UOL Notícias Notícias
 

19/11/2009 - 19h36

Quadrilha peruana é acusada de matar pessoas para comercializar gordura humana

Lima (Peru)
Uma rede criminosa sequestrou e esquartejou um número ainda desconhecido de pessoas no Peru para supostamente extrair a gordura de seus corpos e vendê-la para a fabricação de cosméticos na Europa a US$ 15 mil por litro, informaram hoje fontes policiais.

A quadrilha pendurava os corpos esquartejados em ganchos de metal e derretia a gordura, explicou o chefe da Direção de Investigação Criminal (Dirincri), general Felix Murga, em entrevista coletiva.

Os integrantes deste grupo, chamado de "Los Pishtacos del Huallaga", "decantavam o óleo, a gordura humana e as impurezas", explicou Murga, ao acrescentar que há dois italianos ainda não detidos.

O escândalo foi revelado ontem, dia em que a Procuradoria peruana informou sobre a detenção de quatro integrantes da organização criminosa.

A polícia ficou em alerta depois de prender no início deste mês um dos supostos membros da quadrilha no momento em que ele recolhia em uma empresa de transporte terrestre um recipiente de plástico com a gordura extraída da única vítima comprovada até agora, Abel Matos, assassinado em meados de setembro.

Os "pishtacos" - apelido referente ao mito andino sobre bandidos que degolam humanos para comer sua carne e vender sua gordura - comercializavam a gordura de suas vítimas "por US$ 15 mil (por litro)", montante que aponta para a possível existência de "uma rede internacional", especulou o general Murga.

A gordura era extraída pelos "pishtacos" em um laboratório na região peruana de Huánuco (centro) ou em terrenos baldios da área. Depois, era oferecida em Lima a um comprador do exterior e acredita-se que seu destino eram fabricantes de cosméticos, disse o chefe policial.

Apesar de não haver provas das conexões internacionais, as autoridades peruanas entrarão em contato com a Polícia Internacional (Interpol) para esclarecer as ramificações da rede. Entretanto, se sabe que a quadrilha comercializava gordura.

A polícia assegura que Abel Matos, cuja gordura e restos mortais foram encontrados, não é a única vítima, dado que os detidos confessaram ter sequestrado mais cinco pessoas, disse o chefe da Divisão de Sequestros da Polícia Nacional peruana, coronel Jorge Mejía.

Também se suspeita que esta rede teria sequestrado e assassinado entre 60 e 200 pessoas, já que seu líder, Hilario C.S., se dedicava a estas atividades há mais de 30 anos.

Os interrogatórios revelaram que a quadrilha tinha 17 litros de gordura humana em estoque, mas já buscavam um contato em Lima para vendê-los no exterior, relatou Murga.

A polícia teme que os corpos de todas as vítimas não sejam encontrados porque os restos das vítimas "foram jogados em um rio ou em precipícios de difícil acesso" em Huánuco, uma região com muitas florestas, disse Mejía.

O alto comando policial diz que a quadrilha dos "pishtacos" seria formada por dez pessoas, "sete identificadas (um réu em prisão, três detidos e três foragidos), assim como três a serem identificadas".

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    17h00

    0,63
    3,905
    Outras moedas
  • Bovespa

    18h21

    -0,44
    87.449,50
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host