PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Paulo Sampaio


Após sofrer golpe em mecânica, trio gay abre oficina focada em público LGBT

Wagner Figueiredo, Odair Sinkunas e Julio Sinkunas - Foto: Arquivo Pessoal
Wagner Figueiredo, Odair Sinkunas e Julio Sinkunas Imagem: Foto: Arquivo Pessoal
Paulo Sampaio

Nascido no Rio de Janeiro em 1963, Paulo Sampaio mudou-se para São Paulo aos 23 anos, trabalhou nos jornais Folha de S. Paulo e Estado de S. Paulo, nas revistas Elle, Veja, J.P e Poder. Durante os 15 anos em que trabalhou na Folha, tornou-se especialista em cobertura social, com a publicação de matérias de comportamento e entrevistas com artistas, políticos, celebridades, atletas e madames.

Colunista do UOL

16/02/2020 04h06

Quando a correia dentada do Peugeot 307 ano 2007 estourou, aos 90 mil km, com quatro anos de uso, o microempresário Julio Cézar Rocha Sinkunas, 40 anos, procurou a oficina de confiança que costumava cuidar da manutenção dos carros do Forum de Barueri, Grande São Paulo, onde ele trabalhava como motorista e auxiliar administrativo.

O mecânico apresentou um orçamento que, hoje ele sabe, daria para fazer a retífica do motor e ainda sobrar um troco. Quatro mil e novecentos reais. "Ele se aproveitou porque sabia que eu não entendia de mecânica e tinha confiança na oficina. Nem fiz cotação", lembra Julio, que, por causa do traumatizante episódio, passou a se capitalizar para abrir a própria oficina. Contou com o apoio moral e financeiro do visual merchandiser Odair Sinkunas, 59, com quem vive desde 1999, e do vendedor Wagner Carlos de Figueiredo, 30, que se uniu ao casal há 12 anos.

Wagner: "A gente só descobriu que tinha sofrido um golpe cerca de um ano depois, em 2015, quando já estávamos com um Pajero Sport. Por causa de um problema no câmbio, procuramos uma oficina especializada em carros da Mitsubishi. Em uma conversa informal com o mecânico, ele nos disse que, se tivessem nos cobrado R$ 3 mil pelo serviço do Peugeot, estaria muito bem pago e ainda com uma boa margem de lucro para o dono."

Wagner, Julio, Davi; Maria do Carmo e Karin (as duas primeiras clientes); Suely (mãe de Julio); Odair - Foto: Paulo Sampaio/UOL - Foto: Paulo Sampaio/UOL
Wagner, Julio, Davi; Maria do Carmo e Karin (as duas primeiras clientes); Suely (mãe de Wagner); Odair
Imagem: Foto: Paulo Sampaio/UOL

Graxa e bandeira do arco-íris

Em 2017, o "trisal" abriu o JOW Centro Automotivo, cujo nome é uma combinação das iniciais dos três. "Nós atendemos a qualquer cliente, claro, mas a princípio pensamos nas maiores vítimas dos mecânicos, em um meio habitado majoritariamente por ogros: as mulheres e os gays", diz Wagner.

Instalado em um galpão de 1.500 metros quadrados, o JOW ostenta no pé direito muito alto a bandeira da comunidade LGBT, que tem as cores do arco-íris, estendida sobre o ambiente cheio de carros suspensos em macacos hidráulicos, peças sujas de graxa e ferramentas espalhadas.

Mais de 400 orçamentos

Embora os três sócios tenham hoje a experiência de quem já fez, só no último ano, mais de 400 orçamentos, a princípio nenhum deles sabia muita coisa de sobre mecânica. Abriram o negócio munidos basicamente de boas intenções: seu foco é prestar bom atendimento com preço justo. E não é conversa de vendedor. A maior prova de que os três não têm malícia é a quantidade de tombos que levaram até estabilizar o negócio.

A logomarca da oficina - Foto: Reprodução - Foto: Reprodução
A logomarca da oficina
Imagem: Foto: Reprodução

Ao comprar o primeiro ponto, uma oficina praticamente montada, eles foram vítimas de um estelionatário que chegou ao cúmulo de encher o lugar com carros da família para passar a imagem de que era um mecânico requisitado, e respeitado. Apesar de terem examinado a papelada com critério, depois eles perceberam que "tudo era extremamente bem falsificado", conta Julio. Ali, foram-se os primeiros R$ 45 mil de economias dos três.

Vizinho quebrado

Logo depois, encontraram o ponto onde estão até hoje, cujo vizinho também era mecânico e ocupava parte do terreno. "Ele tinha uma clientela enorme, a oficina vivia cheia, mas estava quebrado. Devia aluguel, não pagava os fornecedores e já não conseguia atender direito os clientes. A dona do imóvel o despejou, e isso a princípio isso seria bom para o nosso negócio, já que teríamos um concorrente a menos na vizinhança", conta Odair.

Acontece que, como o vizinho fechou a oficina praticamente sem aviso, a clientela dele cobrava dos JOW os serviços que estavam pagos, mas não executados. "Os clientes dele achavam que, como nós estávamos aqui, éramos a mesma oficina."

Foi preciso empreender um trabalho de relações-públicas na vizinhança, para explicar que o JOW não tinha nada a ver com a mecânica que fechou. "A gente mesmo panfletou", lembra Julio. O bom foi que, por conta disso, o trio acabou fazendo propaganda da própria oficina.

