Informações sobre o álbums
  • editoria:
  • galeria:
  • link: http://noticias.uol.com.br/saude/album/2012/10/22/maconha-vicia-veja-mitos-e-verdades-sobre-drogas.htm
  • totalImagens: 24
  • fotoInicial: 23
  • imagePath:
  • baixaResolucao: 0
  • ordem: ASC
  • legendaPos:
  • timestamp: 20121022152701
    • Bem-Estar [12397]; bem-estar/mito ou verdade [61603];
Fotos
Maconha causa infertilidade? Parcialmente verdade: pesquisas em laboratório mostraram que a maconha pode levar a uma queda na quantidade de espermatozoides e fazer com que eles se locomovam de maneira um pouco diferente, mais lentamente. "Na vida real, porém, não há nada comprovando que isso cause infertilidade entre os usuários", explica o psiquiatra do Hospital da Clínicas de São Paulo Ivan Mario Braun, autor do livro "Drogas - perguntas e respostas" Getty Images Mais
Maconha pode combater outros vícios, como do crack e da cocaína. PARCIALMENTE VERDADE: embora existam algumas experiências e até pesquisas científicas apontando nesse sentido, usar a maconha para se livrar de outros vícios é contestável sob o ponto de vista médico, diz o psiquiatra Ivan Mario Braun. ?Existem outros tratamentos melhores, mais aceitos. Não faz sentido você passar de uma droga para outra. Apesar de muitas pessoas a considerarem ?leve?, esse é um conceito equivocado. A verdade é que o consumo de maconha é extremamente prejudicial à saúde?, afirma David McNews/ Getty Images/ AFP Mais
Maconha pode causar câncer e problemas do coração? VERDADE: a maconha possuiu substâncias cancerígenas semelhantes às presentes no tabaco, muitas delas numa concentração bem superior às do cigarro. "A questão fica menos importante na maconha porque algumas pessoas chegam a fumar um maço de cigarro por dia, mas ninguém fuma tantos baseados", explica o psiquiatra Ivan Mario Braun. Segundo o médico, outro efeito que aproxima a maconha do cigarro é, a longo prazo, provocar prejuízos ao sistema cardiovascular. Quem já tem alguma doença do coração corre ainda mais riscos, pois no momento do consumo a maconha acelera os batimentos Shutterstock Mais
Todo remédio tarja preta vicia? VERDADE: são identificados com uma tarja preta na embalagem os remédios benzodiazepínicos, como Rivotril, Lexotam, Diazepan, Frontal, Valium e Dormonid, que têm potencial para causar dependência, além de prejudicar a memória e estarem relacionados a quedas em idosos. Portanto, sua venda é controlada e a receita fica retida na farmácia. Mas isso não significa que os demais medicamentos sejam seguros. "As anfetaminas causam muito mais dependência e não são 'tarja preta'. E há ainda outras substâncias perigosas. O zolpidem, por exemplo, tem mecanismo de ação muito semelhante aos benzodiazepínicos, mas é vendido com receita normal", afirma o psiquiatra Ivan Mario Braun Ricardo Gomes Mais
Jovens são a parcela da população que mais consome drogas? VERDADE: estudos epidemiológicos mostram que o consumo de drogas ilícitas é mais elevado entre a população de até 24 anos. Para algumas drogas específicas, porém, a distribuição é diferente. "No caso das anfetaminas, por exemplo, o maior consumo é entre mulheres na faixa dos 40 anos. Já o consumo de álcool é distribuído por todas as faixas etárias", afirma o psiquiatra Dartiu Xavier da Silveira, coordenador do Proad (Programa de Orientação e Atendimento a Dependentes) da Unifesp AFP Mais
Crack é uma droga usada somente pelos pobres? MITO: o psiquiatra Dartiu Xavier da Silveira, coordenador do Proad (Programa de Orientação e Atendimento a Dependentes), da Unifesp, explica que o crack, por ser realmente muito barato, é a única opção de consumo para a parcela mais pobre. Porém, ele garante que há entre os usuários do crack uma parcela que é de classe média e alta Hélio Hilário/Folhapress Mais
