UOL Últimas NotíciasUOL Últimas Notícias
UOL BUSCA


 Internacional

28/05/2007 - 08h38
Canal crítico ao governo venezuelano sai do ar

Por Brian Ellsworth e Christian Oliver
Reuters
Em Caracas

"NÓS VOLTAREMOS EM BREVE", PROMETE DIRETOR DA REDE
EFE
"Jamais percam a esperança, nos veremos em breve", foram as palavras finais de Eladio Lares, diretor da Rádio Caracas Televisão (RCTV), enquanto os funcionários choravam desconsolados.
LEIA MAIS
UNIVERSITÁRIOS PROTESTAM
DESPEDIDA: PROTESTOS E DOR

A Venezuela fechou nesta segunda-feira um canal de TV da oposição, que agora foi substituído por uma emissora de promoção da chamada revolução socialista do presidente Hugo Chávez.

Chávez vem há muito tempo lutando com canais de oposição, os quais chama de "cavaleiros do apocalipse" por terem apoiado um golpe contra ele em 2002.

Críticos do presidente dizem que o fechamento da RCTV prejudicará a liberdade de expressão no país.

"Isso expôs a natureza abusiva, arbitrária e autocrática do governo de Chávez, um governo que teme o livre pensamento, que teme opinião e críticas", disse Marcel Granier, diretor da RCTV, a emissora mais antiga do país.

O fechamento do canal expôs a forte divisão política da Venezuela. Milhares de simpatizantes de Chávez fizeram festa nas ruas e manifestantes da oposição enfrentaram a polícia, gritando frases contra o governo.

Em um programa de despedida, a equipe da RCTV lotou um estúdio e rezou.

"Não percam a esperança. Nos veremos em breve", disse o apresentador Nelson Bustamante aos telespectadores.

Vinte minutos depois que a RCTV foi tirada do ar, o canal estatal começou suas transmissões, com o hino nacional conduzido por Gustavo Dudamel, venezuelano de 26 anos nomeado diretor musical da Filarmônica de Los Angeles.

A programação começou com um concerto de melodias tradicionais, intercaladas com filmes do governo. O canal planejava exibir também um filme sobre Simon Bolívar, comandante do século 19 que é o herói de Chávez.

O fechamento foi condenado pelo Senado dos Estados Unidos e pelo Parlamento Europeu, mas simpatizantes de Chávez justificam a medida criticando a ética jornalística do canal.

A RCTV passou filmes e desenhos animados quando a onda virou a favor de Chávez no golpe de 2002 e recusou-se a mostrar a multidão de simpatizantes do presidente em atos contra os líderes do golpe.

A empresa de pesquisa Datanalisis mostrou que quase 70 por cento dos venezuelanos são contra o fechamento, mas a maioria citou a perda das novelas favoritas como motivo, e não preocupações com a limitação da liberdade de expressão.

ÍNDICE DE ÚLTIMAS NOTÍCIAS  IMPRIMIR  ENVIE POR E-MAIL

Folha Online
Reforma visual da Folha facilita a leitura; conheça as mudanças
UOL Esporte
Após fiasco de público, CBF reduz preços de ingressos para partida
UOL Economia
Bovespa reduz ritmo de perdas
perto do fim dos negócios

UOL Tecnologia
Fãs do iPhone promovem encontro no Brasil; veja mais
UOL Notícias
Chuvas deixam quatro mortos e afetam mais de 4 mil no Paraná
UOL Vestibular
Cotista tem nota parecida com de não-cotista aponta Unifesp
UOL Televisão
Nova novela da Record terá máfia e Gabriel Braga Nunes como protagonista
UOL Música
Radiohead entra em estúdio para trabalhar em disco novo
UOL Diversão & Arte
Escritor indiano Aravind Adiga ganha o Booker Prize
UOL Cinema
Novo filme dos irmãos
Coen tem maior bilheteria nos EUA