PUBLICIDADE
Topo

Homem de 91 anos é atingido por carro desgovernado no DF; veja vídeo

Jéssica Nascimento

Colaboração para o UOL, em Brasília

24/01/2020 13h25

Um idoso de 91 anos e mais três pessoas foram atingidas por um carro desgovernado anteontem na região do Gama, no Distrito Federal. As câmeras segurança do comércio ao lado mostram quando José Henrique Lima (de azul) é arremessado contra a parede e cai no chão.

O caso é investigado pela 14ª Delegacia de Polícia, localizada no Gama. As imagens mostram as vítimas comendo em uma lanchonete, quando o veículo invade o local. O impacto da batida foi tão forte que o banco de concreto que fica em frente ao comércio ficou destruído.

José Henrique Lima trabalhava consertando relógios, em uma loja atrás da lanchonete. Ele foi socorrido pelo Corpo de Bombeiros e encaminhado para o Hospital Regional do Gama. Ele quebrou o pé, passou por cirurgia e está internado.

Dona da lanchonete, Isabel Gonçalves, de 68 anos, também ficou machucada. Ela conta que quem dirigia o veículo, de modelo automático, era uma mulher. A motorista estava tentando estacionar o carro e teria se confundido com os pedais de acelerador e freio.

Dona da lanchonete, Isabel Gonçalves, de 68 anos, também ficou machucada - Jessica Nascimento/UOL
Dona da lanchonete, Isabel Gonçalves, de 68 anos, também ficou machucada
Imagem: Jessica Nascimento/UOL

"Ela nem pediu desculpas. Estou toda roxa, porque tentei fugir. Sabe qual o pior? Estou com catarata e quase ficando cega. Tinha cirurgia marcada e agora, minha pressão subiu e não desce desde a batida. Além disso, tive que pagar para arrumar a entrada da minha lanchonete. Essa mulher precisa responder pelo que fez", disse.

Motorista é reincidente, dizem testemunhas

Outros dois homens que aparecem no vídeo também trabalham no comércio. Um deles ficou ferido com o impacto da queda do idoso e precisou ser atendido pelo Corpo de Bombeiros. Eles não quiseram se identificar, mas disseram que é a segunda vez que a mulher invade o comércio com o veículo.

"Da outra vez, ela destruiu a calçada da lotérica. Pagou os custos da reforma, tudo certinho. Mas, desta vez, ela quase nos matou. O seu José só não morreu porque meu cunhado amorteceu o impacto. Essa motorista não pode mais pegar um carro. É uma arma na mão dela", declarou o comerciante.

Cotidiano