UOL Notícias Notícias
 

10/06/2011 - 08h38

Itália convoca embaixador no Brasil para consultas por caso Battisti

Roma, 10 jun (EFE).- A Itália chamou para consultas seu embaixador no Brasil depois que o Supremo Tribunal Federal (STF) negou a extradição do ex-ativista de extrema esquerda Cesare Battisti, o que nesta sexta-feira gerou um protesto de 50 pessoas em frente à Embaixada brasileira em Roma.

"A convocação do embaixador (em Brasília, Gherardo La Francesca) foi decidida para aprofundar, junto a outras instâncias competentes, os aspectos técnicos jurídicos referentes à aplicação dos acordos bilaterais existentes (com o Brasil)", detalhou o Ministério de Relações Exteriores italiano em comunicado.

Tudo isso, acrescentou, para avaliar as iniciativas e os recursos que possam ser apresentados nas sedes jurisdicionais internacionais.

Nesta quinta-feira, logo após ser divulgada a sentença, o governo italiano anunciou que recorrerá da decisão na Corte Internacional de Justiça de Haia.

Nesta sexta-feira, 50 pessoas, a maioria delas jovens do grupo "Rivadestra", se reuniram em frente à Embaixada do Brasil em Roma, na praça Navona, para protestar pela negação da extradição de Battisti, condenado na Itália por quatro assassinatos.

Entre os manifestantes estava a ministra de Juventude italiana, Giorgia Meloni, que expressou seu descontentamento e exigiu que as autoridades brasileiras reconsiderem sua postura.

"Não podemos aceitar que o Brasil nos humilhe desta maneira. Dizem que não podem extraditar Battisti porque na Itália corre o risco de ser torturado e isso é uma humilhação, já que na Itália os direitos são respeitados", afirmou a ministra.

Meloni, que é da direitista Aliança Nacional, explicou que desde esta quinta-feira os italianos receberam grandes manifestações de apoio de cidadãos brasileiros que não compartilham da opinião do STF do país.

"Não se deve pensar que é uma decisão do povo brasileiro, porque apenas alguns organismos que dispõem de uma cultura oligárquica a apoiam", avaliou a ministra.

O protesto se desenvolveu pacificamente durante várias horas em frente à Embaixada brasileira. Os participantes, que balançavam bandeiras italianas, cantaram canções nas quais qualificavam Battisti como um "criminoso" e entoaram slogans nos quais pediam "Justiça" e "Extradição já".

Cesare Battisti foi condenado em 1993 à prisão perpétua por um tribunal italiano pelos assassinatos de dois policiais, um joalheiro e um açougueiro cometidos entre 1977 e 1979.

Battisti, que sempre se declarou inocente, estava foragido na França, onde permaneceu como refugiado político até 2004, ano no qual fugiu para o Brasil quando o governo francês se preparava para revogar essa condição e entregá-lo à Itália.

O ex-ativista foi capturado em março de 2007 no Rio de Janeiro, onde ficou escondido durante três anos, mediante uma operação conjunta de agentes do Brasil, Itália e França.

A Itália pediu sua extradição ao Brasil, mas no ano passado o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva manifestou sua oposição à medida. Nesta quinta-feira, o STF rejeitou a solicitação italiana e concedeu liberdade a Battisti.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    12h59

    -0,46
    3,745
    Outras moedas
  • Bovespa

    13h07

    0,26
    104.126,76
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host