À prova de golpe

Pergunta: em um mercado tão inconfiável, como saber, com poucos conhecimentos na área, quem é bom mecânico (para contratar)? "A gente testou vários, até chegar à equipe atual. Já houve pilantra que queria dar o golpe no cliente e dividir o lucro com a gente", lembra Julio, que guarda o jeitão de um mineiro do interior.

Hoje, a oficina conta com uma equipe de sete funcionários, além da preciosa mão na roda da mãe de Wagner, Suely Lopes, 57, que recebe os clientes, interage com os mecânicos e funileiros, e cuida da alimentação de todos. Sintomaticamente, Suely era babá antes de assumir a posição de "faz-tudo" (incluindo o polimento no Lava Jato), no JOW.

Ela vem diariamente do Capão Redondo, a cerca de 33 km dali, só para cuidar de suas "crianças". "No princípio, eu ficava um pouco, ajudava e ia embora. Eles achavam que eu não ia dar conta. Mas aí, passei a vir com mais frequência, e agora abro todos os dias a oficina, às 7h40, e vou embora depois que eles fecham, às 18h", conta.

Índice de fidelização

O maior orgulho dos sócios é o índice de fidelização de clientes. As senhoras são as mais apegadas. Wagner conta que 70% do público é feminino. Cliente do JOW desde o início, a psicóloga Maria do Carmo Chagas, 60, proprietária de um Nissan March 1.0 S, diz que quem indicou a oficina foi seu filho:

"Nós costumávamos levar os carros em uma mecânica na rua de trás, mas cada dia éramos atendidos por uma pessoa diferente. Eu não sentia confiança. Aqui, é sempre o Julio que me recebe, eu tenho o whatsapp dele, ele me responde a qualquer hora. Isso é uma raridade", diz.

Plantão psicológico

Primeira cliente da oficina, a gerente de relacionamento Karin Santana, 39, diz que entrega seu jipe Renagade de olhos fechados nas mãos do trisal. Ela conta como os conheceu: "Não tenho vaga de garagem no prédio, e guardava meu carro em um estacionamento ao lado, até que um dia, pesquisando preços, descobri que a tarifa mensal aqui era muito mais em conta", diz Karin, no pátio da oficina. Para sua surpresa, ela encontrou no novo estacionamento uma mecânica com atmosfera familiar, onde se sente muito acolhida: "Nós, mulheres, damos valor ao tratamento atencioso, delicado, em um ambiente tão masculinizado."

Aparentemente, o atendimento "psicológico" também a cativou. Há pouco tempo, quando sofreu um assalto na avenida 23 de Maio, centro de SP, executado por um homem que estourou o vidro do carro para pegar seu celular, Karin foi direto para oficina. "Eu tremia, chorava, a primeira coisa em que eu pensei foi vir pra cá", conta ela, rindo. "Mesmo sabendo que a especialidade deles não é vidro, eu sabia que o Julio ia me tranquilizar."

( Da dir. para a esq.) As primeiras clientes, Karin e Maria do Carmo; Julio, Wagner, Davi, Odair e Suely  - Foto: Paulo Sampaio/UOL - Foto: Paulo Sampaio/UOL
Imagem: Foto: Paulo Sampaio/UOL

Um filho, três pais

No fim de 2018, antes da crise de 2019, a oficina atingiu seu melhor momento. A procura cresceu a tal ponto que eles decidiram suspender as férias coletivas de fim de ano para atender a demanda.

Enquanto o negócio fluía, os três abraçaram um projeto ainda mais antigo — o de serem pais. "A gente sabia que ia ter de abrir mão de muita coisa, então ponderamos muito e esperamos até estar com o pé fincado, como se diz na minha terra", conta Julio.

Em junho do ano passado, conseguiram obter a guarda provisória de Davi Pietro, um menino de 7 anos abandonado pela mãe dependente química. A tia do garoto, que o criava, não tinha mais condição de arcar com as despesas. Quem fez a ponte entre ela e o trisal foi um mecânico da oficina que, ironicamente, vem a ser sobrinho do estelionatário que deu o golpe do primeiro ponto. "A família é brigada, ele sabe o tio que tem, nos trata como irmãos."

Muito vivo, Davi entra e sai da sala várias vezes durante a entrevista, e em uma delas pergunta se a reportagem vai querer conversar com ele também. Responde algumas perguntas, conta que naquela manhã esteve em um bloquinho de Carnaval ali perto e que se divertiu muito. Volta para o lava-rápido, onde observa os funcionários trabalhando.

"Ele adora a oficina, passa o dia inteiro aqui", dizem seus três pais. "Não somos ricos, mas temos o suficiente para dar ao Davi uma vida digna. Ele chegou aqui magrinho, com broncopneumonia e princípio de água no pulmão. Hoje, está seis quilos mais gordo, é não para quieto. Fala sem parar, tem opinião sobre tudo, é outra pessoa", lembra Odair.

Davi, com os três pais, Odair, Wagner e Julio, em um casamento - Foto: Arquivo Pessoal - Foto: Arquivo Pessoal
Davi, com os três pais, Odair, Wagner e Julio, em um casamento
Imagem: Foto: Arquivo Pessoal

Embora lamentem muito as chuvas que deixaram São Paulo submersa na semana passada, os JOW contam que a oficina recebeu visitas "extras" de gente que quase perdeu o carro. "Aquele Voyage ali chegou de guincho", aponta Julio. Na oficina, a tempestade passou. Eles agora estão prontos para a bonança.

Paulo Sampaio