UOL Últimas NotíciasUOL Últimas Notícias
UOL BUSCA


 Internacional

18/10/2006 - 21h58
CORREÇÃO OFICIAL-Imigrantes pobres nos EUA mandam mais remessas

(Corrige informação em material divulgado pelo BID anteriormente. Os imigrantes devem mandar 45 bilhões de dólares em remessas em 2006, e não no ano passado)

WASHINGTON (Reuters) - Os imigrantes de baixa renda que vivem nos Estados Unidos são os que mais dinheiro mandam às suas famílias na América Latina, afirmou nesta quarta-feira o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

Um estudo feito com mais de 2.500 imigrantes adultos indicou que mais de três quintos dos que fazem remessas às suas famílias podem ser considerados pertencentes à "classe trabalhadora pobre" ou "classe média baixa", com rendimentos anuais inferiores a 30 mil dólares, segundo o BID.

O estudo também mostrou que a média de idade dos imigrantes que ajudam os familiares caiu nos últimos cinco anos. Entre eles, 54 por cento têm menos de 35 anos, contra uma parcela de 49 por cento num relatório publicado pelo banco em 2004.

"Os mexicanos e centro-americanos que mandam remessas regularmente são significativamente mais jovens que outros latino-americanos", disse o BID no documento, acrescentando que quase 60 por cento deles têm menos de 35 anos.

A pesquisa mostrou que a maioria dos imigrantes latino-americanos, legais ou ilegais, encontra trabalho em poucas semanas nos EUA. "A metade dos imigrantes encontrou trabalho nos Estados Unidos em um mês ou menos", afirmou o relatório.

A maioria dos imigrantes estava desempregada ao deixar seu país de origem, indicou a pesquisa. Os que tinham emprego ganhavam em média 150 dólares por mês, passando a ganhar seis vezes mais nos EUA (900 dólares).

O estudo do BID afirma ainda que 12,6 milhões de imigrantes latino-americanos nos EUA devem enviar um total de 45 bilhões de dólares em remessas às suas famílias em 2006.

O percentual de imigrantes que mandou dinheiro regularmente à família cresceu de 61 por cento em 2004 para 73 por cento em 2006. O valor médio das remessas também subiu, disse o BID, de 240 dólares para 300 dólares.

A maioria dos imigrantes, ou 61 por cento deles, mandou dinheiro pelo menos uma vez por mês, disse o BID.

Os imigrantes que enviam mais dinheiro estão concentrados nos tradicionais destinos para os hispânicos. A Califórnia encabeça a lista, com 13,191 bilhões de dólares enviados, seguida pelo Texas (5,222 bilhões de dólares) e Nova York (3,714 bilhões de dólares).

A pesquisa foi feita em espanhol com 2.511 imigrantes, entre 3 e 25 de maio deste ano. A margem de erro, segundo o BID, é de dois pontos percentuais.

ÍNDICE DE ÚLTIMAS NOTÍCIAS  IMPRIMIR  ENVIE POR E-MAIL

Folha Online
Reforma visual da Folha facilita a leitura; conheça as mudanças
UOL Esporte
Após fiasco de público, CBF reduz preços de ingressos para partida
UOL Economia
Bovespa reduz ritmo de perdas
perto do fim dos negócios

UOL Tecnologia
Fãs do iPhone promovem encontro no Brasil; veja mais
UOL Notícias
Chuvas deixam quatro mortos e afetam mais de 4 mil no Paraná
UOL Vestibular
Cotista tem nota parecida com de não-cotista aponta Unifesp
UOL Televisão
Nova novela da Record terá máfia e Gabriel Braga Nunes como protagonista
UOL Música
Radiohead entra em estúdio para trabalhar em disco novo
UOL Diversão & Arte
Escritor indiano Aravind Adiga ganha o Booker Prize
UOL Cinema
Novo filme dos irmãos
Coen tem maior bilheteria nos EUA