UOL Últimas NotíciasUOL Últimas Notícias
UOL BUSCA




18/04/2008 - 08h01
Terras de 'brasiguaios' devem ser regularizadas, diz embaixador

Claudia Andrade
Em Brasília

O embaixador do Paraguai no Brasil, Luis González Arias, defende a regularização tanto dos brasileiros que vivem no Paraguai, como de suas terras, para evitar problemas futuros. Entre 400 mil e 500 mil brasileiros vivem no país, sendo que apenas 115 mil são legalizados. Grande parte dos chamados "brasiguaios" é de agricultores que ajudaram o país a figurar entre os maiores produtores e exportadores mundiais de soja. E a reforma agrária, que é um ponto de preocupação para os brasileiros donos de grandes propriedades, também gera atrito com a população local.

"Pode vir a ser um problema se não for feita a legalização da presença dos brasileiros no Paraguai e a regularização da posse de terras. Há uma parceria de cooperação técnica para facilitar o uso de pequenos satélites e GPS para localizar e regularizar as terras dos imigrantes. Só que muitos brasileiros arrendam a terra que utilizam para a cultura (de grãos). Outra questão é a documentação, que é feita segundo os acordos de imigração dentro dos países do Mercosul. Há um trabalho para que os países facilitem o trâmite."

Arte UOL
Em um único turno, cerca de 2,8 milhões de paraguaios vão escolher novo presidente entre sete candidatos
'BRASIGUAIOS' REGULARIZADOS
PARAGUAI QUER MAIS DE ITAIPU
MERCOSUL MAIS JUSTO
EMBAIXADOR ANALISA CANDIDATOS
EM DEBATE, A RELAÇÃO COM BRASIL
O embaixador admite que há problemas entre os produtores estrangeiros fixados no Paraguai e os camponeses, mas diz que são ocorrências isoladas. "O problema não é com o grande produtor, mas com quem compra terreno para especulação ou quem arrenda a terra e expulsa os camponeses, o que forma um cinturão de pobreza nas zonas urbanas. Muitas grandes empresas não respeitam as normas ambientais, usam agrotóxicos. E também a soja é uma cultura muito agressiva, que provoca desmatamento", enumera.

Camponeses que moram perto das grandes propriedades fazem ainda acusações de intoxicação e de brigas por propriedades, segundo Arias. "Mas isso é normal, não é uma questão generalizada", garante.

Não é 'brasiguaio', é paraguaio
É a parte relativa à integração dos brasileiros que o embaixador prefere destacar. "Em San Alberto e Santa Rita, a maioria da população é brasileira, até o prefeito é brasileiro. E tem rádios comunitárias em português, porque isso não é proibido. É uma questão de tempo (para a integração). As duas primeiras gerações já falam o guarani. A questão é que antes se dependia muito do crédito brasileiro e dos sistemas de saúde e educação. Isso está melhorando, mas ainda se depende do mercado brasileiro", pondera. "Esse termo 'brasiguaio' não tem motivo de ser; se tem filho no Paraguai, é paraguaio", completa.

Homem no campo
Na opinião do embaixador González Arias, o deslocamento da população do campo para as cidades deve ser contido. O projeto de cooperativas de produtores seria uma alternativa para implementar a reforma agrária, já existente no país "há 40 anos", segundo ele.

"Há 40 anos a reforma é feita no Paraguai, o que precisa é dar condições de saúde, garantir alimentação e dar a possibilidade de sobrevivência; não adianta dar só a terra. Mais de 35 mil famílias já foram beneficiadas pela reforma agrária, mas só 15 a 20% ficam com a terra. As outras vendem, porque, para o pequeno agricultor individual, é mais difícil se estabelecer. Por isso a importância de um trabalho em forma de cooperativa de produtores, com criação de uma cultura de auto-sustento e apoio para que elas tenham competitividade", ressalta.

PRINCIPAIS CANDIDATOS
Reuters
Ex-bispo, o candidato Fernando Lugo é tido como o 'pai dos pobres' no Paraguai e lidera as pesquisas de intenção de voto
Reuters
Candidato Lino Oviedo é ex-general e se apresenta ao eleitorado como 'perseguido político' e 'homem de mão forte'
Reuters
Blanca Ovelar já foi ministra da Educação em duas ocasiões e representa a continuidade do atual cenário político paraguaio
PERFIL DE FERNANDO LUGO
PERFIL DE LINO OVIEDO
PERFIL DE BLANCA OVELAR
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
ÁLBUM DE FOTOS
Urbanização
Embora admita ser algo "lento" garantir a subsistência de pequenos produtores, Arias afirma ser "muito mais caro manter a gente que saiu do campo e foi para Assunção e outras zonas urbanas" e defende a reocupação do campo.

Segundo o embaixador, o Paraguai, que sempre teve um perfil rural, está perdendo esta característica. A proporção populacional, que era de 70% no campo e 30% na cidade, mudou bastante e sofre com os problemas urbanos.

"Agora está quase 50-50, com todos os problemas da cidade, como a falta de emprego, a marginalidade, a perda do sentido de ética consigo mesmo. Mas o Paraguai tem seis milhões de habitantes. Somos poucos, ainda é possível solucionar os problemas", aponta.

Etanol
Um atrativo para o retorno ao campo seria o biocombustível. O Brasil tem uma parceria com o Paraguai neste setor, para troca de informações, capacitação, transferência de tecnologia, e pesquisas de matérias primas para a produção.

"O Paraguai tem duas ou três usinas de etanol e estabeleceu imposto zero para carros (com motor) flex", destaca Arias.

Ele defende a produção, que foi alvo de críticas recentes da ONU. A Organização das Nações Unidas considera que a produção em massa dos biocombustíveis reduz as terras destinadas ao cultivo de alimentos, o que contribui para o aumento dos preços dos mantimentos.

"O Paraguai produz muitos alimentos, muitos grãos. Esta história de que a produção de biocombustível vai produzir mais fome é relativa, porque nós não vamos usar milho, soja para fazer isso, vamos produzir com outras fontes", afirma o embaixador.