UOL Últimas NotíciasUOL Últimas Notícias
UOL BUSCA


 

19/09/2006 - 12h05
Polícia de Londres nega acusações sobre morte de brasileiro

LONDRES (Reuters) - A polícia metropolitana de Londres rebateu na terça-feira as acusações relativas ao assassinato, no ano passado, do brasileiro Jean Charles de Menezes, e afirmou que o caso poderá ser usado como exemplo para o policiamento.

Os oficiais que atiraram no brasileiro de 27 anos de idade na estação de metrô de Stockwell, no sul de Londres, acreditando que se tratasse de um terrorista suicida, não serão indiciados.

Em vez do indiciamento criminal, a força policial de Londres será processada dentro de uma legislação que costuma ser usada para resolver incidentes de trabalho.

A família de Jean Charles criticou a alegação de inocência, mas disse que ela já era esperada. "Nossa esperança era receber uma admissão de culpa em vez de fazer o caso se arrastar entre um ano e meio e dois anos, fazendo a família sofrer", disse Asad Rehman, representante dos parentes.

Ele disse à Reuters na terça-feira que a família ainda pretende receber informações sobre como o brasileiro morreu, e está pensando na possibilidade de entrar na Justiça para questionar por que os oficiais envolvidos não serão criminalmente processados.

No tribunal da cidade de Westminster, os advogados do Serviço Metropolitano de Polícia (MPS, na sigla em inglês) entraram formalmente com uma petição de inocência para a acusação feita sob a Lei de Saúde e Segurança no Trabalho, de 1974. A audiência preliminar do caso está marcada para o dia 16 de janeiro de 2007.

"Esse indiciamento se baseia nas ações e decisões de oficiais isolados, nas circunstâncias extraordinariamente difíceis de 22 de julho de 2005", acrescentou em nota, o MPS mais tarde.

"Não foram atos criminosos de nossos oficiais e eles contam com o apoio do MPS. Há provas convincentes para defender esse caso", afirmou.

"Encaramos o caso como um exemplo não apenas para o policiamento em Londres, mas para o serviço policial de todo o país. Também tem implicações para o público em geral, já que diz respeito à capacidade do corpo policial de proteger o público quando da realização de operações armadas", disse.

"Também questionamos muito se a legislação de saúde e segurança ... é o 'veículo' correto para avaliar as ações de um serviço de emergência em relação a decisões durante operações policiais antiterroristas rápidas e arriscadas."

Jean Charles de Menezes recebeu vários tiros na cabeça depois de entrar num trem do metrô londrino.

Duas semanas antes, quatro suicidas haviam explodido bombas em trens do metrô e em um ônibus de Londres, matando 52 pessoas. A polícia disse que um ataque semelhante, na véspera da morte de Menezes, só fracassou porque as bombas falharam.

O Serviço de Promotoria da Coroa disse em julho que não havia provas suficientes para a condenação de algum oficial envolvido na morte do brasileiro. Mas afirmou que os "erros operacionais" representavam violações sob a Lei de Saúde e Segurança.

O chefe da polícia londrina, Ian Blair, sofreu muitas críticas pelo episódio e foi pressionado a renunciar, o que não aconteceu.

ÍNDICE DE ÚLTIMAS NOTÍCIAS   IMPRIMIR   ENVIE POR E-MAIL

Folha Online
Reforma visual da Folha facilita a leitura; conheça as mudanças
UOL Esporte
Após fiasco de público, CBF reduz preços de ingressos para partida
UOL Economia
Bovespa reduz ritmo de perdas
perto do fim dos negócios

UOL Tecnologia
Fãs do iPhone promovem encontro no Brasil; veja mais
UOL Notícias
Chuvas deixam quatro mortos e afetam mais de 4 mil no Paraná
UOL Vestibular
Cotista tem nota parecida com de não-cotista aponta Unifesp
UOL Televisão
Nova novela da Record terá máfia e Gabriel Braga Nunes como protagonista
UOL Música
Radiohead entra em estúdio para trabalhar em disco novo
UOL Diversão & Arte
Escritor indiano Aravind Adiga ganha o Booker Prize
UOL Cinema
Novo filme dos irmãos
Coen tem maior bilheteria nos EUA