UOL Últimas NotíciasUOL Últimas Notícias
UOL BUSCA




17/04/2008 - 17h00
Brasil, Itaipu e Mercosul permeiam o último debate entre candidatos à presidência do Paraguai

Carolina Juliano
Enviada Especial do UOL
Em Assunção (Paraguai)*

As relações com o Brasil, a revisão dos contratos de Itaipu e o Mercosul permearam todo o último debate entre os candidatos à presidência do Paraguai, que será escolhido em eleição a ser realizada no próximo domingo (20). O programa foi marcado pela ausência do líder das campanhas de intenção de voto, o candidato da Aliança Patriótica para a Mudança, Fernando Lugo.

O tema Itaipu foi o primeiro abordado no debate, do qual participaram os dois candidatos que dividem o segundo lugar nas pesquisas, a governista Blanca Ovelar (ANR) e Lino Oviedo (Unace), além de Fernando Fadul, candidato do Partido Pátria Querida. Os paraguaios reclamam do preço que o Brasil paga pela energia elétrica que eles têm direito em Itaipu, mas que, por não ser necessária para o abastecimento do país, não utilizam e vendem ao Brasil.

Arte UOL
Em um único turno, cerca de 2,8 milhões de paraguaios vão escolher novo presidente entre sete candidatos
LUGO: 'SÓ PERCO COM FRAUDE'
IMPOSTO PARA 'SACOLEIROS'
Blanca Ovelar criticou os "burocratas" brasileiros de Itaipu que despejam complicadas equações quando se trata de rediscutir o preço da energia que o Paraguai vende ao Brasil e à Argentina por determinação do contrato de construção da usina. "Eu já estive com esses senhores e tentei abordar o assunto, mas eles falam uma língua que não entendemos", disse a candidata colorada.

A candidata disse que, se eleita, vai formar uma Comissão Nacional especial, da qual farão parte "técnicos da alta inteligência paraguaia" para fazer um estudo da situação de Itaipu e saber exatamente quais os direitos do seu país. "Quando entender realmente o assunto eu vou poder enfrentar o Parlamento brasileiro e o próprio presidente brasileiro para renegociar as tarifas", disse Blanca. "Penso que o governo Lula tem dado uma abertura para essa negociação nunca antes concedida por outro governo."

A relevância que os candidatos têm dado à questão de Itaipu preocupa Brasília, que teme um aumento do preço da energia elétrica que compra do país-sócio. O Brasil começou a ficar atento a esta questão depois que Fernando Lugo declarou que, se eleito, vai "exigir o aumento do preço da energia que o Paraguai vende ao Brasil".

Lugo sustenta que o montante de US$ 300 milhões que o Brasil paga ao Paraguai anualmente é "irrisório" e tem declarado que o "justo" seria pagar entre US$ 1,5 bilhão e US$ 2 bilhões, de acordo com o preço de mercado da energia. "Quando não existe um preço justo entre um país mais poderoso e outro mais fraco, predomina o conflito", disse.

Lino Oviedo criticou, durante o debate, Blanca Avelar e o governo atual por não saberem exatamente qual a situação do Paraguai em Itaipu e ponderou que "não é com impropérios que o Paraguai deve tratar com o maior e mais poderoso país da América Latina". Em seu programa de governo, o candidato da Unace propõe dedicar parte da energia que o país vende hoje ao Brasil a empresas instaladas em território paraguaio com capital brasileiro.

PRINCIPAIS CANDIDATOS
Reuters
Ex-bispo, o candidato Fernando Lugo é tido como o 'pai dos pobres' no Paraguai e lidera as pesquisas de intenção de voto
Reuters
Candidato Lino Oviedo é ex-general e se apresenta ao eleitorado como 'perseguido político' e 'homem de mão forte'
Reuters
Blanca Ovelar já foi ministra da Educação em duas ocasiões e representa a continuidade do atual cenário político paraguaio
PERFIL DE FERNANDO LUGO
PERFIL DE LINO OVIEDO
PERFIL DE BLANCA OVELAR
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
ÁLBUM DE FOTOS
Contra a bilateralidade Brasil-Argentina
Os candidatos paraguaios voltaram a criticar o Brasil quando debateram o tema Mercosul. Antes de se manifestarem, ouviram a intervenção do ex-presidente do Uruguai Luis Alberto Lacalle sobre o assunto. Lacalle disse que Uruguai e Paraguai devem se unir no Mercosul para não permitir que Brasil e Argentina tomem decisões entre eles e sem consultar os outros países do bloco. "Isso tem ocorrido com freqüência e não podemos permitir", disse.

Blanca Ovelar concordou com o uruguaio e disse que o Paraguai não pode sair do Mercosul, mas tem que se firmar e ser reconhecido no bloco. Para Oviedo, o Mercosul é "uma mentira, uma falácia". "Funciona muito bem no papel, mas não na prática. Temos dificuldade para vender nossa carne no Chile e Argentina e até mesmo para um caminhão cruzar o Uruguai para chegar no mar."

Ausência de Fernando Lugo
O mediador do debate da emissora Telefuturo criticou duramente a ausência do candidato líder nas pesquisas, Fernando Lugo. O jornalista Humberto Rubín disse que a atitude de Lugo "reflete a sua falta de maturidade e nos leva a pensar o que realmente pode acontecer ao nosso país se ele vencer as eleições".

Em carta dirigida a Rubín, o chefe de campanha de Lugo, Miguel Ángel López Perito, disse que "não existem neste momento as condições políticas para poder participar de um encontro destas características". "Os cidadãos paraguaios merecem todo o respeito, um respeito que foi vulnerado sistematicamente nos últimos dias e horas na campanha eleitoral desenvolvida por outras candidaturas à Presidência da República", disse a mensagem.

Assessores da Aliança Patriótica para a Mudança (APC) informaram ao UOL que a ausência do candidato se explica pelos diversos e fortes ataques que ele sofreu dos outros candidatos às eleições presidenciais. Lugo participa, no fim da tarde desta quinta-feira, do encerramento de sua campanha em um comício no centro da cidade de Assunção.

*Com agências