UOL Últimas NotíciasUOL Últimas Notícias
UOL BUSCA




18/04/2008 - 08h04
Embaixador analisa presidenciáveis e questiona 'importância diplomática' de Oviedo

Claudia Andrade
Em Brasília

Nas pesquisas de intenção de voto para a eleição presidencial do Paraguai, marcada para este domingo, Fernando Lugo (Aliança Patriótica para a Mudança) aparece na dianteira, seguido por Lino Oviedo (União Nacional de Cidadãos Éticos, Unace) e Blanca Ovelar (Associação Nacional Republicana, ou Partido Colorado, como é conhecido). A questão da hegemonia dos colorados, que governam o país há seis décadas, estão no poder através do presidente Nicanor Duarte Frutos, e que apóiam Ovelar é tratada de maneira equivocada pela mídia, que defende a mudança, segundo o embaixador do Paraguai no Brasil, Luis González Arias.

Arte UOL
Em um único turno, cerca de 2,8 milhões de paraguaios vão escolher novo presidente entre sete candidatos
'BRASIGUAIOS' REGULARIZADOS
PARAGUAI QUER MAIS DE ITAIPU
MERCOSUL MAIS JUSTO
EMBAIXADOR ANALISA CANDIDATOS
EM DEBATE, A RELAÇÃO COM BRASIL
"A mídia, quando fala do Partido Colorado, sempre lembra que ele está no poder há 60 anos e diz que tem que se tirá-lo de lá. Mas todo o progresso nestas seis décadas foi conseguido com o Colorado. Eu não estou fazendo campanha política por nenhum partido, mas a candidata do Colorado fala em retificar alguns erros e apresenta um programa sério, que pode ser feito", afirma.

Ele volta a destacar as qualidades da candidata da situação diante de perguntas referentes a pontos específicos do discurso de adversários de Blanca. Quando a questão é o projeto de reforma agrária de Lugo, que pode afetar terras de brasileiros, o embaixador lembra que "o Colorado propõe um recenseamento para utilizar melhor as terras".

Arias também ressalta que "Lugo fala em reformar o tratado de Itaipu, enquanto outros falam em a utilização da energia pelo Paraguai."

A pergunta sobre a hipótese de Lino Oviedo ser o melhor para o Brasil, por ter passado mais de três anos exilado no país, tem a seguinte resposta: "O Lino diz que as relações com o Brasil serão maiores e melhores, mas é preciso ver quais são as propostas que ele colocaria em prática".