Operação Lava Jato

Informações sobre o álbums
  • editoria:
  • galeria:
  • link: http://noticias.uol.com.br/album/2014/12/04/veja-alguns-dos-maiores-escandalos-de-corrupcao-do-brasil.htm
  • totalImagens: 22
  • fotoInicial: 1
  • imagePath:
  • baixaResolucao: 0
  • ordem: ASC
  • legendaPos: direita
  • timestamp: 20141204060000
    • Corrupção [9154]; Política [28132]; Operação Lava Jato [74500];
Fotos

ESCÂNDALO DA MANDIOCA -- O QUE FOI: desvio de Cr$ 1,5 bilhão da agência do Banco do Brasil de Floresta (PE) destinado ao Programa de Incentivo Agrícola (Proagro), do governo federal. QUANDO: 1979 a 1981. DETALHES DO CASO: os envolvidos no esquema usaram o dinheiro desviado para comprar imóveis, automóveis e outros bens. O procurador da República Pedro Jorge de Melo, que lançou as denúncias, foi assassinado. QUE FIM LEVOU? Em 2013, 22 acusados tiveram penas aumentadas para 3 a 16 anos de prisão. Dois réus foram dispensados do julgamento por terem mais de 70 anos de idade. Ninguém foi preso porque ainda podiam entrar com recurso Getty Images Mais

COROA-BRASTEL -- O QUE FOI: Os ex-ministros Delfim Netto e Emane Galvêas foram acusados de desvio de recursos públicos ao liberarem empréstimo irregular da Caixa Econômica para Assis Paim Cunha (foto), dono do grupo Coroa-Brastel. QUANDO: 1981 a 1985. DETALHES DO CASO: Cunha foi acusado de emissão irregular de letras de câmbio sem lastro, causando um rombo no mercado financeiro de Cr$ 231 bilhões. QUE FIM LEVOU? Após julgamento em 1994, a denúncia contra Galvêas foi rejeitada. Delfim livrou-se porque a Câmara negou licença ao STF para processá-lo. Em 1998, Cunha pegou oito anos de prisão domiciliar; morreu em 2008. Os 34 mil investidores prejudicados não recuperaram o dinheiro Folha de S. Paulo - 2.out.98 Mais

CASO PC FARIAS -- O QUE FOI: Paulo César Farias (foto) era tido como chefe de esquemas de corrupção que levaram ao impeachment do então presidente Fernando Collor (1990 a 1992), movimentando contas no exterior que serviam a uma rede de propinas do governo federal. QUANDO: 1990 a 1992. DETALHES DO CASO: O ex-tesoureiro de Collor teria manipulado contratos ao indicar funcionários do governo para alterar documentos, criar contas fantasmas e desviar verbas, comprometendo US$ 1 bilhão. QUE FIM LEVOU? Collor renunciou em 1992. Em 1996, dias antes de depor em uma CPI que apurava o elo de empreiteiras com o governo, PC e a namorada Suzana Marcolino foram achados mortos. A justiça considerou crime passional, embora tenha se falado em queima de arquivo Jorge Araújo/Folhapress Mais

ANÕES DO ORÇAMENTO -- O QUE FOI: Deputados da Comissão de Orçamento do Congresso faziam emendas de lei remetendo dinheiro a entidades filantrópicas ligadas a parentes e cobravam propinas de empreiteiras para a inclusão de verbas em obras. QUANDO: 1993 e 1994. DETALHES DO CASO: O articulador do esquema era o deputado federal João Alves. O deputado baiano apostava na loteria para lavar o dinheiro ilegal. Outros membros do governo e representantes de empresas privadas estavam envolvidos. QUE FIM LEVOU? Ao todo, seis deputados tiveram seus mandatos cassados, quatro renunciaram e oito foram absolvidos Ailton de Freitas/Folhapress Mais

BANESTADO -- O QUE FOI: Investigações localizaram cerca de US$ 30 bilhões em 137 contas do Banestado operadas por doleiros em um esquema de evasão fiscal na gestão de Gustavo Franco à frente do Banco Central. QUANDO: 1996 a 1999. DETALHES DO CASO: O dinheiro saiu do país por meio de offshores --empresas montadas em paraísos fiscais-- nas contas CC5, com depósitos valores inferiores a R$ 10 mil sem identificar o depositante. Celso Pitta (foto), ex-prefeito de São Paulo, foi um dos indiciados. QUE FIM LEVOU? A CPI foi encerrada sem que fosse votado o relatório final do deputado José Mentor, que sugeriu o indiciamento de 91 pessoas. O doleiro Alberto Youssef pegou dois anos de prisão por corrupção ativa --na ocasião ele fez sua primeira delação premiada para redução de pena Ormuzd Alves/Folha Imagem e Folhapress Mais

DOSSIÊ CAYMAN -- O QUE FOI: Um documento falso que citava a existência de uma empresa em paraíso fiscal em nome de integrantes do PSDB, para envio ilegal de dinheiro. QUANDO: 1998. DETALHES DO CASO: O dossiê ligava o então presidente Fernando Henrique Cardoso, Mário Covas e os ministros José Serra e Sérgio Motta (foto) à empresa CHJ AIT, com uma conta de US$ 368 milhões no paraíso fiscal do Caribe. Cópias do dossiê teriam sido vendidos a políticos da oposição durante as eleições, como Paulo Maluf e Fernando Collor de Mello. QUE FIM LEVOU? O pastor Caio Fábio, apontado como responsável pelo falso dossiê, pegou quatro anos de prisão por calúnia Jorge Araújo/Folhapress - 17.ago.1994 Mais

MÁFIA DOS FISCAIS 1 E 2 -- O QUE FOI: Comerciantes de São Paulo que não pagassem propinas sofriam ameaças, como ter mercadorias apreendidas e projetos de obras embargados. O primeiro escândalo estourou em 1998, no governo Pitta. O segundo veio 10 anos depois. QUANDO: 1998 e 2008. DETALHES DO CASO: Na 'máfia 1', os fiscais pediam de R$ 700 a R$ 1.000 para emitir protocolos de permissão da atividade de ambulante na região da Lapa. Na 'máfia 2', funcionários da Subprefeitura de São Miguel Paulista faziam extorsão diária, de R$ 7 em média. QUE FIM LEVOU? O advogado e ex-vereador José Izar e seu irmão foram condenados a oito anos de prisão pela participação na 'máfia 1'. Em 2008, a Polícia Civil prendeu 11 supostos envolvidos no segundo caso Almeida Rocha/Folhapress Mais

NATAN DONADON -- O QUE FOI: Como diretor financeiro da Assembleia Legislativa de Rondônia, Natan Donadon foi denunciado pelo Ministério Público por desviar recursos da casa. Mais sete pessoas foram denunciadas. QUANDO: 1998. DETALHES DO CASO: O golpe se dava por meio de simulação de contrato de publicidade que deveria ser executado pela empresa MPJ Marketing Propaganda e Jornalismo Ltda. Cerca de R$ 8 milhões foram desviados. QUE FIM LEVOU? Em 2010, o STF condenou Donadon (já como deputado federal) a 13 anos e quatro meses de prisão por formação de quadrilha e peculato. Ele foi o primeiro parlamentar condenado à prisão desde a Constituição de 1988 Pedro Ladeira/Folhapress Mais

BANCO MARKA -- O QUE FOI: O Banco Central vendeu dólar mais barato ao Banco Marka e ao FonteCindam, o que causou prejuízo bilionário aos cofres públicos. QUANDO: 1999. DETALHES DO CASO: Após uma alta do dólar, o banco perdeu dinheiro por ter 20 vezes seu patrimônio aplicado no mercado futuro da moeda. Testemunhas alegaram que Salvatore Cacciola, dono do Marka, comprava informações privilegiadas do BC. QUE FIM LEVOU? Cacciola foi condenado a 13 anos de prisão, mas fugiu para a Itália em seguida. Em 2007, foi pego pela Interpol. O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro extinguiu sua pena em 2012. Francisco Lopes, ex-presidente do BC, pegou seis anos de prisão Marcelo Sayao/Efe Mais

