Descoberto novo dinossauro que viveu no Brasil há 230 milhões de anos

Herton Escobar

São Paulo

  • Jorge Blanco/Divulgação

    Bagualosaurus agudoensis, ou "lagarto bagual de Agudo", viveu há 230 milhões de anos

    Bagualosaurus agudoensis, ou "lagarto bagual de Agudo", viveu há 230 milhões de anos

Pesquisadores brasileiros acabam de acrescentar mais um personagem ao escasso elenco de espécies que figuram nos primeiros capítulos da história evolutiva dos dinossauros. E de relevância mundial. Batizado de Bagualosaurus agudoensis, ou "lagarto bagual de Agudo", ele viveu há 230 milhões de anos, onde hoje fica o Rio Grande do Sul. Tinha mais de 2,5 metros de comprimento e, a julgar pelos dentes, se alimentava de folhas.

Jorge Blanco/Divulgação
Fóssil foi descoberto em 2007 em um barranco à beira de um açude, em uma propriedade rural de Agudo (a 240 km de Porto Alegre)
"Ele é parecido com o que se espera de outros dinossauros primitivos, mas com algumas inovações anatômicas na estrutura do crânio, especialmente nos dentes, que sugerem que tinha uma dieta quase 100% herbívora", explica o paleontólogo Flávio Pretto, da Universidade Federal de Santa Maria, que descreveu o fóssil para sua tese de doutorado. "É um dos dinos mais antigos do mundo."

Descoberto em 2007, em um barranco à beira de um açude, em uma propriedade rural de Agudo (a 240 km de Porto Alegre), o fóssil ficou mais de cinco anos guardado em um armário do Laboratório de Paleovertebrados da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, sob a tutela do professor Cesar Schultz. "Estava só esperando alguém para estudá-lo, e acabou caindo na minha mão", comemora Pretto. É comum fósseis passarem anos guardados em coleções até serem estudados de fato por algum especialista - não apenas no Brasil, mas no mundo todo. É o que se costuma chamar, carinhosamente, de "paleontologia de gaveta".

Leia também: 

A descoberta tem relevância mundial, pois há muito poucos fósseis de dinossauros desse período, no início do Triássico, que foi quando os dinossauros começaram a se multiplicar e se diversificar pelo planeta. Os únicos lugares no mundo onde foram encontrados são justamente no interior do Rio Grande do Sul e no noroeste da Argentina.

"O que sugere que esses bichos surgiram provavelmente em algum lugar próximo daqui", afirma Pretto. "Todo mundo que quiser estudar a origem dos dinossauros tem de vir para cá, olhar os nossos fósseis."

"Todo o resto é mais novo, ou mais fragmentado", diz o paleontólogo Max Langer, da Universidade de São Paulo em Ribeirão Preto, que também assina a descrição do fóssil, ao lado de Pretto e Schultz.

Jorge Blanco/Divulgação
O Bagualosaurus é a sétima espécie de dinossauro do Triássico descoberta no Rio Grande do Sul
O Bagualosaurus é a sétima espécie de dinossauro do Triássico descoberta no Rio Grande do Sul. Ele pertence à linhagem dos saurópodes, aqueles répteis gigantescos, de cabeça pequena (a dele tinha apenas 13 centímetros) e pescoço comprido, que mais tarde produziria espécies com mais de 50 metros de comprimento. Comparado a esses animais "titânicos" do Jurássico e do Cretáceo, ele era pequeno, mas se tratava de um bicho grande para a época. Outros dinos que conviveram com ele mal chegavam a 1,5 metro de comprimento.

Os pesquisadores acreditam, até, que ele já tinha tamanho suficiente para competir por alimento com os herbívoros dominantes daquela época, que eram os rincossauros e os cinodontes (precursores dos mamíferos). Foi só depois que esses outros grupos desapareceram, por volta de 220 milhões de anos atrás, que os dinossauros se tornaram, de fato, a fauna dominante do planeta.

Dieta

O fato de o Bagualosaurus já ter uma dentição bem adaptada ao consumo de vegetação é especialmente importante para a história evolutiva dos dinossauros. Pretto explica que todos os saurópodes têm duas características em comum: o gigantismo e o herbivorismo. "Mas não sabemos exatamente o que veio primeiro", afirma.

O Bagualosaurus sugere que a dieta de folhas surgiu primeiro, e pode ter sido a fonte de energia para o gigantismo. O estudo está publicado no Zoological Journal of the Linnean Society.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos