EleiçõesEleições
BUSCA

São Paulo
15/10/2004 - 13h45
Em entrevista, Marta insiste em ligar vice de Serra a Pitta

Da Redação

 
A prefeita de São Paulo e candidata à reeleição, Marta Suplicy (PT), continuou seus ataques ao candidato José Serra (PSDB) durante entrevista concedida nesta sexta-feira (15) para o "SP TV 1ª Edição", da Globo.

Assim como aconteceu no debate realizado na Band na quinta (14), a prefeita ressaltou o fato de o vice de Serra, o deputado Gilberto Kassab (PFL), ter sido secretário do ex-prefeito Celso Pitta (1997-2000) -saiba como foi o debate ontem.

A entrevista, com duração de 12 minutos, começou com uma pergunta dos apresentadores sobre a discrepância entre o índice de aprovação do governo de Marta e os resultados das pesquisas de intenção de votos no segundo turno. A gestão de Marta tem, segundo o Datafolha, 48% de aprovação, no entanto, a candidata tem 39% das intenções de votos contra 51% de seu adversário.

Em resposta, a prefeita argumentou que essa diferença se deve à dificuldade em apresentar tudo o que fez durante seu governo. Ela também disse que as taxas _adotadas em sua gestão e apontadas como o principal problema de seu governo_ não foram bem explicadas.

Nesse momento a prefeita fez referências a Lula e aproveitou para ressaltar os benefícios que São Paulo teria tendo um prefeito do mesmo partido que o presidente da República, o que facilitaria a liberação de recursos.

Continuando a falar sobre as taxas (luz e lixo), a prefeita disse que as adotou por ser "uma pessoa responsável" e que os recursos obtidos estão sendo utilizados nos respectivos setores. Ela acrescentou ainda que a taxa de luz deverá ser extinta em dois anos e negou que a revogação da taxa dos motoboys, na semana passada, tivesse motivação eleitoral.

Ao falar do lixo, ela voltou a citar o tucano, questionando sobre o que ele pretendia fazer no setor, já que tem falado em acabar com essa taxa. A prefeita enfatizou que sem esse recurso haveria um "apagão do lixo" daqui a dois anos. "Quero que o candidato se explique."

Em resposta sobre as deficiências na área da saúde, a prefeita se defendeu dizendo que "não dá para fazer tudo em quatro anos" e que recebeu o setor em situação caótica. Ela atribuiu esse caos a Pitta e ao vice de Serra, que foi secretário de Planejamento do ex-prefeito.

Ao ser questionada sobre a aproximação entre o PT e Paulo Maluf (PP), Marta disse: "Minha relação com o Maluf é pública. Agora, o horror de Maluf a Serra deve ser explicado por ele."

Na semana passada Maluf divulgou nota em que diz que "jamais votaria no Serra, ele é o tipo de homem que ninguém pode confiar... Vou votar na Marta para derrotar o Serra". Maluf já foi chamado de "nefasto" por Marta.

No encerramento, a prefeita disse que queria ser reeleita "porque eu fiz um bom governo e porque eu sou mulher. E foi importante para São Paulo ter uma mulher na prefeitura".

Marta aproveitou para dizer que está disposta a participar dos outros dois debates, que devem ser realizados pela Record e pela Globo, e disse que Serra "está fugindo do debate da Record."

O candidato José Serra será entrevistado na próxima segunda (18) no "SP TV". A ordem das entrevistas foi definida por sorteio, segundo a emissora.