UOL Últimas NotíciasUOL Últimas Notícias
UOL BUSCA


Política

05/04/2006 - 20h44
João Paulo Cunha é absolvido pela Câmara

Da Redação
Em São Paulo

O deputado João Paulo Cunha (PT-SP) escapou da cassação. A Câmara rejeitou nesta quarta-feira (5/4) o relatório do deputado César Schirmer (PMDB-RS), relator do processo de cassação do petista. Foram 256 votos contra o relatório, que pedia a cassação, e 209 a favor, com 9 abstenções, 2 votos nulos e 7 em branco, num total de 483 deputados votantes.

Lula Marques/Folha Imagem - 05.abr.2006 
João Paulo defende-se do relatório de Schirmer antes da votação no plenário da Câmara
Com o resultado, o processo será arquivado, e o petista mantém seu mandato de deputado federal. São necessários 257 votos favoráveis à cassação para que um deputado perca o mandato.

João Paulo Cunha é o oitavo parlamentar acusado de envolvimento no suposto "mensalão" que escapa de cassação. Antes dele, foram absolvidos João Magno e Professor Luizinho, do PT; Pedro Henry e Sandro Mabel, do PP; Roberto Brant, do PFL; Romeu Queiroz, do PTB, e Wanderval Santos, do PL.

O ex-presidente da Câmara foi acusado de envolvimento com o esquema de Marcos Valério. Sua mulher sacou R$ 50 mil de uma conta da SMPB, empresa de Valério, no Banco Rural, em Brasília. O deputado apresentou versões diferentes para justificar o saque. O relatório de Schirmer também apontou que, sob João Paulo, a Câmara firmou contratos irregulares com a SMPB.

Durante a leitura do relatório, Schirmer enumerou as irregularidades que atribuiu ao petista. O ex-presidente da Câmara usou os 50 minutos de sua defesa para negar que tenha cometido ilegalidades, sem o mesmo detalhamento que o relatório de Schirmer apresentou sobre os fatos.

Schirmer sustentou que os R$ 50 mil sacados pela mulher de João Paulo são apenas uma de várias evidências do envolvimento do petista com a SMPB, agência do empresário Marcos Valério.

O ralator afirmou que João Paulo Cunha encomendou à SMPB pesquisas eleitorais em Osasco, seu reduto eleitoral. O pagamento à agência de Valério teria sido feito pela Câmara.

Em sua defesa, João Paulo Cunha afirmou que os contratos com a SMPB foram legais e ajudaram a melhorar a imagem da Câmara. Além disso, sua defesa foi marcada por citações. Entre os citados por João Paulo, estão Raul Seixas, Padre Antonio Vieira e Aristóteles.

No início de sua defesa, João Paulo citou canção de Raul Seixas ao dizer que buscou coragem na figura paterna. O petista admitiu que cogitou renunciar ao seu mandato de deputado federal. Pouco depois, o petista citou o Padre Antonio Vieira: "A dor faz gritar, mas, se for muito forte, ela silencia", dise o ex-presidente da Câmara.

João Paulo Cunha criticou a atação da imprensa, de quem se disse vítima. "Lutar contra o poder da mídia é uma tarefa ingrata. Terei de carregar para sempre o rótulo de mensaleiro".

O petista usou os filósofos gregos para refletir sobre como foi tratado pela mídia. Disse que Sócrates e Aristóteles também teriam sido vítimas da opinião pública. "A opinião pública nem sempre acerta".

ÍNDICE DE ÚLTIMAS NOTÍCIAS  IMPRIMIR  ENVIE POR E-MAIL

 ÚLTIMAS DA POLÍTICA
04/02/2009

12h22- PAC 2 anos: 93% compromissados e 53% pagos

12h21- Governo aumenta previsão de gastos do PAC em R$ 455 bilhões

03/02/2009

21h42- Balanço do segundo ano do PAC deverá ter anúncio de aumento nos investimentos

13h39- Dilma rejeita que PAC seja apenas marketing do governo

30/01/2009

11h10- Fortes diz que obras do PAC no Rio não terão cortes e serão agilizadas

09h09- Para especialista, PAC precisa ser repensado na área de saneamento

29/01/2009

17h06- Governo federal quer agilizar obras do PAC em cinco municípios fluminenses

19/01/2009

14h05- PAC da Segurança tem R$ 1,2 bilhão para 2009

16/01/2009

12h47- Paes vai a Brasília pedir inclusão de obras no PAC

15/01/2009

13h04- Prefeitura do Rio retoma obras do PAC nos Complexos de Manguinhos e do Alemão