UOL Últimas NotíciasUOL Últimas Notícias
UOL BUSCA


 Internacional

30/06/2004 - 20h06
Erundina e Temer formam aliança para eleição em SP

Por Carmen Munari

SÃO PAULO (Reuters) - PMDB e PSB formalizaram nesta quarta-feira uma coligação para disputar a prefeitura de São Paulo com a desistência de Michel Temer, que ocupará o posto de vice na chapa da socialista Luiza Erundina. Apesar de pertencerem a partidos da base governista, os dois políticos prevêem críticas ao Executivo federal na campanha.

"É um gesto inovador, revolucionário e ousado do PMDB", disse a ex-prefeita, durante entrevista coletiva para anunciar a nova chapa. Erundina reiterou sua autocrítica de considerar um "equívoco" ter governado São Paulo entre 1989 e 1992 com um partido só, então o PT.

Temer admitiu que os resultados das últimas pesquisas de opinião influenciaram na formação da chapa, mas que, além disso, a decisão se deveu a um "consenso partidário". O acordo foi costurado por Orestes Quércia, presidente estadual do PMDB.

"É a alternativa para que o eleitor possa sair da mesmice", disse Temer, que é deputado federal e presidente nacional do partido.

Na última pesquisa Datafolha, divulgada no fim de semana, Temer aparecia com apenas 1 por cento das preferências de votos, enquanto Erundina tinha 8 por cento.

Algumas semanas atrás, Temer, Erundina e os pré-candidatos do PPS, Arnaldo Jardim, e do PDT, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho, ensaiaram uma coligação ampla para fazer frente aos três principais candidatos da disputa paulistana --a prefeita Marta Suplicy (PT), José Serra (PSDB) e Paulo Maluf (PP).

As negociações, no entanto, não avançaram. No último domingo, Paulinho oficializou sua candidatura e na terça-feira o PPS anunciou a adesão à candidatura de Serra.

Antes desta união, o PMDB tentou uma aliança com o PT, mas exigia indicar o vice. A exigência esbarrou na prefeita Marta Suplicy, que insistiu em um vice do PT.

Um integrante do PMDB afirmou antes do anúncio que a gota d'água para a decisão de se unir a outro partido que não o PT foram críticas da prefeita ao partido no programa "Roda Viva" da TV Cultura na segunda-feira. Segundo ele, a cúpula do PMDB discutiu as declarações na madrugada de segunda para terça-feira, quando foi tomada a decisão.

FEDERAL

Mesmo compondo a base, Erundina afirmou que as críticas à administração federal serão inevitáveis.

"É impossível não se referir às causas estruturais dos problemas locais", afirmou, exemplificando com o crescimento do desemprego, da marginalidade, da pobreza e da violência. Chamou o modelo econômico de "equivocado", "com efeitos sociais perversos" e disse que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva repete a política econômica do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (1995-2002).

Mas alertou que o tom federal estará mais presente nas campanhas de Marta e Serra porque "eles estão disputando projetos futuros para governador e presidente".

Temer também não se furtou ao tema. "Ambos os partidos (PMDB e PSB) apóiam o governo, mas não apóiam tudo. O PMDB e o PSB têm projeto de poder."

Mais cedo, um impasse em torno da coligação na disputa para a Câmara Municipal atrasou o anúncio da nova chapa. Pouco depois, a aliança se concretizou como queria o PMDB, envolvendo a eleição a prefeito e de vereadores.

Os dois partidos divulgaram documento com oito pontos programáticos, entre eles a justiça tributária. "A administração deverá dar um basta à política de onerar a população com a criação de taxas e impostos", diz o texto, em alusão aos impostos criados pela administração de Marta.

ÍNDICE DE ÚLTIMAS NOTÍCIAS  IMPRIMIR  ENVIE POR E-MAIL

UOL Mídia Global
Brasil mancha conquistas na energia com atraso na exploração do gás natural
Folha Online Mundo
Ministro de Aviação renuncia após acidente aéreo na Índia
UOL News
Silêncio marca início de três dias de luto oficial na China