro filhos, Karenna, Kristin, Sarah e Albert.

Al Gore, "o príncipe Al", como o chamavam seus companheiros do elitista colégio St. Albans, de Washington, se transforma hoje no 20º americano agraciado com o Nobel da Paz.

Anteriormente o prêmio havia sido concedido a figuras políticas de primeira ordem como os ex-presidentes Theodore Roosevelt (em 1906) e Jimmy Carter (em 2002), o ativista Martin Luther King (em 1964) e o ex-secretário de Estado americano Henry Kissinger (em 1973).

Alguns pensam que esta condecoração poderia sustentar uma possível tentativa de Gore de voltar à Casa Branca em 2008, mas, por enquanto, e apesar de que há gente que quer apoiá-lo, como o ator Leonardo diCaprio, Gore pensa em continuar trabalhando passo a passo para que sua mensagem em favor do meio ambiente chegue à sociedade.



Folha Online
Reforma visual da Folha facilita a leitura; conheça as mudanças
UOL Esporte
Após fiasco de público, CBF reduz preços de ingressos para partida
UOL Economia
Bovespa reduz ritmo de perdas
perto do fim dos negócios

UOL Tecnologia
Fãs do iPhone promovem encontro no Brasil; veja mais
UOL Notícias
Chuvas deixam quatro mortos e afetam mais de 4 mil no Paraná
UOL Vestibular
Cotista tem nota parecida com de não-cotista aponta Unifesp
UOL Televisão
Nova novela da Record terá máfia e Gabriel Braga Nunes como protagonista
UOL Música
Radiohead entra em estúdio para trabalhar em disco novo
UOL Diversão & Arte
Escritor indiano Aravind Adiga ganha o Booker Prize
UOL Cinema
Novo filme dos irmãos
Coen tem maior bilheteria nos EUA