LICITAÇÃO DO TRT-SP -- O QUE FOI: O Ministério Público e a CPI do Judiciário descobriram que, de R$ 231 milhões para a construção da nova sede do TRT em São Paulo, R$ 169 milhões foram desviados. QUANDO: 2000. DETALHES DO CASO: A investigação achou R$ 62 milhões nas contas do Grupo OK, do ex-senador Luiz Estevão (foto). O Juiz Nicolau dos Santos Neto, o "Lalau", teria recebido R$ 1 milhão para autorizar pagamentos irregulares à construtora do fórum. QUE FIM LEVOU? Preso e condenado em 2006, Luiz Estevão soma 31 anos de prisão e pagamento de multa. Nicolau foi preso na época, mas recebeu indulto por conta da idade e foi solto em 2014. Também foram condenados os empresários Fábio Monteiro de Barros, José Eduardo Ferraz e as empresas Incal e Monteiro de Barros Investimentos Sergio Lima/Folhapress Mais

VAMPIROS DA SAÚDE -- O QUE FOI: Empresários e funcionários do Ministério da Saúde realizaram compra superfaturada de medicamentos que atuam no processo de coagulação do sangue, os hemoderivados. QUANDO: 2004. DETALHES DO CASO: O Ministério Público e a Polícia Federal revelaram o caso. Segundo o MPF, houve violação do sigilo das propostas e combinação prévia dos preços ofertados. As empresas Octapharma, Fundação do Sangue e Baxter foram acusadas de firmarem acordo para dividir o mercado de hemoderivados entre as três. QUE FIM LEVOU? O MPF-DF ajuizou em 2008 ação de improbidade administrativa contra sete pessoas e três empresas envolvidas Getty Images Mais

MENSALÃO -- O QUE FOI: esquema de pagamento de propina a parlamentares para que votassem a favor de projetos do governo Lula. QUANDO: 2005. DETALHES DO CASO: Segundo o então presidente do PTB, Roberto Jefferson, congressistas aliados recebiam um "mensalão" de R$ 30 mil do então tesoureiro do PT, Delúbio Soares. Jefferson afirmou ainda que falou do esquema para o presidente Lula. José Dirceu, então ministro da Casa Civil, e integrantes da alta cúpula do PT seriam os líderes do mensalão. QUE FIM LEVOU? Em 2013, o STF condenou 25 dos 38 réus do processo, entre eles figurões do PT como José Dirceu, Delúbio, José Genoíno e João Paulo Cunha. Também foi preso o operador do esquema,Marcos Valério AFP Mais

OPERAÇÃO FAKTOR -- O QUE FOI: Fernando Sarney, filho de José Sarney, é apontado em crimes contra a ordem tributária e lavagem de dinheiro no Maranhão. QUANDO: 2006. DETALHES DO CASO: O Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) comunicou à Polícia Federal uma movimentação financeira suspeita nas contas de Fernando Sarney e sua mulher, e pediu a quebra de sigilo bancário, telefônico e fiscal dos acusados. QUE FIM LEVOU? O STJ (Superior Tribunal de Justiça) anulou em 2011 as provas obtidas no processo. O relator, ministro Sebastião Reis Júnior, disse que não houve indicação de elementos mínimos que justificassem a quebra dos sigilos João Sal/ Folha Imagem Mais

