EleiçõesEleições
BUSCA

Rio de Janeiro
29/09/2004 - 13h34
Candidatos pedem votos para enfrentar Cesar no 2º turno

Da Redação

No último programa eleitoral no rádio, nesta sexta-feira, os candidatos a prefeito do Rio pediram votos dos indecisos para chegar ao segundo tuno contra o prefeito Cesar Maia (PFL). Os ataques se resumiram ao programa de Jorge Bittar (PT).

Luiz Paulo Conde (PMDB) fez um discurso emocionado, falando de sua família e de sua competência como arquiteto. O vice-governador cantou junto com o locutor a marchinha "Cidade Maravilhosa", de André Filho. "Carioca, você que me deu orgulho de ser prefeito da sua cidade, você que ainda não definiu seu voto, a minha candidatura só tem sentido porque vou trabalhar pelo ser humano. Eu preciso do seu voto para ir ao segundo turno."

Empatado em segundo lugar com Conde, Marcelo Crivella (PL) não falou no último programa. Um locutor pediu votos e apresentou o jingle "mandou 22, mandou bem; com Crivella você vai mandar também", repetido mais de cinco vezes.

Já o programa de Bittar abriu com a apresentadora desqualificando Crivella - que "não tem biografia" - e Conde - candidato da família Garotinho. A apresentadora disse ainda que "as grandes viradas" no Rio sempre acontecem e desmentiram um acordo de PFL com o PT; "é mais uma história do Cesar Maia pra confundir você".

"Estamos a quatro dias das eleições, e as pesquisas mostram que Cesar Maia caiu, e há uma problabilidade enorme de haver segundo turno" O petista disse ainda que, "se tivermos um debate de verdade, os males de sua administração [de Cesar Maia] virão à tona".

O programa abordou ainda as promessas dos CEUs (Centros de Educação Unificado, que foram construídos pela Prefeitura de São Paulo) e do Bilhete Único. "Vamos à virada, com fé no segundo turno."

Cesar concluiu a série de programas eleitorais sem responder aos adversários. "Mostramos nosso trabalho, apresentamos propostas e respeitamos todos os adversários." O programa foi tomado por um "povo fala", de cada zona da cidade, com mensagens de agradecimento ao prefeito. O prefeito falou sobre a área da saúde - o setor que recebe masor crítica em sua gestão - como os hospitais de Acari e o Paulino Werneck, na Leopoldina.

Jandira Fegahli (PC do B) usou o último dia de horário eleitoral para pedir, mais uma vez, a corrente dos dez votos. Ela disse ter orgulho da campanha, embora tenha pouco dinheiro e pouco tempo na TV. Ela criticou ainda tentativas de "esconder" seu crescimento nas pesuisas para "evitar o segundo turno".

André Corrêa (PPS) pediu votos aos "1 milhão e meio de eleitores indecisos". "Se você é um deles, me dê uma chance de implementar nosso programa de segurnaça. Acredite no novo, me dê uma chance" André mostrou ainda declaração de apoio da deputada federal pelo PSDB Denise Frossard e disse ter apoio do ministro Ciro Gomes (Integração Nacional).

Falando em Brizola, a deputada estadual Cidinha Campos, a vica de Nilo Batista (PDT), abriu o programa do candidato. "Brizola lutou a vida toda contra essa manipulação do processo eleitoral. Desde o início os meios de comunicação elegem os que têm afinação política com seus proprietários, estabelecendo polarizações que interessam a eles. Só o povo organizado por mudar o seu destino", disse Nilo.

Otacílio Ramalho reprisou mais uma vez o programa das últimas semanas em que prega o não-pagamento da dívida e o rompimento com A Alca e o FMI.

AO lado de Brizola, Lenine Madeira (Prona) pediu que os eleitores avaliem o que foi apresentado por ele no horário eleitoral. "O Prona altera o cidadão para a dominação internacional e a escravização do nosso povo. Vamso defender o nosso solo. O Brasil é nosso."

Thelma Maria (PCO) não usou o tempo a que teve direito à propaganda eleitoral no rádio desde o primeiro dia de programa, em 18 de agosto.






CHARGE
Os caminhos em São Paulo
Debates
Saiba como se saíram os candidatos
Pesquisas
Acompanhe os últimos resultados
Dúvidas
E se não puder votar no dia?
Legislação
Instruções e resoluções estão aqui
Links
Confira o endereço do seu TRE