Crack leva à degradação completa? MITO: as imagens das cracolândias por todo o país dão a impressão de que o crack sempre leva ao extremo da degradação, que o viciado acaba como indigente, o que não é verdade para todos os usuários. "Nem todo mundo vai por esse caminho, tem gente que consegue manter o uso e ter uma vida produtiva", garante o psiquiatra Dartiu Xavier da Silveira, coordenador do Proad (Programa de Orientação e Atendimento a Dependentes) da Unifesp Paulo Whitaker/Reuters Brazil Mais
O ecstasy é uma droga leve que não causa dependência? MITO: embora reconheçam que o ecstasy está entre as drogas com o menor potencial de causar dependência, os especialistas evitam classificar a droga como 'leve' por causas dos riscos à saúde que provoca. "Mas de fato ela é muito usada de maneira eventual, 'recreacional', em festas, e no restante do tempo o usuário leva uma vida normal", diz o psiquiatra Dartiu Xavier da Silveira, coordenador do Proad (Programa de Orientação e Atendimento a Dependentes), da Unifesp Fábio Braga/Folha Imagem Mais
Consumir cocaína na forma injetável vicia mais fácil? VERDADE: embora a substância seja a mesma, a forma aspirável da cocaína causa menos dependência, ou, ao menos, demora mais para viciar, explica o o psiquiatra Dartiu Xavier da Silveira, da Unifesp: "Na forma injetável a concentração da droga no sangue sobe rapidamente. E sempre que o 'pico' de ação da droga é maior, maior o risco de dependência" Thinkstock Mais
Remédios como clonazepam cortam o efeito de cocaína e do ecstasy? VERDADE: a combinação, no entanto, é extremamente perigosa, alerta o o psiquiatra Dartiu Xavier da Silveira, da Unifesp. "Também é bem frequente as pessoas associarem a cocaína e o álcool, uma droga que excita, outra que deprime, fazendo um ciclo", diz. O perigo deve-se a duas razões: ao juntar duas drogas, formam-se novas moléculas no corpo, que podem ser ainda mais agressivas; a quantidade consumida das drogas acaba sendo maior. "Beber muito dá sono. Mas em vez de ir dormir, e parar de beber, a pessoa usa cocaína e logo fica com vontade de beber mais", diz Silveira Shutterstock Mais
Anfetamínicos ajudam a perder peso? VERDADE: essas drogas, no entanto, só devem ser usadas para emagrecer sob rigorosa orientação médica e nutricional, porque têm alto potencial de causar dependência, alerta o psiquiatra Dartiu Xavier da Silveira, coordenador do Proad (Programa de Orientação e Atendimento a Dependentes) da Unifesp Thinkstock Mais
Álcool é droga que mais mata no mundo? VERDADE: no mundo e no Brasil, o álcool é a droga com maior índice de mortalidade e de morbidade, ou seja, de incapacitação do usuário. "O álcool é fator de risco para uma série de doenças. Embora muitas drogas levem à morte, em termos de saúde pública o álcool é a mais grave porque o consumo é elevado", afirma a psiquiatra Camila Magalhães, do Grupo de Estudos de Álcool e Drogas do Hospital da Clínicas da USP. Segundo a médica, cerca de 80% da população consome álcool; o número de usuários de drogas ilícitas gira em torno de 1%, com exceção da maconha, que fica por volta de 7% Eduardo Knapp/Folha Imagem Mais
