PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Vídeo mostra militar com sinais de embriaguez antes de atropelar ciclista

Marcela Lemos

Colaboração para o UOL, no Rio de Janeiro

12/01/2021 09h11Atualizada em 12/01/2021 14h05

Imagens feitas em um posto de gasolina próximo ao local onde o ciclista Cláudio Leite, 57 anos, morreu atropelado ontem mostram o capitão dos bombeiros João Maurício Passos com sinais de embriaguez. O motorista do carro aparece nas imagens com uma garrafa de uísque na mão, outra de vodka e um copo. Ele apresenta dificuldade para andar.

O militar foi preso em flagrante na manhã de ontem, após fugir do local do crime sem prestar socorro. Passos vai responder por homicídio doloso, fuga do local do acidente e embriaguez. À polícia, ele alegou que estava comprando energético no posto de combustível.

"Ele disse que estava trafegando e acabou batendo e que não lembra detalhes. Ele confessou que estava dirigindo e disse que estava comprando um energético [no posto de gasolina]", disse o delegado Alan Luxardo ao UOL na manhã de hoje.

"O exame que foi feito nele foi um exame clínico, ou seja visual. Esse deu negativo [para alcoolemia], pois a prisão do militar foi feita cinco horas após o acidente. Porém há imagens com forte valor probatório que mostram que ele não tinha condições para dirigir e por isso foi indiciado", acrescentou.

O caso ocorreu ontem, por volta de 5h, na avenida Lúcio Costa, no Recreio dos Bandeirantes, na zona oeste do Rio. Imagens de câmeras de segurança dos condomínios da região mostram o momento que carro atinge o ciclista. Ainda estava escuro quando o veículo passa pela rua em alta velocidade.

Após atingir o ciclista, João Maurício tentou sair com o carro do local, mas não conseguiu e fugiu a pé. Ele foi preso quando saía da casa de um amigo no mesmo bairro na zona oeste do Rio.

Ficha criminal

Segundo a Polícia Civil, o capitão dos Bombeiros possui outros registros criminais. Ele chegou a ser preso em janeiro após ser indiciado por lesão corporal, ameaça e ser enquadrado na Lei Maria da Penha. No entanto, Bastos foi solto no dia seguinte.

No dia 5 de janeiro, a mulher do militar contou à polícia que ficou paraplégica após o marido provocar um acidente de trânsito - ele estaria bêbado na ocasião.

Ela relatou também ter sido agredida e ouvido que do marido que "queria arranjar uma mulher de verdade, que ela não era mulher para ele".

O Hyundai HB20 que o bombeiro dirigia não poderia estar circulando pelas ruas. O carro estava irregular havia dois anos. O último licenciamento do automóvel é de 2018.

Vítima tinha paixão pelo pedal

De acordo com amigos do ciclista, Cláudio pedalava havia quatro anos. O ciclista começou a pedalar após recomendação médica sobre a prática de exercícios. Ele era taxista aposentado e era apaixonado por ciclismo.

Cotidiano