"RENANGATE" -- O QUE FOI: O então presidente do Senado, Renan Calheiros, foi acusado de crimes diversos como tráfico de influência, lavagem de dinheiro, formação de quadrilha, exploração de prestígio, sonegação fiscal e crimes de corrupção. QUANDO: 2007. DETALHES DO CASO: O escândalo começou com a revelação de que Renan recebia recursos da empreiteira Mendes Júnior, por meio do lobista Cláudio Gontijo, para pagar pensão à jornalista Mônica Veloso, com quem tem uma filha fora do casamento. QUE FIM LEVOU? Mesmo após duas votações no Senado que vetaram sua cassação, Renan renunciou ao cargo de presidente do Senado, mas manteve o mandato. Voltou ao cargo em 2013 Alan Marques/ Folhapress Mais

OPERAÇÃO NAVALHA -- O QUE FOI: Operação da Polícia Federal que desarticulou quadrilha que fraudava licitações para a realização de obras, como as previstas no PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) e no Luz Para Todos, do governo federal. QUANDO: 2007. DETALHES DO CASO: A quadrilha desviou recursos do Ministério de Minas e Energia, da Integração Nacional, das Cidades, do Planejamento, e do Dnit (Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes). Funcionários da construtora Gautama, como o sócio-diretor Zuleido Soares Veras (foto), estavam envolvidos. QUE FIM LEVOU? A denúncia do MPF contra 12 acusados, incluindo Veras, foi aceita em 2013 pela Corte Especial do STJ (Superior Tribunal de Justiça) Ueslei Marcelino/Folhapress - 30.mai.2007 Mais

ÁGUAS PROFUNDAS -- O QUE FOI: Operação da PF que investigou fraudes em licitações na Petrobras com construtoras de plataformas. QUANDO: 2007. DETALHES DO CASO: Licitações de reparos em quatro plataformas foram combinadas por três empresas suspeitas (Angraporto, Mauá Jurong e Iesa), formando um cartel. A quadrilha ganhou pelo menos R$ 150 milhões. QUE FIM LEVOU? No mesmo ano, 14 envolvidos foram presos. Em 2009, a oposição pediu abertura de CPI, na qual depôs o presidente da estatal, Sérgio Gabrielli, que rebateu as acusações de fraude. DEM e PSDB abandonaram a CPI Divulgação Mais

SATIAGRAHA -- O QUE FOI: Operação que apurou supostos crimes financeiros da gestão do grupo Opportunity, do banqueiro Daniel Dantas (foto). Celso Pitta e o megainvestidor Naji Nahas estariam envolvidos. QUANDO: 2008. DETALHES DO CASO: O Opportunity foi apontado como parte de um esquema que desembocaria no chamado "valerioduto" do mensalão. O esquema envolvia gestão fraudulenta, formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, evasão de divisas, concessão de empréstimos vedados e corrupção ativa. QUE FIM LEVOU? Em 2011, o STJ (Superior Tribunal de Justiça) anulou todas as provas obtidas pela operação em razão de suas ilegalidades. Dantas e Nahas foram soltos. Em 2014, o então delegado Protógenes Queiroz, que comandou a Satiagraha, foi condenado pelo Supremo Tribunal Federal por violação de sigilo funcional Folhapress Mais

FUNDAÇÃO JOSÉ SARNEY -- O QUE FOI: Reportagem de "O Estado de S. Paulo" informou que ao menos R$ 500 mil dos recursos repassados pela Petrobras para patrocinar um projeto cultural da fundação teriam sido desviados para empresas fantasmas e empresas da família do senador José Sarney. QUANDO: 2009. DETALHES DO CASO: O dinheiro teria ido parar em contas de empresas com endereços fictícios e contas paralelas. O projeto nunca saiu do papel. QUE FIM LEVOU? Em 2011, a Assembleia Legislativa do Maranhão aprovou a transferência da Fundação José Sarney para a administração do Estado. Em 2013, o MPF-MA propôs ação de improbidade administrativa contra a entidade. A avaliação é que o caso trouxe prejuízo de R$ 298 mil aos cofres públicos Folhapress - 14.dez.2010 Mais

CASTELO DE AREIA -- O QUE FOI: Operação da Polícia Federal que investigou crimes financeiros e lavagem de dinheiro, tendo como centro as operações do Grupo Camargo Corrêa. QUANDO: 2009. DETALHES DO CASO: As buscas realizadas nos escritórios da construtora e nas casas de diretores acharam documentos com indícios de pagamentos de propinas, fraudes a licitações e doações ilegais a políticos. QUE FIM LEVOU? O Superior Tribunal de Justiça julgou em 2011 ilegais as provas produzidas a partir de interceptações telefônicas. As escutas foram consideradas irregulares por terem iniciado a partir de denúncia anônima Odival Reis/Agência Globo Mais

CARTEL DO METRÔ DE SP -- O QUE FOI: A multinacional alemã Siemens delatou a existência de um cartel --do qual fazia parte-- em licitações para compra, construção e manutenção de linhas de trens e metrô em São Paulo (de 1998 a 2008) e no DF (2007). Os metrôs de RJ, MG e RS foram posteriormente incluídos na apuração do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). QUANDO: 2013. DETALHES DO CASO: O esquema envolveria subsidiárias de multinacionais como a francesa Alstom, a canadense Bombardier, a espanhola CAF e a japonesa Mitsui. Combinações ilícitas teriam resultado em contratações com preços superiores aos praticados caso elas concorressem normalmente. QUE FIM LEVOU? O inquérito está sendo analisado pela Primeira Turma do STF, composta por cinco ministros Marcio Komesu/ UOL Mais

OPERAÇÃO LAVA JATO -- O QUE FOI: Um esquema bilionário de lavagem e desvios de dinheiro envolvendo a Petrobras. A operação investiga as maiores empreiteiras do país, com contratos que somam R$ 59 bilhões com a Petrobras, suspeitas de pagar propinas para fechar contratos com a estatal. QUANDO: 2014. DETALHES DO CASO: Teriam sido ao menos R$ 10 bilhões movimentados. A relação dos citados pelo ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa (foto), que acabaram investigados pela Procuradoria-Geral da República e que tiveram inquéritos aceitos pelo STF, inclui o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ); o presidente do Senado Renan Calheiros (PMDB-AL); o ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto; e a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB-MA), entre outros. QUE FIM LEVOU? Em março de 2015, o STF autorizou a abertura de inquéritos contra 47 políticos, e esse processo está em tramitação na corte. Em abril de 2015, o mesmo STF autorizou que oito acusados ligados a empreiteiras envolvidos no escândalo fossem transferidos para o regime de prisão domiciliar. As investigações continuam Alan Marques/ Folhapres Mais

OPERAÇÃO ZELOTES -- O QUE FOI: Suspeita-se que quadrilhas atuavam junto ao Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais), órgão ligado ao Ministério da Fazenda, revertendo ou anulando multas. A entidade é um tribunal administrativo formado por representantes da Fazenda e dos contribuintes (empresas) que julga hoje processos que correspondem a R$ 580 bilhões. Estão sob suspeita 74 processos que somam R$ 19 bilhões em valores devidos ao fisco. QUANDO: 2015. DETALHES DO CASO: Entre 74 empresários, companhias e entidades investigadas estão nomes como Petrobras, Embraer, TIM e o Partido Progressista (PP). Cada um é acusado de ter diferentes níveis de envolvimento no esquema. Em 12 dos processos, a polícia encontrou "elementos consideráveis de irregularidades". Estão nesse grupo Gerdau e RBS; as companhias Cimento Penha, J.G. Rodrigues, Café Irmãos Julio, Mundial-Eberle; as empresas do setor automotivo Ford e Mitsubishi, além de instituições financeiras Santander, Safra, Bradesco e Boston Negócios. QUE FIM LEVOU? Em abril de 2015, a força-tarefa que investiga as fraudes no Carf anunciou a análise de 43 quebras de sigilo bancário de investigados pela Polícia Federal. Sergio Lima/Folhapress Mais

Relembre casos de corrupção no Brasil

Últimos álbuns de Notícias

UOL Cursos Online

Todos os cursos