EleiçõesEleições
BUSCA

MG/Belo Horizonte - Eleito
Petista é reeleito no 1º turno
Prefeito: Fernando Pimentel (PT)
Vice: Ronaldo Vasconcellos (PTB)
Coligação: BH no Rumo Certo (PT, PL, PC do B, PPS, PTN, PRP, PSL e PT do B)
Gasto máximo previsto: R$ 5 milhões
Votos: 872.601
Site oficial: http://www.fernandopimentel.com.br e http://www.pimentel13.can.br
O petista Fernando Damata Pimentel, 53, foi reeleito prefeito de Belo Horizonte com 68,49% dos votos válidos (veja resultado final).

Eleito vice-prefeito em 2000, Pimentel assumiu o cargo depois que o titular, Celio de Castro, pediu afastamento por problemas de saúde no fim de 2001.

Pimentel começou a campanha atrás de João Leite (PSB) nas pesquisas de intenção de voto. Leite acabou em segundo, com 22,78% dos votos válidos.

O ex-goleiro João Leite não se mostrou páreo para a reação de Pimentel, mesmo recebendo o apoio declarado do tucano Aécio Neves, governador do Estado e o político mineiro mais importante no cenário nacional atualmente.

Com uma campanha de apelo popular, que recebeu reforços de peso na política belo-horizontina, como Patrus Ananias, ministro do Desenvolvimento Social e ex-prefeito de BH, Pimentel tomou a liderança no início de setembro e no fim deste mês já ultrapassava 60% das intenções de voto nas pesquisas de opinião.

Pimentel nasceu em Belo Horizonte, no dia 31 de março de 1953. É economista formado pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais).

Combateu a ditaduta militar implantada em 1964, iniciando sua militância política nos movimentos estudantis de 1968, em Belo Horizonte. Na época, Pimentel tinha 17 anos e era estudante do Colégio Estadual de Minas Gerais. Vinculado às organizações de resistência à ditadura, foi perseguido pelos órgãos de repressão e teve de viver na clandestinidade. Foi preso em 1970 e libertado em 1973.

Pimentel é mestre em ciência política pela Universidade Federal de Minas Gerais (1981) e, desde agosto de 1978, é professor-assistente do Departamento de Economia da Faculdade de Ciências Econômicas da UFMG. Atuou em atividades de pesquisa e trabalhos técnicos, além de ser colaborador de revistas e jornais.

Durante 17 anos, trabalhou na Diretoria Financeira da Empresa Belorizonte Couros S/A. Integrante ativo das entidades de categorias profissionais, foi presidente do Conselho Regional de Economia de Minas Gerais (1991/1992), duas vezes reeleito como conselheiro do órgão e foi diretor do Sindicato dos Economistas de Minas Gerais (1986/1992).

O economista foi colaborador da imprensa alternativa, escrevendo artigos para o Jornal dos Bairros, que circulou na região industrial de BH entre 1976 e 1983 e em Contagem entre 1991 e 1993, e a Folha Popular. Especialista em Previdência, assinou também colunas para revistas e jornais de grande circulação, como a "Folha de S.Paulo".

Pimentel, que foi um dos fundadores do PT, foi indicado para seu primeiro cargo político também em razão da sua formação de economista. Em 1993, tornou-se secretário municipal da Fazenda de Belo Horizonte e ficou no cargo por oito anos, nas gestões Patrus Ananias (1993-1996) e Celio de Castro (1997-2000). Foi eleito vice-prefeito de Belo Horizonte em 2000, na chapa encabeçada pelo prefeito reeleito Celio de Castro.

No fim de 2001, em razão do afastamento de Celio por problemas de saúde, assumiu o cargo de prefeito de Belo Horizonte.