Topo

Você pode ajudar a Nasa a trazer amostra de asteroide para a Terra

NASA/Goddard/University of Arizona/Lockheed Martin
Satélite OSIRIS-REx capturou imagens superdetalhadas do asteroide Bennu Imagem: NASA/Goddard/University of Arizona/Lockheed Martin

Thiago Varella

Colaboração para o UOL

2019-05-27T10:38:11

2019-05-29T11:26:17

27/05/2019 10h38Atualizada em 29/05/2019 11h26

Se você é um aficionado por ciência e pelo espaço, poderá, sem sair da cadeira do seu computador, ajudar a Nasa a escolher amostras do asteroide Bennu.

A sonda OSIRIS-REx está mapeando o asteroide com detalhes desde dezembro do ano passado. O Bennu tem quase 500 metros de diâmetro e quase 78 bilhões de quilos. Ele está sendo fotografado bem de pertinho -- a cerca de 5 km de altura -- pelo veículo da Nasa.

O asteroide, que orbita ao redor do Sol, fica atualmente a 135 milhões de quilômetros da Terra --a distância pode variar por conta do desnível entre as órbitas do asteroide e a do nosso planeta.

E é aí que você pode entrar. Cientistas voluntários podem criar um mapa de risco apontando os pedregulhos mais perigosos para um futuro pouso da OSIRIS-REx, usando as fotos já tiradas do Bennu.

Como parte da missão da sonda, a Nasa procura um local de coleta de amostras seguro. Um dos desafios maiores é que a equipe descobriu, após chegar no asteroide, que o Bennu tem uma superfície extremamente rochosa e que cada pedregulho representa um perigo para a segurança do veículo quando este tentar um pouso. Antes, pensava-se que o asteroide era mais macio e, portanto, mais seguro para a operação.

Para o mapeamento do asteroide, a Nasa fez uma parceria com o projeto CosmoQuest. Por meio do site Bennu.cosmoquest.org, os voluntários vão poder medir os pedregulhos do Bennu e mapear suas rochas e crateras. Eles também vão poder marcar outras características científicas interessantes para uma possível investigação futura.

O voluntário apenas precisará de um computador com uma tela grande e de um mouse capaz de fazer marcas precisas. O interessado também terá de assistir a um tutorial interativo e poderá ter ajuda por meio de uma comunidade online além de poder ver a sessões ao vivo de vídeos pelo Twitch.

"Para a segurança da espaçonave, a equipe da missão precisa de um catálogo abrangente de todas as rochas próximas aos locais de coleta de amostras em potencial, e convido membros do público para ajudar a equipe da missão OSIRIS-REx a realizar essa tarefa essencial", afirmou Dante Lauretta, principal investigador responsável pela sonda na Universidade do Arizona, em Tucson.

A campanha para mapear o Bennu vai até 10 de julho, quando a missão inicia o processo de seleção do local de recolhimento de amostra. A manobra de amostragem Touch-and-Go (TAG) da missão está programada para julho de 2020. O objetivo é pousar durante cinco segundos e realizar as coletas com o braço articulado. Espera-se coletar de 60 gramas a um quilo de regolito (cascalho e poeira). As amostras serão armazenadas na sonda, que retornará à Terra em 2023.

A Nasa está buscando o maior número de informações, pois há a possibilidade de a rocha espacial colidir com o planeta Terra por volta do ano de 2135.

Além disso, o Bennu é um asteroide primitivo, cuja superfície está coberta de materiais que predominavam no início da formação do Sistema Solar. Graças a sua distância do Sol, esses materiais não sofreram tanto pelo aquecimento.

Mais Ciência