A tendência ao alcoolismo é hereditária? VERDADE: estima-se que 40% do risco de uma pessoa ter problemas de alcoolismo pode ser explicado por questões genéticas, afirma a psiquiatra Camila Magalhães, do Grupo de Estudos de Álcool e Drogas do Hospital da Clínicas da USP. "É um fator relevante para o abuso e dependência tanto de forma direta, de haver certos genes ligados ao problema, quanto indireta, ou seja, traços de personalidade que predispõe ao vício", diz. Também exercem influência fatores ambientais, como a idade em que se iniciou o consumo (quanto mais jovem, maior o risco da dependência) e o padrão de consumo Thinkstock Mais
O álcool aumenta o efeito dos calmantes/ansiolíticos? VERDADE: álcool e calmantes são dois tipos de drogas que atuam no cérebro como depressores do sistema nervoso central e, por isso mesmo, jamais devem ser usados juntos, alerta a psiquiatra Camila Magalhães, do Grupo de Estudos de Álcool e Drogas do Hospital da Clínicas da USP. "Eles estimulam um neurotransmissor que inibe as funções cerebrais. Usados juntos, há uma potencialização do efeito, aumenta-se o poder de sedação e isso pode levar até a uma parada cardiorrespiratória", afirma Thinkstock Mais
Ansiolíticos ajudam quem sofre de insônia? PARCIALMENTE VERDADE: segundo a psiquiatra Camila Magalhães, do Grupo de Estudos de Álcool e Drogas do Hospital s Clínicas da USP, a insônia é um sintoma secundário de outros problemas, como uma depressão, por exemplo. Mas ela também pode ser provocada por azia, apneia do sono, entre outros fatores. "Se houver de fato uma depressão, deve se tratar a causa. Nesses casos, os remédios podem ser úteis. Mas devem ser prescritos por um médico, para serem usados na dose e por um período seguros", explica a médica Shutterstock Mais
Tomar anfetaminas antes de provas melhora o desempenho intelectual? MITO: embora a natureza do medicamento seja estimular o sistema nervoso central, nem sempre o resultado é a melhora no poder de estudo e concentração. "É perigoso porque você não sabe que reações seu organismo pode ter: pode trazer angústia, ansiedade, dar brancos. Por não ter sido um estudo gradual, alguém que passou a noite estudando à base de anfetaminas pode chegar esgotado na hora da prova", alerta a psiquiatra Camila Magalhães, do Grupo de Estudos de Álcool e Drogas do Hospital da Clínicas da USP. A médica diz ainda que anfetaminas prejudicam a memória e a capacidade assimilação: "A melhor forma é sempre se organizar e estudar de forma gradual" André Durão/UOL Mais
O ecstasy tem efeito afrodisíaco? PARCIALMENTE VERDADE: O consumo do ecstasy leva a uma grande liberação de serotonina, o que provoca grande prazer em tudo o que o usuário estiver fazendo. "O indivíduo tem uma sensação de bem-estar generalizada; sente muito prazer por estar dançando, por exemplo. Isso também o deixa mais sexualizado, de forma indireta", explica a psiquiatra Camila Magalhães, do Grupo de Estudos de Álcool e Drogas do Hospital da Clínicas da USP. O problema da droga é que, além do prazer, pode provocar hipertermia, taquicardia e ataques de pânico. Em geral, 48 horas depois o usuário sente depressão, porque a droga esgota o estoque de serotonina no cérebro Almeida Rocha/Folha Imagem Mais
Consumo "recreativo" de drogas não traz prejuízos a longo prazo? PARCIALMENTE VERDADE: os prejuízos vão depender do tipo de droga e de quão eventual é esse consumo "recreativo". "É muito tênue o limite entre o 'recreativo' e o vício. Além disso, mesmo o consumo eventual pode provocar acidentes e levar ao sexo desprotegido", afirma a psiquiatra Camila Magalhães, do Grupo de Estudos de Álcool e Drogas do Hospital da Clínicas da USP. Também é preciso levar em conta que cocaína, heroína e crack viciam com facilidade e, portanto, é difícil manter um consumo apenas "recreativo" Paulo Whitaker/Reuters Mais
Há diferenças entre dependência física e emocional? PARCIALMENTE VERDADE: essa diferenciação, antes muito usada por médicos, caiu um pouco em desuso. "Não importa se é física ou mental, usamos a palavra dependência segundo os critérios da Organização Mundial da Saúde", diz Camila Magalhães, do Grupo de Estudos de Álcool e Drogas do Hospital das Clínicas da USP. Entre os critérios para classificar alguém como dependente estão a compulsão para o uso, o aumento da tolerância (precisa usar doses maiores para obter o mesmo efeito) e a síndrome de abstinência (ansiedade quando o uso é reduzido ou cessado) Thinkstock Mais
Fumar cigarro é pior para a saúde que maconha? VERDADE: claro que os efeitos vão depender dos hábitos de consumo, mas, de forma geral, o cigarro é pior porque tem um número muito mais elevado de substâncias tóxicas, afirma Thiago Marques Fidalgo, psiquiatra do Hospital A.C.Camargo: "Essas substâncias do cigarro causam alto índice de câncer nas vias aéreas e provocam um forte vício". Além disso, há quem fume mais de um maço de cigarro por dia, quantidade difícil de ser consumida por um usuário de maconha Shutterstock Mais
Cigarro é o vício mais difícil de ser abandonado? PARCIALMENTE VERDADE: embora não seja possível afirmar qual é o vício mais complicado de ser encerrado, pesquisas apontam que o cigarro está de fato entre os piores. "Está classificado no mesmo patamar do crack e da heroína como drogas com maior potencial de causar dependência", afirma Thiago Marques Fidalgo, psiquiatra do Hospital A.C.Camargo. Segundo explica o médico, o nível de dependência está ligado ao prazer que a droga causa no cérebro e o tempo que dura esse prazer, chamado meia vida. Quanto maior o prazer e menor a duração, maior potencial de gerar dependência. "A meia vida do cigarro é de 30 a 60 minutos. A de um copo de cachaça é de até 8 horas", diz o médico AFP/Geoff Robins Mais
Fumar provoca câncer; álcool não? MITO: "O álcool é o segundo fator de risco modificável para cânceres, só fica atrás do cigarro", alerta Thiago Marques Fidalgo, psiquiatra do Hospital A.C.Camargo. Os fatores "modificáveis" são os que advêm dos hábitos das pessoas; os demais são fatores genéticos. "O perigo do cigarro é muito divulgado, mas os efeitos tóxicos do álcool podem provocar câncer por onde ele passa: boca, pescoço, cordas vocais, esôfago, fígado, intestino", diz o médico. Quanto maior o consumo, maiores os riscos Shutterstock Mais
Maconha queima neurônio? PARCIALMENTE VERDADE: estudos comprovam que fumar maconha antes dos 15 anos de idade diminui o QI, mas essas mesmas pesquisas mostram que, após os 20 anos, a maconha não traz problemas cognitivos. "Essa diferença tem a ver com a maturação do cérebro, porque na adolescência ele ainda está terminando de se formar. Entre os 15 e os 20 anos é uma faixa nebulosa, onde não foi possível comprovar qual o impacto. Ainda assim, consideramos uma idade de risco", explica Thiago Marques Fidalgo, psiquiatra do Hospital A.C.Camargo Getty Images Mais
Maconha não vicia? MITO: apesar de ser uma droga com baixa incidência de dependência, ela tem sim potencial para viciar seus usuários. Estima-se que 10% dos que experimentam maconha acabem se tornando dependentes; o número para quem experimenta heroína chega a 90%. "Em geral, quem começa mais cedo tem mais risco de se tornar dependente, assim como de desenvolver quadros psicóticos, de alucinações e delírios", informa Thiago Marques Fidalgo, psiquiatra do Hospital A.C.Camargo Luiz Eduardo Noriega/EFE Mais

Veja mitos e verdades sobre drogas

Mais álbuns de Saúde x

ÚLTIMOS ÁLBUNS DE UOL SAÚDE



Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos