UOL Últimas NotíciasUOL Últimas Notícias
UOL BUSCA


 Internacional

24/06/2007 - 16h53
Haniyeh, do Hamas, promete não abrir mão do poder em Gaza

Por Nidal Al Mughrabi

GAZA (Reuters) - Ismail Haniyeh, primeiro ministro no governo liderado pelo Hamas e dissolvido neste mês pelo presidente Mahmoud Abbas, prometeu na segunda-feira que o isolamento não vai obrigar o grupo islâmico a abdicar do poder na Faixa de Gaza, seu principal reduto.

Haniyeh acusou Abbas, líder do grupo Fatah, de violar a lei palestina ao dissolver seu gabinete de coalizão e então nomear um governo de emergência na Cisjordânia, depois que o Hamas erradicou as forças de Abbas da Faixa de Gaza e assumiu o controle do território.

Em seu primeiro grande discurso desde o sucesso militar na Faixa de Gaza, há uma semana, Haniyeh disse que as ações de Abbas levaram à separação entre a Faixa de Gaza, governada pelo Hamas, e a Cisjordânia, território da Fatah.

Ao invés de enfraquecer o Hamas, disse Haniyeh, "a experiência prova que mais pressão sobre o Hamas e mais cerco só aumentam a força do Hamas".

O líder do grupo chamou de "suborno" a decisão israelense de liberar a arrecadação tributária palestina a Abbas, e afirmou que a "resistência" é a única forma de os palestinos avançarem -- sem o processo de paz com o Estado judeu, que Abbas defendeu.

Haniyeh acusou os Estados Unidos de darem dinheiro e armas às forças da Fatah para "depor o Hamas ou empurrá-lo a concessões políticas", e sugeriu que a ação contra as forças de Abbas na Faixa de Gaza foi defensiva.

"As armas e o dinheiro (para a Fatah) mostravam que as coisas estavam rumando para uma explosão pré-planejada", disse Haniyeh.

A Fatah argumenta que o Hamas aceita armas e dinheiro do Irã, algo que Haniyeh negou. "Não estamos sob a influência de ninguém", afirmou.

Os Estados Unidos e Israel tentam isolar o Hamas diplomática, econômica e militarmente em Gaza, ao mesmo tempo em que retoma a ajuda financeira ao governo de Abbas.

"A América não nos dará nada. A ocupação (Israel) não nos dará nada. Nossos direitos e terras só serão devolvidos para nós por meio da resolução e da resistência", declarou Haniyeh.

Israel aceitou no domingo transferir centenas de milhões de dólares ao governo de Abbas --parte dos impostos alfandegários que Israel arrecada em nome dos palestinos e que vinha retendo quando o Hamas controlava o governo.

A decisão é parte de um pacote pró-Abbas que Olmert deve anunciar numa cúpula na segunda-feira no Egito.

Haniyeh qualificou a liberação do dinheiro de "suborno financeiro" e "chantagem política" para "aprofundar a crise e as divisões" entre as facções.

"É nosso direito e nosso dinheiro. Este dinheiro deveria chegar a todo povo palestino", disse.

Mesmo assim, Haniyeh afirmou que "não há alternativa que não um diálogo na base da não-separação da pátria e do nosso povo".

ÍNDICE DE ÚLTIMAS NOTÍCIAS  IMPRIMIR  ENVIE POR E-MAIL

Folha Online
Reforma visual da Folha facilita a leitura; conheça as mudanças
UOL Esporte
Após fiasco de público, CBF reduz preços de ingressos para partida
UOL Economia
Bovespa reduz ritmo de perdas
perto do fim dos negócios

UOL Tecnologia
Fãs do iPhone promovem encontro no Brasil; veja mais
UOL Notícias
Chuvas deixam quatro mortos e afetam mais de 4 mil no Paraná
UOL Vestibular
Cotista tem nota parecida com de não-cotista aponta Unifesp
UOL Televisão
Nova novela da Record terá máfia e Gabriel Braga Nunes como protagonista
UOL Música
Radiohead entra em estúdio para trabalhar em disco novo
UOL Diversão & Arte
Escritor indiano Aravind Adiga ganha o Booker Prize
UOL Cinema
Novo filme dos irmãos
Coen tem maior bilheteria nos EUA